Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Apoie
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Lovecraft Mitos de Cthulhu Desdobramentos Divinatórios

Desdobramentos Divinatórios

 

Di9vinaçaoEste pequeno artigo corresponde-se à resposta que tive em um Tátil trabalho divinatório feito pelos membros do "Temple Legion Gmicalza", IOT (Seatle, 15 de janeiro de 1995), e as experiências que me permitiu começar a entender as implicações da resposta nos termos da questão.

 

A RESPOSTA É "SLIME" - "GOSMA"

 

Ao participar do ritual Tátil de Divinação eu perguntei: "Qual a chave para escrever Pseudonomicon II?”.

Depois de colocar minha mão sobre a caixa, eu tive uma imediata sensação de "gosma" e tomei isso como minha resposta.

 

Isso eu fiquei um tanto perplexo e divertido. Gosma é algo que pode-se imaginar pingando dos tentáculos de Cthullu. Além disso, Kenneth Grant (um grande influente do Pseudonomicon I) é conhecido em certos bairros da cena LHP do Reino Unido como “O Senhor da Gosma” – “The Slime Lord”. No entanto, eu estava inicialmente confuso a respeito de como “gosma” poderia se relacionar com escrever um livro.

 

Gosma é uma substancia peculiar – sendo um fluido úmido e viscoso secretado por organismos como as lesmas, peixes ou fungos. Também é geralmente considerada como desagradável e nociva. Isso imediatamente atingiu outro acorde comigo – que encontramos muitos aspectos da natureza desagradáveis. Cada vez mais estou começando a entender os Mitos de Lovecraft como uma expressão da nossa relação com os processos naturais.

 

Gosma é uma substancia que possui propriedades interessantes – camadas ou cobertura de outras coisas e muda-los sutilmente, mantendo suas próprias propriedades inerentes certas formas de gosma parecem se comportar como elásticos e parecem ter diferentes graus de memoria termoplásticas.

 

Pensamentos de que gosma tende a invocar os medos e preconceitos sobre os processos biológicos – menstruação é um excelente exemplo. Algumas semanas atrás, a “desordem” foi convincente e trouxe para a minha casa como nós atravessávamos uma floresta enlameada na chuva e vi uma casa que tinha sido literalmente “recuperada” pela floresta. Medo dos processos naturas é um forte subtexto dentro da escrita de Lovecraft em particular, e da psicologia ocidental em geral. Mais uma vez isso também me lembra o trabalho de Kenneth Grant.

 

Foi nesta floresta que eu tive uma conversa com um amigo que é ao mesmo tempo ecologista e um tântrico budista. Discutimos o Pseudonomicon e meu desejo de expandi-lo, e meu amigo novamente chamou a minha atenção para Cthullu como uma articulação da interação do homem com a natureza. Eu me tornei cada vez mais insatisfeito com a maioria das abordagens “magicas” do mito de Cthullu, pois me pareceu enraizada na tradição magica intelectualizada ocidental captada (que segue as tendências filosóficas ocidentais) Marchando através da floresta, tornozelos na lama e tudo molhado, tive um “insight” que aqui eu estava muito mais perto dos Grandes Antigos do que  se eu estivesse em um quarto para realizar o ritual. Este foi um pensamento eu tive antes, mas esta experiência reforçou e ampliou minhas perspectivas sobre ela.

 

Como resultado destes “redemoinhos” de pensamentos e experiências, eu comecei a planejar o Pseudonomicon II como um texto muito mais amplo do que analisar o Mito de Cthullu como paradigma magico.

 

Oráculos não lineares:

 

O acima lida com as minhas ideias atuais sobre as Respostas Divinatórias no momento (provavelmente há mais por vir). Agora vou discutir questões mais reais relativas a esse tipo de abordagem para a adivinhação.

 

Geralmente as técnicas divinatórias podem ser divididas em duas abordagens simbólicas (ou seja, tarô e runas) e de forma livre (vidência). O trabalho divinatório Tátil cai nessa ultima categoria, como um exemplo de técnica divinatória onde as respostas surgem do reclamante imediatamente da percepção decorrente, sem qualquer quadro estruturado de referencia para a interpretação.

 

O que eu acho interessante sobre este ultimo tipo de abordagem para a adivinhação é que interpretações das “respostas” surgem organicamente ou seja, gradualmente, a partir de um campo totalmente experimental, o consulente aborda a questão a partir de diferentes ângulos e perspectivas. Isso também me faz lembrar o uso de Guemátria na interpretação das respostas confusas. Guemátria envolve não só a associação de conceitos linguísticos e simbólicos (Cabala), mas também pode se exigir meditação sobre as cartas do tarô, etc. Kenneth Grant é provavelmente o expoente mais conhecido do uso da Guemátria para formar cadeias de associação entre ideias dispares. O ponto principal sobre estas interpretações é que eles levam tempo para se desdobrar e formular – a questão do divinatório e oracular torna-se um fodo para as novas experiências que parecem um “loop” de volta para o problema original.

 

A GNOSE iluminatória:

 

As experiências do tipo divinatórias podem dar origem a poderosas experiências iluminatórias. Um bom exemplo disso pode ser encontrado em “Masks of The Illuminati”, um romance de Robert Anton Wilson, onde o protagonista é impelido para uma Gnose Iluminatória como resultado da tentativa de desvendar a forma mágica do clássico I.N.R.I.

 

Outro conceito relacionado é o do “Zen Koans”. Zen Koans são eficazes na medida em que estudantes esgotam as tendências para tentar fazer sentido logico de uma proposição não logica até que a “resposta” surge espontaneamente ou organicamente. A marca de tais entendimentos é que eles são acompanhados por uma resposta fisiológica. Ou seja, a “compreensão” súbita de um problema é emocional, ao invés de meramente intelectual.o entendimento é portanto inserido no “psicocosmo” da pessoa – um verdadeiro processo de gnose pelo qual as crenças e percepções anteriormente realizadas podem ser significativamente alteradas.  Tal experiência pode derrubar o individuo a um estado alterado que pode durar vários dias, durante os quais os elementos de tempo de seu “psicocosmo” pode entrar em colapso – uma fratura da realidade de consenso, se quiser, onde eventos e experiências que parecem relacionados com o “core” do processo (o gatilho divinatório oracular) assumem uma importância elevada.

Por Phil Hine - Trad. Carolina Rezende