Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Apoie
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Miscelânia Textos Diversos Big Bang, outra mera crença

Big Bang, outra mera crença

Big Bang BangEnquanto o darwinismo ainda cria polêmica entre criacionistas e ateus, o Big Bang tornou-se um ponto de encontro entre céticos e crentes. Os primeiros veem nesta grande explosão primordial uma resposta verdadeiramente científica que torna Deus obsoleto, os segundos enxergam o Big Bang como o "Faça-se a Luz" do seu Deus semita. Como veremos, para variar, ambos estão errados. Considere o seguinte texto de Carl Sagan:

– Um dragão que cospe fogo pelas ventas vive na minha garagem.

– Mostre-me – você diz. Eu o levo até a minha garagem. Você olha para dentro e vê uma escada de mão, latas de tinta vazias, um velho triciclo, mas nada de dragão.

– Onde está o dragão? – você pergunta.

– Oh, está ali – respondo, acenando vagamente. – Esqueci de lhe dizer que é um dragão invisível.

Você propõe espalhar farinha no chão da garagem para tornar visíveis as pegadas do dragão.

– Boa idéia – digo eu –, mas esse dragão flutua no ar.

Então você quer usar um sensor infravermelho para detectar o fogo invisível.

– Boa idéia, mas o fogo invisível é também desprovido de calor.

Você quer borrifar o dragão com tinta para tomá-lo visível.

– Boa idéia, só que é um dragão incorpóreo e a tinta não vai aderir...

O trecho acima refere-se a infame falácia Ad Hoc. A falácia Ad Hoc é a tentativa de explicar uma observação após ela ter ocorrido de modo que todo novo fato seja encaixado na teoria já que ela sozinha sempre falha em acertar qualquer tipo de previsão. Ela acontece quando alguém quer tanto que uma crença seja aceita que para isso encontra uma nova explicação para cada novo fato observável que inicialmente a refutava. Essa tática é usado por homeopatas para defender a homeopatia, por espíritas para defender o espiritismo e por "céticos" para defender o Big Bang.

A hipótese do universo em expansão depende de pelo menos dois pressupostos não confirmados: Em primeiro lugar que a força da Gravidade, a mais fraca de todas as forças elementares do universo, é quem determina a estrutura e o comportamento dos astros. Só a título de comparação a força eletromagnética é um trilhão de trilhão de trilhão de vezes mais forte que a gravidade. Se acha isso motivo de espanto basta pegar um pequeno ímã e uma moeda. Coloque o ímã logo acima da moeda e veja como você conseguiu presenciar uma força muito mais forte do que a da gravidade. Pense nisso um pequeno imã venceu toda a força gravitacional do planeta Terra... Mas quando Issac Newton lançou as bases da astrofísica James Maxell estava longe de nascer. Talvez se Newton tivesse empinado a pipa de Benjamin Franklin nossa visão de mundo não estaria hoje tão estagnada.

O segundo pressuposto arbitrário dos defensores do Big Bang é que o Desvio para o Vermelho implica que as galáxias estão se afastando.

O Desvio para o Vermelho


O problema não é o desvio em si, mas assumir que ele implica em distânciamento. Ele ocorre realmente. Mas não ocorre sempre da forma homogênia necessária a um universo em expansão. Alguns astros inclusive apresentam desvios para o azul, ou seja, estão se aproximando. Tudo começou em 1929 quando Hubble observou o desvio pela primeira vez. Essa descoberta lançou as bases da hipótese do Big Bang, afinal se as galáxias estão se afastando elas devem ter estado juntas algum tempo atrás. Contudo Hubble era muito mais cauteloso que seus continuadores. Em um artigo chamado "The Problem of the Expanding Universe,” Hubble escreveu para a American Scientist: "“Parece improvável que o desvio para o vermelho seja devido a um universo em expansão e muitas das especulações sobre a estrutura do universo devem ser re-examinadas."

Entretanto o consenso se estabeleceu de que o desvio ocorre por conta do "Efeito Doppler" - no qual objetos afastando-se do observador esticam as ondas luminosas emitidas por eles. Isso permitiria aos astrónomos calcular a velocidade dos corpos celestes e descobrir suas distâncias em relação a Terra. E como as galáxias estariam se afastando elas devem ter estado juntas no início e assim dataram o Big Bang como tendo ocorrido a 13.7 bilhões de anos atrás. A teoria era linda, mas tinha um problema. Os matemáticos esqueceram de avisar o Universo sobre ela.

