Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Apoie
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Magia do Caos Textos Caóticos Combate Mágico

Combate Mágico

crossbones.pngO combate entre bruxos ocorre, ou como resultado de conflitos de interesses profissionais não-resolvidos, ou senão como exercícios de treinamento ou teste de supremacia. Se ambos os protagonistas forem habilidosos, os resultados são improváveis de serem fatais. O combate entre magistas e pessoas ordinárias, cada um com suas próprias técnicas e armas, é provável ser tão perigoso para qualquer partido quanto o combate entre pessoas ordinárias.

O combate mágico deve ser empreendido com a mesma seriedade dada às considerações do assalto, ao ato de infligir angústia e doença, danos corporais graves e homicídio. O protagonista que estiver psicologicamente despreparado para realizar estas coisas fisicamente, não as cumprirá psiquicamente. De todos os motivos possíveis, vingança é o mais insensato exceto como uma demonstração e admoestação à outras pessoas. Violência é o instrumento mais cego e um pouco de reflexão pode indicar formas mais efetivas de intervenção psíquica, tal como feitiços de restrição e atamento, ou operações para modificar as opiniões do adversário.

O ataque mágico toma duas formas. À longo alcance, informações telepáticas são enviadas para fazerem com que o alvo destrua à si mesmo. Fazer com que um homem caia sob um veículo não é impossível; fazer um veículo cair sobre um homem já é algo inteiramente inverso. À curto alcance, é possível prejudicar ou drenar o campo de energia do adversário utilizando o seu próprio campo. Isto demanda um contato próximo. Um combate mágico próximo desta categoria, não é efetivado meramente pela vontade ou visualização, mas pela projeção de uma força que pode normalmente ser sentida, normalmente através das mãos. Mais raramente, a força pode ser projetada através da voz ou dos olhos ou carregada com a respiração. A força origina-se na área do umbigo (plexo solar) e é despertada pelas disciplinas de respiração, concentração, visualização e disciplinas sexuais. Uma parte desta força é posta dentro do corpo do inimigo para causar um rompimento da energia vital levando à doença e morte. As únicas defesas consistem em evadir contato ou em ter suficiente controle sobre suas energias internas para ser capaz de neutralizar os efeitos do rompimento de energia invasor.

O vampirismo psíquico pode ser um fenômeno inteiramente passivo e não-deliberado, como quando pessoas jovens vivem intimamente com muitas pessoas velhas. A energia vital não pode ser drenada facilmente de uma pessoa fraca para um forte bruxo, à menos que o bruxo primeiro mate ou enfraqueça gravemente sua vítima em sua proximidade.

O combate mágico de longo alcance depende da projeção telepática de impulsos auto-destrutivos. Um certo número de métodos existem para evitar os perigos inerentes à esta técnica. Em primeiro lugar entre elas está em conseguir com que os aprendizes da pessoa façam o trabalho sujo. A imagem do alvo ferido na forma requerida é utilizada para enviar o ataque. Imagens de cera, fotografias, cabelo ou pedaços de unha ajudam à formar uma conexão entre a imagem visualizada e o alvo. Para focalizar a energia psíquica do bruxo, o ataque é lançado a partir de um estado de profunda concentração ou de um pináculo de excitamento extático. O ódio e a raiva despertados durante um ritual de destruição completa da imagem podem ajudar. O magista pode infligir dor sobre si mesmo, imaginá-la originando-se de seu adversário para despertar sua fúria. Um método trabalhoso que requer concentração prolongada é o Jejum Negro, no qual a energia psíquica despertada pelo jejum é direcionada com um intento maléfico ao alvo.

