Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Apoie
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Miscelânia Textos Diversos 23 Razões para Agradecer (de joelhos) aos Católicos A Inquisição

A Inquisição

Santo OfícioAgradecer a Inquisição? Parece loucura, não? O som de gritos acompanhados pelo odor de cabelos queimados. Pessoas inconscientes por causa da fumaça que apenas não caiam nas chamas por estarem amarradas a estacas e não conseguiam se desviar das pedras e vegetais podres que uma multidão levada pelo frênesi atirava nos acusados. De fato, a não ser que você lendo isso esteja tendo alguma resposta de cunho sexual, não há como dizer que a morte de milhões de pessoas pelas mãos da igreja tenha sido uma coisa boa. Nenhuma mente sã poderia afirmar que o genocídio realizado pela igreja possa ser justificado por algum fim maior e melhor, ou que como meio ele possa ter justificado algum fim digno! Mesmo porque, ao contrário do que diz a propaganda anti-católica, esse genocídio nunca aconteceu.

A inquisição na imaginação popular, em geral fruto da propaganda protestante é algo próximo de um holocausto medieval. Nada mais longe da verdade. Alguns chegam ao abuso da ingenuidade alheia com cifras de 75 a 100 milhões de pessoas mortas. Ora, na Idade Média uma cidade com 300.000 habitantes já era uma megalópole. Em verdade, se torna impossível dizer qualquer coisa a respeito da Inquisição já que não houve única Inquisição, mas vários acontecimentos históricos agrupados de forma a aterrorizar quem não conhece história.

O primeiro destes acontecimentos foi a inquisição contra o Albigenesianos. (também chamados de Cátaros). Os cátaros acreditavam num Deus que era puro espírito e que tudo na criação era obra maléfica, não divina. Foi o primeiro levante da cultura da morte. O suicídio e infanticídio por inanição era incentivado no que eles chamavam de "endura" o suicídio ritual. A a perpetuação da humanidade vista como algo ruim e a mulher, por permitir a geração, era um ser nocivo. Parece absurdo hoje, mas uma mulher grávida era considerada um ser possuído pelo mal. Se os cátaros simplesmente seguissem seus próprios ensinamentos e morressem não haveria porque combatê-los, mas eles espalhavam ativamente estes ideais. Eles atacavam mulheres gravidas alegando seguir e ensinar as doutrinas de Cristo e dos Apostolos e afastavam as pessoas da Igreja e de suas famílias. O triunfo do catarismo seria a extinção da humanidade e assim a Igreja decidiu se posicionar.

A reação popular contra os crimes do catarismo foi violenta. O povo ao saber de algum crime causado por eles, buscava o linchamento e massacrava os assassinos de mulheres grávidas. O conflito com os Albigensianos transformou-se em conflito armado. Guerra civil. Note que apesar da má influência a Igreja era muito mais forte e poderosa do que os Albigensianos e poderia ter respondido a fúria popular e resolvido tudo no fio da espada. Prevendo a escalada de uma possível matança generalizada por parte dos fiéis, o Papa Gregório fez algo impensável para o lado mais forte fazer em uma guerra: deu ao inimigo a chance de escape em um tribunal. Depois que o tribunal era instalado em uma cidade, iniciava um prazo de perdão e qualquer pessoa que se apresentasse, confessando ter aderido à heresia cátara, era perdoado.

Ao contrario do que se diz a Inquisiçao não assolou a Europa. Inglaterra, norte da França, Holanda, Escandinávia e mesmo Espanha (com exceção de Aragão) nem souberam o que é um tribunal inquisitor. Dito isso, é necessário admitir que houveram abusos, como os que ocorreram na Alemanha e na Itália, mas em todos os casos os tribunais inquisitores foram sempre estabelecidos apenas quando a Igreja e o Estado concordavam que estes esta era a única alternativa ao derramamento generalizado de sangue e a paz e segurança dos reinos era ameaçada. É curioso notar que na verdade a Inquisição salvou milhares de vidas. Rino Camillieri, autor do livro La Vera Storia dell Inquisizione, afirma que em 50.000 processos inquisitoriais analisados apenas uma ínfima parte levaram à condenação à morte, e dessas só uma pequena minoria produziu de fato execuções. A punição inquisitorial foi muitas vezes pouco mais do que uma penitência - caridade, peregrinação, mortificação - como as que são dadas pelos padres nos confessionário.

Lee Patterson, historiador protestante é um dos autores que hoje, após a análise histórica fiel dos fatos admite que combatendo os cátaros, a Igreja salvou a humanidade. Você só está vivo, hoje, porque a precisão cirúrgica da Inquisição não deixou o catarismo sair do sul da França. Agradeça a Inquisição por sua vida e pela de sua mãe, pelo fato da heresia.

Outro caso bem diferente foi a Inquisição Espanhola. A Inquisição Espanhola foi uma empreitada estatal. Foi instituída não pelo Papa, mas por Fernando II de Aragão e Isabel de Castela com o objetivo de expulsar os judeus e árabes de seu território e retomar o poder na Espanha. Nesse caso o papel da igreja foi o de agir como um freio de imparcialidade para a sede de sangue da realeza. Estudos recentes, que realmente examinaram registros meticuloso da época provaram o "Mito da Inquisição Espanhola" (nome de um documentario valioso sobre o assunto feito pela BBC). Hoje sabemos que a cena do Monty Python com inquisidores segurando uma senhora na "cadeira confortável" e fazendo cócegas com espanadores é mito mais próximo da realidade do que seus autores imaginaram. Graças ao esforço da Igreja de apresentar diversos recursos aos acusados, o número médio de execuções ordenadas pela Inquisição espanhola - que abrangeu não só a Espanha , mas todo seu império marinho - foi menor do que o número de pessoas condenadas atualmente por ano à pena de morte no estado do Texas, EUA.

Mas e quando à tortura? Milhares de pessoas foram torturadas e vítimas da violência. Veja, antes da invenção da eletricidade, não era possível se usarem os detectores modernos de mentira. Assim a mentira era um médoto de se conseguir evidências, o melhor dos métodos na verdade, veja que até hoje é utilizada por autoridades seculares ao redor do globo. A tortura não foi inventada pela inquisição, ela já existia, como forma de interrogação, ha milênios. O problema era que a heresia era considerada tão grave que o uso da tortura como maneira de se levantar provas legais pela igreja foi autorizada. E mesmo nesses casos haviam regras sobre as punições, que variavam de acordo com o sexo do torturado e com o tempo que a tortura levaria, sem contar que tanto a tortura quando as execuções eram realizadas não pela igreja, mas pelas autoridades seculares dos países.

A Inquisição portanto, longe de ser um massacre é um lembrete de que devemos em primeiro lugar nos posicionar contra o mal e em segundo lugar combatê-lo sempre de forma a gerar o mínimo de danos injustos possíveis, deixando sempre aberta a porta da reconciliação.

23 Razões para Agradecer (de joelhos) aos Católicos