Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Apoie
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Miscelânia Textos Diversos Manifesto para reforma Islâmica

Manifesto para reforma Islâmica

null

"Ó povo, a prova vem a você do seu Senhor, e enviamos-lhes uma luz orientadora." (4:174)

" …e não causeis corrupção na terra, depois que foi reformada…" (7:85)

"é um dos maiores. Um alerta para a humanidade. Para qualquer um de vós que deseje progredir ou regredir." (74:36-37 )

A ideia de que o Alcorão é incompleto, ininteligível, e insuficiente para dar orientação espiritual criou uma demanda enorme de livros religiosos, e os estudiosos e clérigos forneceram estes volumes. As massas foram informadas de que esses livros eram para completar, explicar e detalhar a revelação Quranica. 

 

Estes clérigos afirmavam assim que Deus não era um autor sábio e articulado; ele não poderia fazer sua mensagem suficientemente clara e que ele falhou em fornecer orientação sobre muitas questões, inclusive as questões que envolvem princípios e práticas espirituais importantes. 

Sem estes livros complementares, o Alcorão era de uso limitado para o indivíduo que procura orientação religiosa. Alguns chegaram mesmo a declarar que a leitura do Alcorão, por si só, induziria o leitor em erro. Numerosos livros de jurisprudência hadith e sectária (sharia) foram identificados como "autênticos" e para todos os fins práticos, substituíram o Alcorão. 

O Alcorão não era um livro para ser entendido por si próprio; as pessoas necessitavam de ler livros escritos por narradores profissionais, colecionadores, editores e estudiosos de boatos e especulações. Muitas pessoas se perderam entre os volumes dos livros escritos para interpretar e explicar o Alcorão e não encontraram tempo suficiente para o estudar. Os poucos privilegiados que encontraram tempo tinham poucas chances de entendimento, uma vez que suas mentes estavam influenciadas pelas instruções das religiões feitas pelo homem, e a sua lógica tinha sido corrompida pelo ensinamentos contraditórios ou aquilo a que poderíamos chamar "santo vírus."

Embora os eruditos religiosos, clérigos e seus cegos seguidores sempre demonstrem um grande respeito pelo Alcorão como suporte físico (de couro ou de papel sobre o qual os versos do Alcorão foram escritos), perderam a fé, e respeito pela sua mensagem. Versos do Alcorão são pendurados em lugares altos em paredes, tocados e tratados com a máxima reverência, mas os chamados muçulmanos raramente se referem á sua orientação. Eles estão muito confusos com o labirinto contraditório e complexo emaranhado de milhares de hadith falsamente atribuídas a Muhammad e perdidos entre os detalhes triviais de livros sectários. Quando eles ocasionalmente consultam o Alcorão, o mais provável é que seja de uma forma abusiva, para abusar dos versículos, levando-os para fora de contexto e utilizando-os como slogans para declarar guerras santas ou justificar agressões. O Alcorão que libertou as pessoas das trevas da ignorância foi transformado, logo, após a partida de Muhammad, num livro cujos versículos são recitados para os mortos, um amuleto transportado pelos mentalmente e fisicamente doentes, e um ídolo de papel para ser reverenciado e temido.

Embora o Alcorão seja considerado um dos livros mais lidos, milhões de seguidores do Islamismo sunita e seitas xiitas leiem o Alcorão sem compreenderem. Mesmo se a sua língua materna é o árabe, são ensinados a não confiar na sua compreensão. O Alcorão poderá ser o livro mais lido ,mas, infelizmente, devido ao esforço concertado dos clérigos religiosos, foi transformado no menos compreendido e dos livros menos apreciados da história.

Quando começou o retrocesso maciço da mensagem progressiva e iluminadora do Alcorão, aqueles que rejeitaram a hadith e sunna fabricadas, a versão árabe do Mishna e Gemara hebraico, foram identificados como "murtad" (apóstatas) e foram ameaçados, torturados e assassinados pelos seguidores de hadith e sunna. Por exemplo, um estudo crítico da história muçulmana vai revelar que Abu Hanifa foi um desses monotheistas corajosos (hanif) que foi perseguido durante ambas as dinastias Umayyad e Abbassida. Durante sua vida, ele foi acusado de não aceitar hadith. No entanto, os assassinos se aproveitaram da sua crescente reputação após sua morte e criaram uma seita Sunita falsamente atribuída a ele.


As origens dos ensinamentos sectários


Após a morte do profeta Maomé, houve um evento diabólico. Em contradição directa com os ensinamentos do Alcorão, os clérigos masculinos dedicaram à religião não só a Deus, mas a uma "santa" corporação que consiste de:

  • Deus +
  • Muhammad +
  • Companheiros de Maomé +
  • os companheiros dos companheiros de Maomé +
  • Primeiros líderes de seitas +
  • Últimos líderes de seitas +
  • Primeiros eruditos de uma seita particular +
  • Últimos estudiosos de uma seita particular, e assim por diante.

O produto desta empresa eram as hadiths (ensinamentos atribuídos a Maomé), a sunna (ações atribuídas a Maomé), o ijma (consenso de um grupo seleto de estudiosos precoces), e da sharia (decretos religiosos pelos primeiros estudiosos). O resultado foram inúmeras facções hostis, que infligiram uma grande quantidade de divisões e atrocidades na terra cerca de trinta anos após a partida de Muhammad (6:159; 23:52-56 ). Esta mistura de culturas Árabe/Cristão/Judaico medievais foi introduzida para as massas como a religião infalível de Deus, tal como transmitido pelo último profeta. A única coisa realmente entregue por Deus a Maomé, no entanto, foi o texto do Santo Alcorão, que é definido como a mensagem divina final e vinculativa para a humanidade:

75:18-19 Uma vez que a recitamos, você deve seguir a recitação (Alcorão). Então, somos nós quem a explicaremos.

Infelizmente, a ignorância, a intolerância, ensinamentos de descrédito das mulheres, superstições e práticas antiquadas acumularam-se ao longo dos séculos na  interpretação e tradução do livro sagrado do Islam (pt. Islão). É tempo de re-introduzir a real mensagem do Alcorão. É tempo de retirar as camadas acumuladas de dogmas e tradições feitas pelo homem que se apegaram ao texto (6:21; 7:29; 9:31; 16:52; 39:2,11,14; 40:14,65; 42:21; 45,17 ; 74:1-56 e 98:5).

