Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Apoie
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Magia do Caos Textos Caóticos Anarco-Magick: Objeções a Estrutura Hierárquica na Magia

Anarco-Magick: Objeções a Estrutura Hierárquica na Magia

Che Guevara MulherObjeções Práticas e Filosóficas as Estruturas Hierárquicas na Magia

Minha experiência para escrever estas (necessariamente generalizadas) anotações vem de duas áreas bem diferentes. Primeiro do ponto de vista de um professor que já pode ensinar dois tipos bem diferentes de adultos - em um caso adultos cuja educação formal é quase nula - em outro alunos com duas ou mais faculdades ou uma qualificação profissional acima do primeiro grau primário. Em segundo lugar, do ponto de vista de um magista que teve o privilégio de trabalhar com um grupo sem nome de magos extremamente comprometidos durante os últimos anos. 

(A razão desta nota introdutória ficará clara conforme a linha de raciocínio se desenvolver.)

A história recente na magia é dominada por três princípios:

   1. ênfase na técnica
   2. negação do dogma
   3. negação de super-organizações

Os mais evidentes efeitos destes princípios quando postos em prática é que:

a) Indivíduos começam a experimentar com base em suas próprias ideias e entusiasmo no lugar de seguir estruturas de treinamento traçadas por 'experts'. Não confinados por uma estrutura, as pessoas têm a liberdade de escolher seus próprios métodos, metas e objetivos e muitas novas ideias podem vir a luz que de outra forma não receberiam nenhuma atenção.

b) A ênfase na técnica eleva o poder magico do magista regular, portanto tira o poder 'político' do amontoado de magos velhos que não tentaram nada de novo nos últimos cinquenta anos.

c) A negação do dogma significa que as pessoas examinaram as ideias que previamente tinham como verdadeiras e descobriram que muito do corpo de conhecimento das antigas doutrinas mágicas podiam ser descartadas com vantagens. Algumas pessoas foram implacáveis na análise de suas próprias visões de mundo e no entusiasmo criativo na síntese de novos mundos. Uma visão de mundo feita sob medida para as inclinações e intenções de cada um é, obviamente, mais favorável à possibilidade de um bom desempenho em magia do que uma visão de mundo que o obriga o mago a se encaixar nele.

Estruturas hierárquicas lideradas a partir de um topo, a menos que seja cuidadosamente construída, e mesmo se for criado com todas as boas intenções são eminentemente corruptíveis e, inevitavelmente, corruptas por razões de poder ou ganho pessoal. A queda da república romana é um exemplo disso em grande escala - o imperialismo, introduzido com a melhor das boas intenções rapidamente permitiu uma situação onde loucos, como Calígula e Nero poderiam governar quase todo o mundo conhecido a seu bel prazer, simplesmente por nascerem no lugar certo.

Hierarquias são abertas ao abuso e qualquer um que duvide disso deveria estudar a história de ordens hierarquizadas dos Rosacruz em diante. Mesmo no evento de uma hierarquia ser próspera, uma vez que a liderança passe por sucessão ela é interrompida e a estrutura começa a falhar, como exemplificado pela OTO após a morte de Karl Germer.

Um dos problemas que confronta a magicka do século vinte em diante é o isolamento. Magistas, especialmente os iniciantes, acham difícil fazer contato com pessoas em suas regiões e como consequência disso são atraídos por ordens mágicas geralmente como último recurso. Esta situação é manipulada pelas as ordens hierarquizadas. A última coisa que elas querem é que as pessoas falem uma com as outras. Comunicação entre magistas individuais não apenas significaria menos candidatos. Também significaria que seus métodos podem ser discutidos e questionados e seu glamour afetado.

Uma rede genuína de magistas sem a pesada estrutura e organização das antigas ordens e que não tivesse manchas a esconder seria muito impopular com algumas das instituições magickas de hoje. Seria uma ameaça a própria existência, para as que não tem nada a oferecer senão informação que hoje é comum.

Uma distinção deve ser feita aqui entre ordens mágicas e grupos mágicos. Membros de ordens mágicas seguem, na maior parte das vezes, um caminho solitário (e desde que estejam satisfeitos com o progresso que estão tendo e não os desencorajaria de segui-lo). Membros de grupos mágicos por outro lado estão em um ambiente mágico muito mais imediato. Grupos podem ser mais facilmente administrados na base do consenso do que ordens, e há benefícios no consenso que de longe justificam a aversão pela liderança. Em um trabalho de grupos todos os membros são considerados iguais, em discussões profundas toda sugestão pode ser levada em conta, especialmente o planejamento de rituais que sejam filosoficamente ou tecnicamente complexos, é valioso para o processo de aprendizagem, reforça o que já foi aprendido e permite os membros do grupo  conhecerem uns aos outros de uma maneira que poucas pessoas tem a chance de conhecer. Este entendimento mútuo cria uma ligação inestimável aos rituais feitos em grupo.

Trabalhar com base no consenso significa que indivíduos não estão lá competindo uns com os outros como é estimulado em uma estrutura hierárquica, passando a perna uns nos outros por títulos e privilégios e forma que o status tem precedência sobre a magia e sobre o que outras pessoas têm a dizer. A emissão de certificados, no pior dos casos, é simplesmente uma extensão disso - desejosos de poder em busca de reconhecimento do grupo em vez de seres individuais.

No começo deste texto eu me referi aos dois tipos de adultos.