O primeira cientista que apontou que o rei estava nú foi Halton Arp. Ele constatou inicialmente que uma série de objetos conectados fisicamente e interagindo entre si possuem desvios diferentes e segundo a teoria deveriam estar a milhões de anos luz de distância. Seu exemplo mais gritante seja talvez o dos quasares, que baseados no desvio para o vermelho deveriam ser os objetos mais distantes de nós de todo universo visível, mas que nos telescópios aparecem na frente de galáxias vizinhas. No exemplo abaixo temos  a NGC 7319 de desvio 0.0225 e um quasar de desvio 2.114. Segundo a teoria padrão o quasar deveria estar muito mais distante e não na frente da galáxia:

Quasar

Outro exemplo típico do trabalho de Arp é o caso das galáxias NGC 3808A e NGC 3808B, duas galáxias espirais em colisão. O fato de existirem galáxias colidindo em um universo onde supostamente todas as galáxias estão se afastando umas das outras já é algo que precisa de explicação. Mas o problema nem é esse. O que ocorre é que a NGC 3808A apresenta um desvio para o vermelho bem diferente da NGC 3808 B. Ou seja, embora vejamos as galáxias colidindo a teoria do desvio nos diz que elas estão separadas por milhares de anos luz de distância. (foto abaixo)

Choque

Outro exemplo gritante é o testemunho dado pelos aglomerados de galáxias do tipo globular..  Segundo os teóricos do Big Bang o universo tem cerca de 13,73 bilhões de anos de idade. A parte embaraçosa é que se pressupomos que o desvio para o vermelho é uma medida de distância temos que admitir que os aglomerado de galáxias globulares tem mais de 16 bilhões de anos. Ou seja, cerca de 5 bilhões de anos mais velhas que o próprio universo. Como agora os matemáticos não pode mudar a data do Big Bang senão suas contas não fecham, a resposta padrão é que este é um “erro de observação.” Na época foi dito que Hubble estava velho e suas lentes gastas. Contudo, quando novas medições feitas em 1999 pioraram a situação, tornando as galáxias 10 bilhões de anos mais velhas que o próprio cosmos onde estão. {(1999), Nature 399, 539-541 e (1999); Sky&Tel. 98 (Oct.), 20.}

Para finalizar, existem inclusive galáxias com desvios para o azul, o que nos obrigada a artificialmente distribuir os clusters de galáxias como linhas, ironicamente chamadas por alguns astronomos de "os dedos de Deus", apontando para a Terra como se fossemos o centro do universo. Isso porque os aglomerados visíveis incluem muitos corpos com desvios diferentes fazendo com que os teoricos do universo em expansão tenham que forçosamente espalhá-los gradualmente, conforme se afastam de nós observadores.

virgo


Halon Arp preparou em 1966 um atlas com estes e outros exemplos de anomalias num total de 338 "galáxias que não deveriam estar lá". Ninguém, entretanto, balança o status quo impunemente, especialmente quando tantas pesquisas baseadas no universo em expansão são financiadas com dinheiro público. Assim o California Institute of Technology  recompensou Arp por suas descobertas cortando suas horas de uso do telescópio. O boicote ao seu trabalho o obrigou a finalmente abandonar os Estados Unidos e ir trabalhar no Instituto Max Planck, na Alemanha, talvez a Caltech não tenha se recuperado até hoje dos experimentos de Jack Parsons realizados lá décadas atrás.

Radiação de Fundo


Quando o satélite COBE apresentou a medida da "Radiação Cósmica de Fundo em Micro-ondas" - RCFM - como sendo de 2.7 Kelvin em 1992 a notícia foi alardeada pela mídia como uma confirmação da teoria do Big Bang. Mas o resultado de medição realmente corrobora o modelo padrão? A verdade não alardeada é que as previsões feitas por físicos que não se basearam na hipótese do Big Bang chegaram muito mais perto dos dados coletados pelo satélite.