Ao abrigo de um terror teocrático muito cruel de estado, muitos homens mobilizaram-se para participar na criação do que nós justamente chamamos de Hislam. Eles não tiveram muitas chances para adicionar ou subtrair naquilo que foi considerado o Alcorão, mas houve uma grande quantidade de espaço para inovações, superstições, adições e distorções através da fabricação de hadiths. Quando um homem de Bukhara começou a recolher relatos mais de duzentos anos após a partida do profeta Muhammad, a paisagem social e demográfica eram férteis para todos os tipos de mistelas e mutações teológicas. As pessoas e os seus pais tinham participado em numerosas guerras e atrocidades sectárias. Muitos pagãos, Cristãos e Judeus instruídos foram convertidos ao Islão por motivos duvidosos. A maioria destes convertidos nunca tinha experimentado uma mudança de paradigma; eles apenas acharam-no cómodo integrar na sua cultura e a maior parte das suas ideias religiosas anteriores com a nova. Para justificar e promover a sua versão da religião, a elite começou a apresentar e a introduzir as suas idéias religiosas, culturais e políticas e as práticas sob os nomes de marca de hadith, sunna, comentários, e fatwas. Adicionalmente, inventaram inúmeras histórias chamadas "asbab ul-nuzul" (as razões para a revelação) acerca das razões pelas quais cada versículo foi revelado, o que distorce o significado ou limita o âmbito de muitos versos Quranicos. Houve um grande esforço e concorrência para distorcer o significado das palavras, levando-as para fora de contexto para promover a agenda de uma certa religião, cultura, tribo, seita, culto, ou rei. Os chauvinistas, eremitas machistas também tiraram partido deste movimento de deformação. Demonstrações de rumores atribuindo palavras e gestos a Maomé e seus companheiros idolatrados tornou-se a mais poderosa ferramenta ou cavalo de Tróia, para a promoção de propaganda política diversa, de assimilação cultural, e mesmo anúncio comercial. Como resultado, o Alcorão foi abandonado e sua mensagem foi fortemente distorcida. [ 2]

Logo após a morte de Maomé, milhares de hadiths (palavras atribuídas a Maomé) foram fabricadas e dois séculos mais tarde recolhidas e, séculos mais tarde compiladas e escritas nos chamados "autênticos" livros de hadith:

  • Para apoiar o ensino de uma seita particular contra outra (como, por exemplo, o que nulifica ablução; que alimentos do mar são proibidos);
  • Para adular ou justificar a autoridade e a prática de um rei particular contra os dissidentes (como por exemplo, Mahdy e Dajjal);
  • promover o interesse de uma tribo ou família particular (como, por exemplo, favorecendo a tribo Quraysh ou familiares de Maomé);
  • para justificar abusos sexuais e a misoginia (tais como, idade de Aisha; impedindo as mulheres de liderarem as orações);
  • para justificar a violência, a opressão e a tirania (tais como, a tortura dos membros das tribos Urayna e Uqayla; massacrar a população judaica em Medina; assassinar a mulher poeta devido aos seus poemas críticos);
  • a exortar mais rituais e  retidão (tais como, orações nawafil);
  • para validar as superstições (tais como, magia; adorar a pedra preta perto da Kaba);
  • a proibir determinadas coisas e ações (como, por exemplo, proibição de desenhar animais e figuras humanas; tocar instrumentos musicais; xadrez);
  • a importação de crenças e práticas judaicas e cristãs (tais como, a morte por lapidação; a circuncisão; lenço na cabeça; ermitismo; rosário);
  • a ressuscitação de crenças e práticas pré-islâmicas comuns entre Mecanos (tais como, a intercessão; escravidão; o tribalismo; misoginia);
  • para agradar multidões, com histórias (como, por exemplo, a história de Miraj (ascensão para o céu) e da negociação para as orações);
  • a idolatrar Muhammad e reclamar a sua superioridade sobre outros mensageiros (tais como, numerosos milagres, inclusive divisão da lua);
  • a defender maquinações de hadiths contra monoteistas (como, por exemplo, condenando aqueles que considerem o Alcorão suficiente); e mesmo
  • para publicitar os produtos de uma particular fazenda (tais como, os benefícios das tameras de uma cidade chamada Ajwa).

Para além dos motivos acima citados, muitos hadith foram fabricadas para explicar o significado das "difíceis" palavras ou frases Quranicas, ou distorcer o significado dos versículos que contrariavam as hadiths fabricadas, ou para fornecer informações triviais não mencionadas no Alcorão (tais como, Saqar, 2:187; 8:35 … ).


O Islam versus Religiões Sunita e xiita


Primeiro vamos verificar o Alcorão e enumerar algumas das características do Islão, o sistema de paz, submissão e rendição a Deus sozinho.

O Islam

  • não é um nome próprio, mas um substantivo descritivo proveniente da raiz árabe de entrega/apresentação/paz, usado por Deus para descrever o sistema entregue por todos os seus mensageiros e profetas (5:111; 10:72; 98:5), que alcançou uma outra fase com Abraão (4:125; 22:78).
  • É a rendição pacifica a Deus (2:112,131; 4:125; 6:71; 22:34; 40:66).
  • É um sistema com princípios universais, que estão em harmonia com a natureza (3:83; 33:30; 35:43).
  • Exige a prova objetiva além da experiência pessoal (3:86; 2:111; 21:24; 74:30).
  • Exige convicção não se baseia numa ilusão ou sentimentos, mas, com base na razão e na prova (17:36; 4:174; 8:42; 10:100; 11:17; 74:30-31 ).
  • Conhecimento estima, educação e aprendizagem (35:28; 4:162; 9:122; 22:54; 27:40; 29:para ).
  • Promove pesquisa científica sobre a evolução da humanidade na terra (29:20).
  • Rejeita clérigos e intermediários entre Deus e o povo (2:48; 9:31-34).
  • Condena especulação na religião (9:34; 2:41,79,174; 5:44; 9:9).
  • Destaca-se pela liberdade, responsabilidade e desafiando as autoridades falsas (6:164).
  • Destaca-se pela liberdade de expressão (2:256; 18:29; 10:99; 88:21-22 ).
  • Requer consulta e representação nos assuntos públicos (42:38; 5:12).
  • Promove um sistema democrático onde a participação de todos os cidadãos, é incentivada e facilitada (58:11).
  • Proíbe suborno, e requer regras rígidas contra a influência de grupos e corporações de interesses no governo (2:188).
  • Requer eleição dos funcionários com base em qualificações e princípios de justiça (4:58).
  • Promessas de justiça para todos, independentemente de seu credo ou etnia (5:8).
  • Reconhece os direitos dos cidadãos de fazerem publicamente uma petição contra as injustiças cometidas por indivíduos ou governos (4:148).
  • Favorece a distribuição da riqueza, da liberdade económica e do bem-estar social (2:215, 59:7).
  • Promove maior respeito pelas pessoas (5:32).
  • Relaciona a qualidade de uma sociedade com a qualidade dos indivíduos que a constituem (13:11).
  • Reconhece e protege o direito individual à privacidade (49:12).
  • Reconhece o direito à presunção de inocência e o direito de enfrentar o acusador (49:12).
  • Fornece protecção de testemunhas (2:282).
  • Não considera os inocentes responsáveis pelos crimes dos outros (53:38).
  • Protege o direito da propriedade individual (2:85,188; 4:29; exceções 24:29; 59:6-7 ).
  • Desencoraja uma economia não-produtiva (2:275; 5:90; 3:130).
  • Incentiva caridade e o cuidado para com os pobres (6:141; 7:156).
  • Unifica a humanidade mediante a promoção do gênero e igualdade racial. (49:13).
  • Valoriza as mulheres (3:195; 4:124; 16:97).
  • Valoriza os intelectuais (5:90).
  • Oferece a paz entre as nações (2:62; 2:135-136 , 208).
  • Considera o mundo inteiro como pertencente a toda a humanidade e suporta imigração (4:97-98 ).
  • Promove a paz, enquanto desencoraja as partes agressivas (60:8,9 ; 8:60).
  • Prossegue a regra de equivalência, isto é, de represálias com perdão ocasional (42:20; 17:33).
  • Destaca-se pelos direitos humanos e dos oprimidos (4:75).
  • Estimula a concorrência em justiça e moralidade (16:90).
  • Defende a paz, a honestidade, a bondade, e desencorajando a iniqüidade (3:110).
  • Espera elevados padrões morais (25:63-76 ; 31:12-20 ; 23:1-11 ).
  • Solicita-nos viver em harmonia com a natureza e meio ambiente (30:41).
  • Ensina que a única lei/sistema aprovada por Deus é o Islão 3:19,85).