O primeiro tipo, sem qualquer instrução forma, precisa ser guiado em uma estrutural formal de ensino para se desenvolver. Como professor, me vi envolvido com adultos cujo melhor curso de ação era a execução de tal programa. Para os recém-chegados à magia que ainda não se acostumaram com os rigores do treinamento esta é provavelmente a rota mais eficiente a proficiência mágica. O segundo tipo de aluno que me referi, já é melhor educados e auto-motivado, não precisava de tal programa. São suficientemente conscientes de que eles precisavam aprender e como eles podem me usar para aprender, como professor, eu simplesmente forneço informações factuais as estruturas e alguns exemplos para ajudá-los a compreender as informações recém-adquiridas. Esta é uma maneira muito mais viva e fecunda de aprendizagem, desde que as competências básicas tenham sido bem aprendidas de antemão, e é o método naturalmente escolhido entre os magos do Caos. Sob o risco de uma digressão vale a pena ressaltar de novo que Magia do Caos não é para os inexperientes, nem uma maneira fácil para desleixados. Suas disciplinas são tão difíceis e exigentes como as praticados por qualquer outra forma de magia, e as disciplinas básica são essenciais para o desempenho da magia do caos em seu sentido mais amplo e eclético. (Fim da digressão)

Pessoalmente, eu acho impossível trabalhar com alguém que não me considera um igual. Em rituais mágicos todos os elementos precisam ser perfeitos - a invocação, as armas, as runas, etc.. - não devemos esperar menos dos outros participantes. Se você não pode contar com eles para trabalhar senão em um padrão em que eles não causem interferência (ou obstáculos), então eles poderiam muito bem nem estar lá.

Por sua própria natureza de um grupo mágico é muito mais capaz de escolher os novos membros com sucesso do que aceitar filiações de fora para dentro, que é a forma mais comum de crescimento dos mesmos, que os torna restritos mais aos afins do que aos conhecidos.

Em face disto, a minha abordagem é um algo elitista. Embora eu não possa negar isso, ela não é elitista por um motivo hierárquico, nem elitista em favor de alguma política em particular. É pragmática, porque esse grupo não anuncia por novos membros e não descarta os candidatos que não gosta. Ao não aceitar filiações o grupo pode usar seu tempo para se aproximar de pessoas que acha que podem ser úteis ao grupo e para quem o grupo pode oferecer benefícios, o que permitirá colher os benefícios desta discriminação positiva. Só desta forma um grupo pode ser criado de modo que todo o trabalho mágico seja realizado com base na igualdade e no qual todos os membros possam aproveitar a companhia um dos outros. Estes pontos são, na prática, os pré-requisitos para um agrupamento mágico sucesso.

Existem muitas outras áreas onde a hierarquia apresenta desvantagens que não existem em grupos consensuais. Destes o deve notável é que da Política. Na escolha de seus membros, um partido poderia garantir que apenas pessoas que compartilham de seus ideais políticos/sociais tornem-se membros da mesma. Para ilustrar isso: eu acharia impossível para mim trabalhar dentro de um grupo com pensadores de direita. Eu também acho muito difícil trabalhar com um grupo cujos membros não pensem, como eu, que o futuro da planeta é o problema mais importante a ser abordado. Esta atitude não impede a formação de grupos de direita, desde que todos os seus membros sejam de direita, nem exclui a formação de grupos que não poderia dar a mínima paro planeta é o estrangulem de ganância humana. O importante é que a política em geral (seja ela expressa ou implícita) deve ser compartilhada por unanimidade pelas pessoas que estão trabalhando juntos. Hierarquias, por uma série de razões, incluindo o lucro, burocracia,  ênfase excessiva em números, e incapacidade de agir o contrário, tendem a negligenciar as estratégias globais e, como consequência, quando as pessoas veem de fora elas se descobrem incompatíveis.

Muitas mulheres não são atraídas por hierarquias, provavelmente por alguma das razões que coloquei aqui. As mulheres pensam e agem de forma bastante diferente dos homens, e por isso é tão importante que elas desempenhem em pé de igualdade as atividades e o planeamento mágico. Por muito tempo o ocultismo se arrastou pelo caminho Apolínio, patriarcal que não pode ser contornado apenas por homens que fingem fidelidade a alguma deusa ou mesmo que se esforcem em não ser patriarcais.

Eu sou o que sou, e a este respeito é muito difícil mudar sem pressão externa de fora da minha esfera de entendimento, ou seja, das mulheres, cuja abordagem tende enfatizar imaginação, intuição e sentimento. Não estou dizendo que isso seja justo e igualitário. Na verdade, parto de um ponto que é ao mesmo tempo pragmático e egoísta. Eu quero aprender e experimentar o princípio feminino como ele é, não apenas como eu imagino que seja ou como eu gostaria que fosse. Hierarquias falham nisso. Oferecem pouco para as mulheres e portanto pouco do princípio feminino para seus membros do sexo masculino. Sem as mulheres a magia mulher perde 50% do seu potencial, ainda que as hierarquias, apesar da disparidade de seu números,, não saibam nem se preocupam o que estão fazendo.

As notas acima são necessariamente generalizações uma vez que dispenderia muito mais espaço para tratar este assunto de maneira definitiva. Obviamente algumas hierarquias funcionam para algumas pessoas, e neste caso um argumento razoável basta para colocá-la para trabalhar a seu favor.

Excerto de "The Book of the results de Ray Sherwin.