Em 1896, Charles Eduard Guillaume previu que o próprio calor das estrelas daria um RCFM de 5.6K e Arthur Eddington refinou estes calculos em 1926 e chegou a 3K. Isso, é claro, antes sequer da hipótese do Big Bang ser lançada. Em 1933 Eric Regener estimou uma radiação de fundo de 2.8K e em 1941 Andrew McKellar calculou que a RCFM seria de  2.3K, nenhum dos dois apoiava o modelo de universo em expansão. Na verdade os defensores do Big Bang foram os que fizeram as piores previsões. O primeiro deles foi Robert Dicke que baseado na idéia do universo inflacionário sugeriu em 1946 um RCFM de 20K. Em um trabalho posterior ele corrigiu esse número para 45K. Em 1961 George Gamow estimou uma temperatura de fundo de 50K. Agora, compare estes números com o que foi realmente revelado (2.7K) pelo COBE e responda se isso pode ser usado como prova para alguma coisa. Enquanto Regener chegou à cifra assustadoramente próxima de 2.8K, o grande pai do Big Bang esperava uma temperatura 12 mil vezes maior do que a que foi encontrada.  O que realmente acontece é que apenas em 1992, com os novos dados consolidados da Radiação Microondas de Fundo, os cálculos dos teóricos do Big Bang foram refeitos para bater com o que estava sendo descoberto.

Sem tempo para se explicar

Sem poder negar que existem aglomerados de galáxias lá fora (que deveriam ter sido espalhadas pelo Big Bang) os defensores do modelo atual dizem que esses acúmulos de matéria são formados pela mera ação da gravidade. Ok, vamos admitir que essa explicação faz sentido. O problema é que temos encontrados acúmulos que são grandes demais e que demorariam um período de tempo para ser formado que excede em muito a própria idade do universo.

Os dados recolhidos pelo satélite ROSAT em 2003 são um ótimo exemplo. Uma investigação por meio de raios-x encontrou um cluster de matéria tão grande que equivale a 120.000 Via Lácteas. Seus 12 bilhões de anos luz de extensão só poderiam ser formados pelo processo de aproximação gravitacional em um período de tempo muito maior do que aquele que nos separa do Big Bang. Simplesmente não tivemos tempos para isso, pois uma formação deste tamanho demoraria 300 bilhões de anos  para se formar, enquanto que todo universo sem apenas cerca de 10 a 20 bilhões de anos segundo o modelo do Big Bang.

O fator tempo também mostrou-se um problema quando em 2004  uma reunião da American Astronomical Society mostrou que o universo observável é muito parecido em suas várias partes, seja nas com alto ou baixo desvio para o vermelho, que supostamente indicariam áreas mais antigas e mais recentes. Em outras palavras, as estruturas de grande porte que existem hoje também existem nas áreas onde o desvio para o vermelho corresponderiam a três bilhões de anos após a data hipotética do Big Bang. Tais regiões teriam apenas um quarto do tempo para crescer e formar praticamente as mesmas estruturas, com uma distribuição similar de idades estelares e uma quantidade similar de elementos químicos produzidos por suas estrelas. 

Se o Big Bang realmente tivesse acontecido, quando olhássemos para o passado, em regiões das quais a luz está chegando apenas agora, estas regiões deveriam se aparecer com um universo mais jovem, com poucos metais pesados e em sua maioria recheado de jovens estrelas. Em vez disso, eles se parecem exatamente como as que temos hoje. Um grande problema para uma teoria que defende que o universo era muito diferente quando criança.

 

Os Invisíveis ao resgate


A refeitura dos cálculos da RCFM indica o comportamento padrão de quem quer defender uma teoria - é o chamado Dragão na Garagem mencionado no começo do artigo. A própria existência de aglomerados de galáxias é um desafio para o modelo padrão. Outro desafio é responder porque as galáxias em si não se fragmentam já que a força da gravidade não bastaria para mantê-las unidas em um universo em expansão. Para isso foi inventada a "Matéria Escura"' um tipo de matéria que não pode ser observada de forma alguma, mas que permitiria as galáxias não se fragmentarem. E já que elas não se fragmentam a Matéria Escura deve estar lá, dizem os defensores do Big Bang. Totalmente invisível, sem deixar pegadas ou rastros, desprovida de calor e incorpórea.