Através das hadith, sunna e jurisprudência sectária, os estudiosos criaram várias seitas, ordens, ou religiões a que, posteriormente, foram atribuídos os seus nomes (Shafii, Hanbali, Maliki, Hanafi do século XII, Mohammad Ali Jafari, Vahhabi, etc) para substituir o sistema de Deus do Islão ou entrega e paz. A amplitude e a profundidade da distorção é surpreendente. Aqui está uma amostra da lista de distorções feitas pelos líderes sunitas e seitas xiitas, apesar dos ensinamentos Quranicos contrários. A lista abaixo é a selecção de ensinamentos anti-Quranicos, que são encontrados nas mais respeitadas fontes sunitas ou xiitas:

Apresento seguidamente os ensinamentos baseados nas fontes criadas pelo Homem, tais como, Hadith, Sunna, Ijma, e a Sharia e os versos Quranicos que contradizem estes ensinamentos, e breves discussões sobre suas fontes :

 

 


Matar apóstatas, ou seja, aqueles que deixam o Islã (leia os sunitas ou xiitas), é uma ordem. Também quem atacar verbalmente ou insultar o profeta deve ser morto. Maomé enviou um pelotão à noite para matar uma poetisa que o  criticou ou o insultou. Somos ordenados a matar as pessoas até que elas declarem "la Alá illa de ilaha" (não há Deus, mas Deus)

Maomé não era um tirano. O Islão promove liberdade de opinião, de religião e de expressão. Os Muçulmanos não podem usar violência contra aqueles que insultam Deus (2:256; 4:140; 6:68; 10:99; 18:29; 88:21, 22). Além disso, o versículo 4:137 rejeita claramente a pena sunita e xiita de morte contra apóstatas. Estudos críticos sobre a história das hadith mostram as origens dos ensinamentos intolerantes encontradas em livros de hadith em eruditos judeus que alegaram terem-se convertido ao Islão. Nossa intenção não é a de acusar os judeus de corrupção, mas mostrar as semelhanças e a origem comum da corrupção. Segundo o Alcorão, cada indivíduo será o responsável por suas escolhas. Por isso, nenhum muçulmano pode salvar-se no dia do juízo, responsabilizando um judeu convertido pelos boatos que levaram à sua traição, do Alcorão. Até mesmo os estudiosos sunitas e xiitas reconhecem a grande influência dos ensinamentos judaicos e práticas que encontraram o seu espaço na hadith e sunna. Chamavam-lhes Israiliyyat e escreveram volumes de livros para analisar e expô-las. No entanto, apesar dos seus esforços, muitos desses ensinamentos não foram detetados pelos seus filtros fracos e inconsistentes. Não estamos afirmando que a única fonte de ensinamentos violentos veio de ensinamentos judaicos corruptos, mas a sua influência é um dos principais fatores historicamente documentados. Aqui estão alguns exemplos de intolerância e castigo cruel atribuído a Deus através de Moisés (o Alcorão refere as distorções introduzidas na Bíblia: 2:59; 2:79; 5:13-15 ; 5:41-44 ) para aqueles que abrigam opiniões diferentes ou escolhem diferentes crenças religiosas: "disse o Senhor a Moisés: "Leva os blasfemos para fora do acampamento. Todos aqueles que o ouviram tem de colocar as mãos sobre a sua cabeça, e todos os outros tem de os apedrejar. Diga aos israelitas: Quem quer que seja que ofenda o seu Deus, ele será responsabilizado; quem blasfemar o nome do Senhor deve ser condenado à morte. Seja um estrangeiro ou nativo, quando ele blasfemar o nome, ele deve ser condenado à morte…. Em seguida, Moisés falou aos Israelitas, e eles levaram o blasfemo para fora do acampamento e o apedrejaram. Os israelitas fizeram como o Senhor ordenara a Moisés." (Levítico 24:13-16 ) "Se o seu próprio irmão, ou o seu filho, ou filha, ou a mulher que você ama, ou seu amigo mais próximo secretamente atraia você, dizendo: 'vamos adorar outros deuses' . Não tenhais pena dele. Você certamente deve condená-lo à morte. A sua mão deve ser a primeira a apedrejá-lo, e depois as mãos do resto do povo. Apedrejai-o até à morte, porque ele tentou desviá-lo do Senhor, vosso Deus, que vos tirou do Egito, da terra da escravidão. Então, todo o Israel ouvirá e temerá, e ninguém dentre vós vai fazer tal mal novamente." (Deut 13:6-11 )

"Então, trás o homem ou a mulher, que se tenham comprometido em actos ímpios, a teus portões, mesmo aquele homem ou aquela mulher, e apedrejai-os, até que morram." (Deuteronômio 17:5)

"Estes são os estatutos e juízos, que usareis na terra, que o SENHOR Deus de teus pais te dá para a possuíres, durante todo o tempo que viverdes sobre a terra. Destruireis totalmente todos os lugares onde as nações que tomais posse serviam os seus deuses, sobre as altas montanhas, sobre os outeiros, e debaixo de toda árvore verde; e derrubareis os seus altares, e quebrareis as suas estátuas, e queimareis seus olivais com fogo, e abatereis as imagens esculpidas dos seus deuses, e apagareis o nomes deles desses lugares." (Deuteronômio 12:2-4 )

Os primeiros cinco livros do Velho Testamento não correspondem exactamente ao livro dado a Moisés uma vez que eles contêm pistas interessantes  sobre as distorções e adições feitas em nome de Moisés. (Deuteronômio 34:5- 10; Números 12:3)

Ironicamente, os judeus não estão mais seguindo estas instruções, e muitos deles não têm qualquer desejo de ressuscitá-las. Eles deixaram-nas para os seguidores de hadith e sunna que sonham com um mundo baseado naquelas regras Judaicas fabricadas. Não admira que as mentes e atitudes de um zelota judeu e um zelota sunita sejam muito parecidas, como gemeos. No entanto, eles odeiam-se uns aos outros.