O Fetiche Mortal é um método composto de ataque que pode ser utilizado em qualquer distância. O bruxo compõe um dispositivo para carregar seu desejo de morte para seu inimigo. Ingredientes asquerosos e necróticos, juntos com algo que represente o inimigo, são ritualmente preparados com uma forte concentração mágica durante a qual o bruxo soma sua própria força psíquica por causa da proximidade. O fetiche é então colocado onde a vítima intentada virá à ter contato com ele. Um bruxo habilidoso pode projetar uma entidade puramente etérica através do espaço para hostilizar ou atacar seu oponente. Um ataque mágico é normalmente realizado com cautela. Há muitos pequenos pontos que podem trair a intenção da pessoa, à menos que vítima seja de uma disposição altamente nervosa, paranóica ou supersticiosa.

A principal dificuldade com a defesa de um ataque mágico é que a maioria dos atos de tentar adivinhar a intenção precisa do inimigo, aumenta a vulnerabilidade da pessoa à ele. Uma terceira parte é muito útil aqui. Um contra-ataque em si mesmo é uma estratégia de alto risco se o inimigo já tiver tomado a iniciativa. O mais arriscado de tudo, é enviar de volta um ataque idêntico. A preparação de um ataque, inevitavelmente envolve a geração de impulsos auto-destrutivos para projeção. Há sempre o risco de que isto possa contra-explodir e duplicar o mesmo neste caso. A situação é análoga à um duelo com granadas.

As defesas mais efetivas são providas por entidades conscientes ou semi-conscientes. Atividades obessessivas religiosas prolongadas, para o homem ordinário, criará uma forma-pensamento etérica menor que ele pode chamar de seu deus. Este efeito é parcialmente transferível e explica a dificuldade de atacar figuras públicas populares. É notável que quando uma tal figura perde os favores e é despojada dos pensamentos protetores de seus seguidores, então a fraqueza e a morte seguem-se rapidamente. O bruxo criará suas entidades com mais deliberação e cuidado. Entidades ancoradas à talismãs, amuletos e fetiches, são feitas pela concentração de energia psíquica em vários objetos – algumas vezes auxiliada por sacrifícios de sangue ou secreções sexuais.

Em todas as forma de ataque mágico real ou suspeito, a paranóia pode ser o pior inimigo. É a força motriz da insensatez para entrar em situações onde o conflito é a única opção possível. O ataque mágico é o oposto direto da cura oculta, embora utilize forças similares. Como com todas as coisas, as atividades construtivas são um desafio maior para nossas habilidades do que as destrutivas.

 

Uma Aproximação Sistemática de uma Batalha Mágica Entre Duas Pessoas

A batalha mágica, uma pessoa lutando com outra, é um tema problemático. Este artigo envolve uma solução do problema.

O primeiro passo é obter algum tipo de vínculo talismânico com o indivíduo que é objeto do ataque. Este vínculo agirá como um agente através do qual o ataque fluirá. Os vínculos talismânicos podem ser divididos em três categorias: Físicos, Mentais e Astrais.

Um vínculo físico é algum item material relacionado de alguma forma ao indivíduo-alvo. Por tradição, fios de cabelo ou aparas de unha são melhores. Algo escrito à mão também é bom, especialmente se for algo em que o indivíduo-alvo concentrou-se para produzir. Isto faz com que ele coloque mais de "si mesmo" na escrita, relacionando-a fortemente com sua mente. Itens de propriedade pessoal também servem, quanto mais pessoal ou sentimental, melhor.

A Segunda categoria é a dos vínculos mentais. Estes são facilmente obtidos se o indivíduo-alvo é conhecido do atacante. Expressões de afago, recordadas com sua pronunciação e intonação, são excelentes, desde que elas conjurem a imagem do indivíduo-alvo, seus hábitos e maneirismos mentais. Idéias ou problemas concernentes ao indivíduo-alvo devem ser considerados. Se estes forem muito importantes para ele, os suficiente para que sejam sempre mantidos em sua mente, eles servirão.

A última categoria de vínculos, está bem relacionada com a anterior. São os vínculos astrais ou emocionais. Se há uma ligação mútua entre o atacante e o atacado, indiferentemente de sua natureza, então um vínculo está estabelecido. Algum sentimento direcionado à uma terceira pessoa, que seja a mesma para ambos (atacante e atacado), é também utilizável, embora em tais casos uma grande atenção deva ser tomada para evitar que a pessoa errada seja prejudicada.