Você entendeu bem, a "Matéria Escura" só existe porque sem ela teríamos que abandonar o modelo atual de como o universo funciona.

Assim desde 1932/1933 quando a idéia surgiu pela primeira vez basta adicionar Matéria Escura sempre que fosse necessário salvar o modelo padrão contra o testemunho das estrelas.

Mais tarde quando foi observado o comportamento de certas supernovas, os cosmologistas foram forçados à desconfortavel conclusão de que o universo estaria além de expandindo, acelerando esta expansão. O problema é que com a Matéria Escura engrossando o caldo do universo, sua massa gravitacional deveria estar desacelerando esta expansão. Então, o problema causado por um amigo invisível foi solucionado por outro amigo invisível. Nasceu assim a "Energia Escura", um tipo de energia igualmente não detectável, mas que fazia as contas baterem novamente e, mais importante, salvava as bolsas de pesquisa dos físicos teóricos.

Assim enquanto ridicularizam outras teorias e crenças mais antigas, os defensores do Big Bang não percebem que eles mesmos moram em um castelo de cartas. Estas abstrações de matéria e energia escuras feitas para salvar um modelo que não se sustenta diante das observações criou um universo onde 95% de tudo o que existe não pode ser visto, medido, detectado ou mesmo entendido. Não é de se admirar que os astronomos de hoje prefiram olhar para seus modelos computadorizados do que para os céus. Eles sabem que quando olharem para cima serão surpreendidos novamente.

A Ciência como uma putinha

Mas qual o problema com isso, você se pergunta? A ciência, diferente da religião que se baseia na fé, é isenta de dogmas e fanatismo. Se algo se mostra diferente do que foi observado, ela muda para abraçar essa mudança! Mas será mesmo? Vamos fingir que diferentes dos outros seres humanos, cientistas são criaturas puras, desprovidas de ego e vaidade e que são movidas pela curiosidade e atraídas pela Verdade, com V maiúsculo. Apesar de não parecer, nem para mim nem para você, a ciência é algo caro. Muito caro. Nós que temos a comodidade de um PC ou de um Laptop na nossa frente não imaginamos que ainda hoje a hora de uso de um supercomputador seja algo extremamente caro. Peguemos o exemplo do LHC - o Large Hedron Colider - construído na Europa. Em 10 anos foram gastos mais de 4.75 bilhões de dólares em sua construção. Mas uma vez construído o LHC não faz dinheiro, ele continua gastando dinheiro, na busca do Boson de Higgs apenas, o custo ultrapassa os 5.5 bilhões de dólares por ano. Apenas o uso dos computadores para analisar os dados coletados custa 286 milhões de dólares por ano. A conta de eletricidade dos caras ultrapassa os 23.5 milhões de dólares por ano. O gasto com seres humanos, produtos de limpeza, cafezinho e outras trivialidades ultrapassa os 1 bilhão de dólares anuais. Tenha em mente que eles já estão funcionando há 4 anos. Tirando algumas falhas e pausas para corrigir falhas já foram gastos mais de 13.25 bilhões de dólares na busca da tal partícula de Deus.

Agora imagine o que acontece com qualquer pessoa que de repente surja do "nada" dizendo que possue evidências de que a tal partícula não existe. Claro que quando você pára para pesar os avanços militares, médicos e tecnológicos que o LHC pode trazer, 13.25 bilhões de dólares se torna uma barganha, mas as pessoas tendem a começar a ficar tensas quando surge a possibilidade de estarem gastando rios de dinheiro com algo que não existe. No caso do Big Bang, a busca por esse algo não dura apenas 4 anos, e sim alguns séculos. Agora pegue aquele cientista hipotético que discutimos e coloque nele algumas pitadas de egoismo, vaidade e orgulho. Consegue imaginar o que uma reviravolta como essa faria no meio científico?

No final das contas a maneira com a qual os cientístas fazem dinheiro é idêntica a dos pastores neo-pentecostais. Quanto mais as pessoas acreditarem na sua crença, mas dinheiro você vai fazer.


Bibliografia

 

 

Tamosauskas