Aqueles que não practicarem as orações diárias devem ser espancados em público

O Alcorão menciona orações diárias de contato cerca de 70 vezes, e em nenhuma parte  encarregou-nos de bater ou perseguir quem  as não observar. As orações de contacto devem ser observadas para o único Deus (20:14). Esta regra é um atentado contra a dignidade humana, que Deus concedeu à humanidade (17:70) e promove o cumprimento da oração por medo do castigo social em vez de agradar a Deus, como elas devem ser (6:162) .Os relatos hadith seguem  novamente a tradição judaica impondo penas severas para aqueles que cometem pecados ou não observam os seus rituais religiosos . Por exemplo, aqueles que violam o sábado, segundo o velho Testamento deve ser apedrejados até à morte (Números 15:32-36 ).

Os adúlteros casados devem ser apedrejados até a morte (rajm-al).

A lapidação nunca é recomendada no Alcorão como um castigo por qualquer crime. Foi uma prática judaica que encontrou o seu lugar nas práticas dos chamados muçulmanos séculos após a revelação do Alcorão, mediante hadith e sunna. O Deus que legislou cem chicotadas para os adúlteros casados que aceitam a jurisdição do Islão (24:1-10 e 4:25) é o mesmo Deus que fez o Alcorão claro (24:1), que não têm qualquer escassez de palavras (31:27), que é o melhor legislador (5:50), que não se esquece (19:64), e que detalhou o Alcorão (11:1; 6:114; 12:111). Ironicamente, a palavra rajm é usada no Alcorão não para lapidação mas para rejeitar e excomungar. Isto é uma ameaça comum usada pelos pagãos contra monoteistas (11:91; 19:46; 36:18; 18:20). O Velho Testamento instrui a pena de morte por lapidação para vários pecados e crimes, incluindo feitiçaria, blasfêmia, violação do sábado, e o assassinato: "Novamente, tu deves dizer aos filhos de Israel: Qualquer um, dos filhos de Israel, ou dos estrangeiros que peregrinem em Israel, que entreguem a sua semente a Moloque, certamente morrerá; o povo da terra o apedrejará com pedras." (Levítico 20:2) "um homem ou mulher que tiver um espírito familiar, ou um feiticeiro, certamente morrerá; com pedras se apedrejarão; seu sangue será sobre eles." (Levítico 20:27) "e aquele que blasfeme o nome do SENHOR, ele certamente será condenado à morte, e toda a congregação certamente o apedrejará; assim o estrangeiro como o natural da terra, quando ele blasfema o nome do SENHOR, será morto." (Levítico 24:16)

"e disse o SENHOR a Moisés, o homem será certamente morto: toda a congregação o apedrejará com pedras fora do acampamento." (Números 15:35)

"e se feri-lo com uma pedra, de que possa morrer, e ele morrer, ele é um assassino: o assassino certamente morrerá." (Números 35:17)

"Mas, se tal coisa é verdade, e a virgindade se não achou a moça: então, levarão a moça à porta da casa de seu pai, e os homens da sua cidade a apedrejarão com pedras, até que morra; pois fez loucura em Israel, prostituindo-se na casa de seu pai; assim tirarás o mal do meio de ti." (Deuteronômio 22:20-21 )

O capítulo de Êxodo tem muitas mais instruções de lapidação. Até mesmo os animais obtêm a sua quota-parte de esta pena de lapidação:

"Se um touro marrar um homem ou uma mulher até à morte, o touro deve ser apedrejado até à morte, e sua carne não deve ser comida." (Êxodo 21:28)

De acordo com o velho testamento, um violador deve ser obrigado a casar com a menina por ele violada. Esta regra pune a vítima para compartilhar o resto de sua vida com o homem violento e despudorado que a violou (Deuteronômio 22:28-30). Como pode isto e muitas outras leis injustas serem impostas por um só Deus?






Houve um versículo Quranico instruindo a morte por lapidação para adúlteros casados, mas foi comido por uma cabra santa faminta depois da morte de Maomé. Embora estes versículos tenham sido revogadas por meio da cabra, eles ainda são juridicamente vinculativos e seu significado é válido.

Isso é uma mentira absurda. Não há revogação no Alcorão. 4:82; 6:21; 15:9; 15:90-99 ; 2:85; 6:19,38,43,112-115; 7:52; 10:15,37; 16:89; 18:27; 41:42.

Omar, o segundo califa almóada, queria  restaurar o Alcorão, introduzindo os versos comidos pelo cabra; mas ele não pode fazê-lo por causa do seu medo do que as pessoas iriam dizer.

É provávelmente mais uma mentira atribuída a Omar. Independentemente, o Alcorão não é deixado para ser temperado pela decisão de alguém, incluindo Maomé (15:9; 74:30; 41:41,42; 9:127; 75:17-19 ). Um muçulmano adora Deus e não tem medo do que as outras pessoas digam (3:175; 5:54; 32:16; 39:36; 50:45; 74:53).

Aqueles que são capturados consumindo álcool pela quarta vez devem ser mortos.

O Alcorão sugere que a sociedade puna crimes que incorram em injustiças ou prejudiquem outra pessoa; o Alcorão não nos pede para penalizar a imoralidade ou pecados pessoais. As pessoas podem regular ou restringir o consumo de álcool ou drogas. Isto não deve ser feito em nome de Deus, o que lhe conferirá um poder absoluto. A experiência humana mostra que a produção, venda e consumo de álcool ou drogas não deveriam ser proibidas pela sociedade. As pessoas devem ter a liberdade de escolher a serem estúpidas, a cometer pecados, incluindo o maior deles, que é a definição parceiros com Deus (2:256; 18:29). Não é por acaso que encontramos muitos costumes judaicos (como a circuncisão), histórias (como a ascensão ao sétimo céu), sanções (como a morte por lapidação), etc., introduzindo no Islão através de narrativas hadith, uma vez que muitos estudiosos Judeus, se tornaram figuras respeitadas após a sua "conversão." Capítulo 20 de Levítico contém uma lista de punições muito severas para diversos pecados. A severidade das penas prescritas, no entanto, é mais rigoroso e mais diverso do que o que encontramos no hadith. Os exemplos a seguir irão fornecer uma ideia quanto à deformação. Por exemplo,

• insultar o próprio pai ou mãe exige pena de morte;

• um homem que case com uma mulher juntamente com sua filha deve ser queimado no fogo.