A escolha do vínculo depende do atacante. É ele que deve trabalhá-lo; assim ele deve escolher o tipo que pareça mais agradável para ele e seus propósitos. O grau de sucesso depende da habilidade do magista atacante de trabalhar com suas ferramentas. Assim que o vínculo for obtido, o ataque pode iniciar-se.

O primeiro passo do ataque é estabelecer a identidade entre o atacante e o vínculo, por isso proceda com a identificação do vínculo-atacante-do-indivíduo-alvo. Primeiro, considere o vínculo estritamente como um objeto, um "item" no universo. Examine-o como uma pessoa faria com uma pedra. Atente para o seu tamanho e forma, seus conceitos e idéias, sua natureza e substância. Veja-o objetivamente, então volte-se para a contemplação da natureza mental ou puramente conceptual do vínculo. Raciocine sobre o item como se estivesse no lugar do indivíduo-alvo. O que ele pensa disso? Que idéias ele possui dele? Veja o vínculo como uma extensão de si mesmo do indivíduo-alvo veria-o.

O próximo passo é fortalecer o vínculo até que sua existência sejas tão automática quanto possível. Isto é alcançado através de forte concentração. A mente é moldada para operar em harmonia com a do indivíduo-alvo. Com esforço e uma pequena quantidade de tempo, a mente do atacante cai na abertura, que havia, na área concernida com o vínculo.

Assim que esta ação automática de vínculo sincronizado é obtida, a base atual do ataque pode começar. As energias básicas à natureza do ataque são sobrepostas sobre o vínculo. As melhores energias para este propósito são aquelas que possuem alguma harmonia com o próprio vínculo. Os únicos limites de intensidade, são aqueles inerentes ao atacante. O assalto é tão fraco ou devastador quanto o Magista é fraco ou forte na área em que está operando.

O ataque mágico executado de acordo com as diretrizes dadas acima possui diversas vantagens. Desde o momento em que o ataque surge contra o indivíduo-alvo vindo de uma raiz de dentro dele, o ataque evade muitas, se não todas as defesas mágicas. A fonte destas energias devastadoras, parece ser ao indivíduo-alvo, de origem interna. Familiares não as reconheceriam como estranhas, e assim não criariam uma defesa. Proteções talismânicas também não funcionam desde o momento em que elas não necessitam ser filtradas.

Mais adiante, devido à natureza interna do ataque, é difícil detectá-lo enquanto em progresso. O indivíduo-alvo pode sentir as mesmas energias mas desde que a fonte está aparentemente em algum lugar nele, ele não percebe imediatamente que a verdadeira ameaça é externa. Assim, à medida que sua mente esforça-se em responder, ela procura a origem no lugar errado.

Por final, desde que a natureza do método do ataque coloca o atacante dentro da mente do indivíduo-alvo, embora apenas em um pequeno grau, o atacante pode ser capaz de estabelecer uma "resposta-retorno". Esta "resposta-retorno" gera energias em harmonia com aquelas do ataque, mas o ponto de origem muda-se para a mente do próprio objeto-alvo. Isto permite ao atacante sair da área, cortar o vínculo e permitir com que o ataque continue automaticamente. Esta resposta-retorno entranha-se na mente do indivíduo-alvo até que sua fonte de origem e de ataque tornem-se perdidas. Ela elimina a chance de descoberta. Também, desde que a resposta-retorno fosse feita por outro artifício mental, o indivíduo-alvo acharia mais difícil destruí-la uma vez que ele a encontrou.

Como dissemos anteriormente, este não é O CAMINHO, é apenas um deles. Cada indivíduo possui sua própria forma de operar, assim é melhor encontrar seus próprios métodos. Se nada além disso, o acima dito pode servir como um guia pelo qual o indivíduo pode forjar suas próprias armas e extrair seus planos de ataque.

 

Peter Carroll