• Os homens homossexuais devem ser condenados à morte.

• As pessoas consideradas culpadas de bestialidade, juntamente com os animais, devem ser condenadas à morte.

E muitas mais penas de morte. A pena seguinte prescrita pelo Velho Testamento é tanto bizarra como injusta:

"Se dois homens lutam e a esposa de um deles vem para resgatar o marido do seu agressor, e ela chega e arrebata-o pelas suas partes privadas, você deve cortar a mão. Não deve mostrar-lhe nenhuma pena." (Deuteronômio 25:11-12 )

Houve três tribos judaicas em Medina: Banu Qaynuqa, Banu al-Nadir e Banu Qurayza. Eles provocaram os muçulmanos e as duas primeiras tribos foram obrigadas a deixar a cidade com os seus bens transportáveis. No entanto, o profeta Maomé não perdoou Banu Qurayza; seus pescoços foram cortados e seus filhos foram feitos escravos. As estimativas de mortos variam de 400 a 900.

O Alcorão, no capítulo conhecido como êxodo, informa-nos que um grupo "do povo do livro" foi obrigado a abandonar o território devido à sua violação da constituição e ter secretamente organizado uma guerra juntamente com os inimigos contra os muçulmanos (59:1-4). Versículo 59:3 claramente afirma que eles não foram ainda mais penalizados neste mundo. A credibilidade da história de Maomé massacrar as tribos judaicas Banu Qurayza tem sido objecto de controvérsia desde a época em que foi publicada por Ibn Ishaq. Ibn Ishaq que morreu em 151 A. H. , que é 145 anos depois do evento em questão, foi severamente criticado pelos seus pares por contar histórias judaicas altamente exageradas. Ele também foi duramente criticado por apresentar poesia forjada atribuída a poetas famosos. Alguns de seus estudiosos contemporâneos, tais como Malik, chamaram-lhe "um mentiroso." No entanto, o seu trabalho foi posteriormente copiado por outros sem análise crítica. Este é um exemplo de rumores utilizados pelos repórteres duvidosos para fins de propaganda. Os estudiosos modernos encontraram semelhanças surpreendentes entre Ibn Ishaq e o historiador Josefo quanto ao Rei Alexander, que governou  Jerusalém depois de Herodes o Grande, pendurando nos cruzamentos 800 cativos judeus, e massacraram as suas esposas e filhos diante dos seus olhos. Há muitas outras semelhanças nos detalhes da história de Banu Qurayza e o caso relatado por Josefo que são convincentes. Além disso, a falta de referência ou justificação do Alcorão para um tal massacre de grande magnitude e os versos instruindo princípios para os muçulmanos respeitarem remove toda a credibilidade desta história (35:18: 61:4). O Alcorão dá maior importância à vida humana (5:32) e considera o racismo e anti-semitismo mau (49:11-13 ).

O profeta deu a permissão para matar as crianças e as mulheres na guerra.

Não existe tal permissão no Alcorão. Esta instrução, que é utilizada por sunitas ou terroristas xiitas para justificar os seus assassinatos de pessoas inocentes para sua causa, contraria um dos princípios Quranicos mais frequentemente repetidos da não responsabilização de uma pessoa pelos crimes de outra (6:164; 17:15; 35:18; 39:7; 53:38). O Alcorão, que condena os ingratos por atacarem os homens, mulheres e crianças fracos (4:75), não justifica a mesma ação para os muçulmanos. Esta e muitas outras instruções malevolentes são encontradas nos chamados livros de hadiths "autênticos", incluindo Bukhari, tinham um motivo maior: a justificação religiosa para agressão, atrocidades e massacres cometidos por "Omayidas e reis Abbasidas e seus governadores. Outra fonte destas instruções para a violência e o terrorismo vem da literatura judaica, que encontrou seu caminho em livros de hadith através dos estudiosos judaicos que supostamente converteram-se ao Islão. O Velho Testamento contém muitas instruções para a violência e o terror, que não pode ser atribuída a um Deus benevolente e justo. Eles são misturados e introduzidos juntamente com instruções belas e construtivas: "e dedicaram a cidade ao Senhor e eles destruíram tudo o que estava na cidade, tanto homem e mulher, menino e velho, bois, ovelhas e jumentos, com a ponta da espada." (Josué 6:21) "Agora vai, e destroi Amaleque totalmente e tudo o que tiver, e não lhe perdoes; matarás desde o homem até à mulher, desde os meninos até aos bébés de peito, bois e ovelhas, camelos e jumentos. " (1 Samuel 15:3) Ver também o seguinte versos do Velho Testamento:

Êxodo 22:18-19 . Matai as bruxas, pervertidos, politeistas. Levítico 20:1-27 . Apedrejai até à morte quem dê filhos a Moloque. Mate alguém por amaldiçoar pai ou mãe. Matem os adúlteros. Matem homossexuais. Matem e queimem os que cometam incesto. Matem quem cometa bestialidade e os seus animais. Matem os adivinhos.

Levítico 21:16-23 . Linchem e apedrejem o blasfemo até á morte.

Levítico 24:13-18 . Apedrejem o blasfemo até á morte.

Números 15:32-36 . Apedrejem até á morte o homem que trabalhe ao sábado.

Números 31:1-18 . Os filhos de Israel mataram todos os homens midianitas e levaram presas as mulheres dos midianitas e os seus pequeninos, os seus bens. Depois, queimaram todas as suas cidades, e mataram todos os meninos.

Deuteronômio 13:6-10 . Apedrejem até á morte qualquer um de seus parentes que sirva os deuses de outras tribos.

Deuteronômio 17:2-7 . Apedrejem até á morte o homem ou mulher que sirva a outros deuses depois de duas ou três testemunhas testemunharem contra eles.

Deuteronômio 20:16-17 . Matem qualquer ser vivo, nas cidades dos heteus, amorreus, cananeus e ferezeus, e heveus, e jebuseus, e destrui totalmente as suas cidades.

Deuteronômio 22:23-24 . Apedrejem até á morte os adúlteros.

Deuteronômio 25:11-12 . Cortar a mão da mulher se ela agarrar os testiculos do outro homem enquanto seu marido está lutando com ele.

Josué 6:20-21 . Josué e os seus homens destruíram tudo o que havia na cidade, homem e mulher, menino e velho, bois, ovelhas e jumentos, com a ponta da espada.

Juizes 1:4-12 . Judá matou dez mil homens cananeus e perizeus; e cortou os polegares dos seus líderes. Judá pelejou contra Jerusalém, e incendiou-a. Depois, Judá matou Sesai, Aimã e Talmai, e em seguida, atacaram os habitantes de Debir.

Juízes 3:22-29 . O povo de Israel foi salvo por um assassino que aparentemente chegou ao Rei Eglom de Moabe e esfaqueou-o até à morte. Ehud levou um bando de Israelitas de Moabe e matou 10.000 dos seus homens.

1 Samuel 15:3. Deus enviou Samuel para aniquilar Amaleque; e destruir totalmente tudo o que eles têm, sem poupar nada, matando ambos os homens e as mulheres, crianças e bébés, bois, ovelhas, camelos e jumentos.

2 Reis 2:23-24 . Quando os meninos do Bathel chamaram Eliseu 'careca' ele amaldiçoou-os e logo dois ursos sairam e maltrataram as 42 crianças.

 2 Crônicas 15:13. Todo aquele que não busque o Senhor, Deus de Israel, deve ser morto, pequeno ou grande, seja homem ou mulher.

Salmos 58:10-11 . O justo se alegrará quando vir a vingança; lavará os seus pés no sangue do ímpio.

Salmos 137:9. Feliz é aquele que atira os lactentes de Babilônia para as rochas.

Salmos 149:6-9 . Louve a Deus e execute a vingança com uma espada de dois gumes contra pagãos.

Isaías 13:13-16 . Suas crianças serão despedaçadas perante os seus olhos; as suas casas serão saqueadas e as suas mulheres violadas.

Jeremias 48:10. Quem mantém a sua espada do sangue é amaldiçoado.

Jeremias 51:10-24 . Israel é o machado de batalha de Deus e armas de guerra. Embosquem os Babilônios e destruam-nos para se vingarem. Com Israel Deus vai quebrar as nações em pedaços, vai quebrar o homem e a mulher, o velho e o novo em pedaços,

Ezequiel 9:5-6 . Ide a Jerusalém e matai, sem demonstrar piedade ou compaixão. Abata homens velhos, solteironas e moças jovens, mulheres e crianças, mas não toque em quem tem a marca.

Ezequiel 23:25. Deus de Israel irá direcionar sua ira contra babilônios, caldeus, Pecodes, Shoa, Koas, e os assírios, irão ser tratados com fúria. Os seus narizes e orelhas vão ser cortados, e eles morrerão pela espada. Os seus filhos e as suas filhas irão ser levados, e aqueles que são deixados serão consumidos pelo fogo.

Sofonias 3:8. O fogo da ira de Deus irá consumir o mundo inteiro.

O Novo Testamento, contudo, contém um ensinamento diferente. No entanto, desde que o Novo Testamento se baseia em muitos versículos do Velho Testamento e existem ambiguidades quanto ao grau de sua validade para os cristãos, os cristãos têm justificado muitos atos, atrocidades e torturas bárbaras, usando e abusando dos versículos do Antigo e Novo Testamentos.

• Mateus 5:17-19 , 29-30 ;

• Mateus 10:34;

• Mateus 19:12;

• Mateus 21:19;

• João 15:6 (foi abusado pela igreja e utilizado em conjunto com Êxodo 22:18 para queimar bruxas)

• 1 Pedro 2:13-14 (após esta instrução, muitas atrocidades e guerras foram cometidas pelos cristãos)

Quando Maomé, tinha 53 anos de idade, casou com Aisha que tinha apenas 9 anos de idade.

Isso é uma mentira dos inimigos de Deus e de seu mensageiro. Eles tentaram criar um super-homem que dividiu a lua, que movia árvores, que feria crianças e que tinha a potência sexual de 30 homens (versículo 24:11-12 com sua linguagem não-específica, profeticamente resolve esta mentira também). Maomé foi uma pessoa ilustre e não teria um relacionamento sexual com uma menina (68:4; veja 4:5-6 ). As discrepâncias no relato histórico revelam uma tentativa deliberada para reduzir a idade da Aisha. Esta mentira é talvez produzida para justificar os excessos sexuais dos reis e dos ricos. Eles tentaram justificar a violência, a opressão, a injustiça, as transgressões sexuais, e muitos outros crimes através da fabricação e promoção de hadiths.

As mulheres menstruadas não devem tocar o Alcorão, não devem rezar e não devem entrar nas mesquitas.

Isto baseia-se num equívoco de pelo menos dois versos. Versículo 56:79 não é um inscriptivo mas um versículo descritivo sobre a compreensão do Alcorão. O  unico versículo que menciona menstruação proíbe relações sexuais durante a menstruação uma vez que é considerado um período doloroso (2:222), e não proibe as mulheres de orarem ou lerem o Alcorão. O Alcorão proíbe relações sexuais com uma mulher com a menstruação, não porque ela é suja, mas porque a menstruação é dolorosa. O objetivo é proteger a saúde da mulher de ser sobrecarregada pelos desejos sexuais dos seus maridos. No entanto, os autores masculinos do Velho Testamento, exageraram e generalizaram tanto esta proibição divina que eles transformaram a menstruação numa razão para a sua humilhação, o isolamento, e a punição. (Levítico 15:19-33 ) Apesar da regra Quranica, os seguidores de hadiths e sunna aprovaram leis judaicas que consideram uma mulher imunda, e tratam-na como lixo por catorze dias seguidos todos os meses. Segundo as regras inventadas do Velho Testamento, uma mulher menstruada é considerada imunda por sete dias, e durante esse período onde ela se senta deve ser considerado imundo; quem tocar nela ou se sentar onde ela se senta deve lavar e tomar banho. Depois que ela termine a menstruação, ela tem que esperar mais sete dias para ser considerada limpa para fins cerimoniais. (Levítico 15:19-33 )

As mulheres não devem liderar as orações congregacionais, e não é recomendado para elas quererem participar.

O versículo que instrui aqueles que reconhecem a verdade para reunirem-se em oração congregacional não exclui as mulheres (62:9). A expressão Quranica, "Ó vós que conheceis…" inclui ambos os homens e as mulheres. Graças a Deus, que acabámos com esta regra misógina em 1999 e as mulheres têm sido líderes de orações em institutos e dado palestras desde então. O fim do mundo não chegou, nem fez algo ruim acontecer. Ao contrário, somos agora abençoados como membros de uma congregação equilibrada.

As mulheres são mentalmente e espiritualmente inferiores aos homens. Se um burro, um cão, ou uma mulher passa em frente do orador a oração é anulada. O Inferno será preenchido na maioria com mulheres; as mulheres são deficientes em inteligência e religião.

Estas declarações são declarações de homens chauvinistas que refletem uma arrogância diabólica, e falta de apreço por metade da população humana, que são as mães, irmãs, amigas e esposas. (9:71; 33:35) Isso é outra afirmação misógina falsamente atribuída a Maomé pelos chamados livros de hadiths "autênticos". Se  medirmos o nível de inteligência, pela resposta do povo a quem questionou os seus dogmas e crenças supersticiosas, os homens, não foram melhores do que as mulheres. A maioria das pessoas que cometeram violência contra os mensageiros e profetas foram os líderes masculinos, e a maioria daqueles que distorceram sua mensagem após sua partida, novamente foram todos líderes religiosos masculinos. Com poucas exceções baseadas em diferenças biológicas ou condições especiais, homens e mulheres são considerados iguais em todos os aspectos. O Alcorão declara expressamente a igualdade do homem e da mulher, pela expressão "vocês são uns dos outros" (4:25). Além disso, ele nos recorda a origem comum de ambos os sexos, e o objetivo com que Deus nos criou, macho e fêmea, é com a finalidade de  sermos amados e cuidados (30:21). As Fontes de Hadith não refletem um relacionamento amoroso e carinhoso entre homem e mulher, mas uma atitude arrogante, chauvinista e paternalista para com as mulheres. Infelizmente, quando a consulta e a eleição foi substituída pela monarquia e o khilafa satânico (teocracia), os direitos que as mulheres gozavam com a revelação do Alcorão foram retirados um a um, e dois séculos após Maomé, os muçulmanos reverteram para as atitudes e práticas misóginas dos dias pré-islâmicos da ignorância. Os direitos das mulheres durante o tempo do profeta Maomé é refletida com todo o seu poder no versículo 58:1, onde uma mulher muçulmana discute com Maomé sobre o seu marido. Deus não repreende essa mulher; ao contrário, Deus concorda com as reclamações da mulher e critica a superstição. Um estudo crítico das hadiths e livros de história irá revelar que mesmo esses livros contêm muitas dicas sobre os direitos individuais, sociais e políticos usufruídos pelas mulheres durante a era da revelação e até mesmo décadas depois. Os livros de história relatam que Aisha, a esposa de Maomé, na sua velhice tornou-se a líder e comandante de uma facção importante que participou numa guerra civil que ocorreu trinta anos após a partida de Maomé. Versículo 60:12 informa-nos dos direitos e privilégios de que gozavam as mulheres na comunidade muçulmana durante a vida do profeta Maomé. Nesse versículo, o profeta reconhece o direito das mulheres ao voto, assumindo o compromisso de apoiar as mulheres que se entregam pacificamente ao Deus único e levem uma vida recta. A palavra "Baya", usada no versículo implica o carácter político da promessa; elas aceitaram a liderança do profeta individualmente, com a sua livre escolha. Este versículo não é sobre mulheres pagãs ou mushrik abraçando o Islão, mas sim de um grupo de mulheres muçulmanas que anunciou publicamente a sua lealdade a Maomé que se tornou o fundador de um governo constitucional federalista laico na Arábia central. Trata-se de um documento histórico em que as mulheres muçulmanas não eram consideradas apêndices das tomadas de decisão dos maridos, irmãos, pais ou homens guardiões, mas as mulheres muçulmanas foram tratadas como entidades políticas independentes que poderiam votar e celebrar contratos sociais com os seus dirigentes. Infelizmente, muitos dos direitos humanos reconhecidos pelo Islão foram mais tarde um por um afastados das pessoas, especialmente das mulheres, pelos dirigentes Sunitas e religiosos xiitas; eles substituíram o ensinamento progressivo do Alcorão e as práticas dos primeiros muçulmanos com as invenções de rumores que ressuscitaram os dogmas e práticas dos dias da ignorância. Foram necessários séculos para a Humanidade  conceder às mulheres os seus direitos concedidos por Deus. Por exemplo, os Estados Unidos reconheceram o direito de voto das mulheres em 1919, passando a 19ª amenda, exactamente, 13 séculos depois de ter sido reconhecido pelo o Alcorão. Quanto à região que liderou o mundo quanto à liberdade e aos direitos humanos, encontra-se  mais de 13 séculos atrás! Após as mulheres, os homens também perderam a sua dignidade para elegerem os seus líderes. Que regressão! Segundo o Alcorão, Maria foi um sinal para o mundo assim como Jesus foi (21:91). O Alcorão relata que a mulher de Abraão juntamente com o seu marido acolheu hóspedes masculinos, participou  na conversa, e riram alto na sua presença. Ela não foi repreendida por sua participação. Ao contrário, naquela reunião, Deus abenço-ou-a com a boa notícia de um filho, Ishaq (11:71).

O versículo 49:13 rejeita inequivocamente o sexismo e racismo, e recorda-nos que nem macho nem fêmea, nem essa raça nem aquela raça é superior a outra. A única medida de superioridade é justiça; ser uma pessoa humilde, moral e socialmente consciente que se esforça para ajudar os outros. O Alcorão é preenchido com versículos referentes a homens e mulheres num idioma neutro que os trata de igual maneira (3:195; 4:7,25,32,124; 9:68-72 ; 16:97; 24:6-9; 33:35-36 ; 40:40; 49:13; 51:49; 53:45; 57,18 ; 66:10; 75:37-39 ; 92:3).

O Velho Testamento e as cartas de São Paulo no Novo Testamento contém muitas instruções misóginas. Recomendo comparar o índice de Torrey para entradas sobre a "mulher." e Homem" e irá mostrar como o Velho Testamento e São Paulo são tendenciosos contra as mulheres. O ensinamento misógino de São Paulo é um reflexo e extensão de uma tendência histórica. O Velho Testamento contém muitos ensinamentos misóginos feitos pelo homem. Por exemplo, uma mulher é considerada imunda durante uma semana se ela der à luz um filho, mas imunda duas semanas se ela der à luz uma filha (Levítico 12:1-5 ).

Aqui estão alguns dos versículos bíblicos misóginos que mudaram as atitudes dos  chamados muçulmanos para com as mulheres séculos após o Alcorão:

• mulher foi criado a partir das costelas de Adão (Gênesis 2:21-22 ).

• Mulher foi enganada por Satanás (Gênesis 3:1-6 ; 2 Coríntios 11:3; 1 Timóteo 2:14).

• Mulher levou o homem a desobedecer a Deus (Gênesis 3:6,11-12);

• mulher foi amaldiçoada (Gênesis 3:16);

• mulher é mais fraca do que o homem (1 Pedro 3:7);

• mulher é subordinada ao homem (1 Coríntios 11:7).

As mulheres devem ser cobertas da cabeça aos pés sob um véu. As mulheres devem ser confinados em suas casas. As mulheres devem ser segregadas em locais públicos.

As sociedades, em certas ocasiões, momentos ou lugares escolhem segregar os dois sexos, mas ninguém pode santificar essas decisões em nome de Deus. Após um breve período de liberdade e progresso que as mulheres beneficiaram durante a revelação do Alcorão e várias décadas depois, elas perderam muitos dos seus direitos humanos, em virtude dos ensinamentos misóginos fabricados introduzidos sob o título de hadith, sunna, e a sharia de diversos sectores (3:195; 4:19,32; 9:71; 2:228).

A palavra "KHuMuR" em 24:31 é um substantivo plural que vem da raiz da palavra  "KHaMaRa" que significa "cobrir." é utilizado para qualquer cobertura, não exclusivamente do lenço. Um extensivo dicionário árabe, Lisan-ul Arab, informa-nos que a mesma palavra foi utilizada para tapetes e carpetes, uma vez que cobrem o chão. A forma singular da mesma palavra "KHaMR", tem sido utilizada para intoxicantes, que "cobrem" o espírito (5:90). No versículo 24:31, Deus adverte as muçulmanas para manterem a sua castidade e colocarem as suas capas nos seus peitos, não nas suas cabeças! Além disso, a palavra " fel yedribne = elas devem colocar, devem cobrir" é significativo nesse versículo. Se KHuMuR significava cobertura da cabeça, o verbo, "yudnine fel = devem alongar," (como em 33:59) seria mais adequado. Outra distorção envolve a palavra "ZiYNa" do versículo 24:31. Os clérigos muçulmanos têm abusado desta palavra para cobrir as mulheres dos pés à cabeça. Eles consideram quase todas as partes do corpo feminino como ZiYNa. Refletindo sobre os rituais de ablução para as orações diárias, pode-se facilmente inferir que as mulheres podem publicamente mostrar os seus rostos, cabelos, braços e pés como um ato de adoração (5:6). Por conseguinte, o exibir dos seus rostos e braços é na verdade um ato de adoração; e elas não são obrigadas a adorar em locais secretos ou segregados (17:110). Se um homem se sentir sexualmente atraído por uma mulher que está fazendo a ablução não é culpa dela, mas é um sintoma dos seus problemas psicológicos ou a indicação dos problemas profundamente enraizados naquela sociedade. Ao exigir que as mulheres cubram qualquer destas partes do seu corpo, os estudiosos religiosos tornaram um ritual religioso numa questão de expressão sexual. Cabe às mulheres cobrirem-se para sua própria protecção. Não é para os homens ou para a polícia moral mandarem ou imporem esta instrução divina às mulheres, uma vez que a instrução é pessoal e específica para as mulheres. Além disso, a língua da instrução é deliberadamente concebida para acomodar diferentes culturas, diferentes normas, condições, e o nível individual de conforto. Uma recomendação divina para proteger as mulheres contra o assédio dos homens injustos" não deve ser utilizada de forma abusiva para justificar a perseguição e a opressão dos homens misóginos. Versículo 33:52 informa-nos que Maomé foi atraído pela beleza física das mulheres. Nenhum homem razoável é atraído pela "beleza" de mulheres caminhando em sacos pretos. Apesar deste versículo informar-nos que as mulheres muçulmanas durante a época de Muhammad foram interagindo com os homens, com os seus rostos expostos, aqueles que tentaram privar as mulheres da vida política e social e da sua identidade pessoal e de grupo foram para o extremo oposto e emitiram fatwas religiosas a mandar cobrir os seus rostos com um véu. O véu é uma inovação satânica destinada a transformar a mulher em escrava dos homens que se dizem senhores e mestres. Versículo 60:12 menciona a prática de um outro modelo. O profeta Maomé não recebeu qualquer aviso divino sobre o perigo do diabo durante esta interação face a face! Além disso, o Alcorão permite a homens e mulheres a comerem juntos, ou a se ajudarem uns aos outros (24:61; 3:195; 9:71).

O Alcorão, por motivos políticos importantes, aconselha as esposas do Profeta a não se misturarem com as pessoas como costumavam fazer antes de se  casarem (33:32-33 ). O aconselhamento é para proteger Maomé e seus cônjuges da campanha de difamação iniciada pela multidão de mal-agradecidos (8:30-31 ; 24:11-20 ).

Ironicamente, os seguidores de hadith ignoram sua própria história sobre a condição da mulher durante o tempo de Maomé e os quatro "dirigentes orientadores": Aisha, a esposa de Maomé, é relatada a conduzir uma facção dos companheiros de Maomé após a sua partida. Como poderia Aisha conduzir homens e mulheres, à paz e à guerra, se ela não interagia e se comunicava com eles, se ela não tivesse a sua própria identidade, se ela ficasse presa em sua casa ou no seu véu preto?

O Alcorão fornece vários exemplos de mulheres tendo papeis ativos nas suas sociedades e interagindo com os homens, como a esposa de Abraão, (11:69-71; 60:4-6 ), as mulheres muçulmanas em Madyan como aquela que se casou com Moisés (28:23-28 ), a rainha de Sabá que mais tarde se rende à vontade de Deus (27:34:40), e Maria (19:16-30 ; 3:42-43 ; 66:11-12 ). As mulheres muçulmanas foram tão veementes que podiam participar no debate com Maomé (58:1), e as mulheres prometeram fidelidade e votaram Maomé para lider (60:12).

Por isso, isolar os homens e as mulheres não tem base islâmica; é uma prática anti-Quranica importada de ensinamentos misóginos de S. Paulo e do Velho Testamento. Segregação nos locais de culto existia como uma inovação entre os judeus (Êxodo 38:8; 1 Samuel 2:22) e atingiu seu apogeu com a condenação e degradação adicional com São Paulo que condenou as mulheres pelo pecado de Adão e silenciou-as na arena pública.

"Deixe que as suas mulheres mantenham silêncio nas igrejas, pois elas não estão autorizadas a falar; mas sim para serem submissas, como também ordena a lei." (I Coríntios 14: 34)

"Para uma mulher não estar coberta, permita que ela também seja rapada. Mas, se é vergonhoso para uma mulher ser rapada ou barbeada, que seja coberta. Um homem, não deve cobrir a cabeça, porque é a imagem e glória de Deus; mas a mulher é a glória do homem. Pois o homem não é da mulher, mas a mulher é do homem. Nem o homem foi criado para a mulher, mas a mulher foi criada para o homem." (I Coríntios 11:6-9 )

"Deixe a mulher aprender em silêncio com toda a submissão. E não permiteis que uma mulher ensine ou tenha autoridade sobre o homem, mas que esteja em silêncio. Adão foi criado primeiro, depois Eva. E Adão não foi enganado, mas a mulher, sendo enganada, caiu em transgressão. Entretanto, ela será salva durante a gravidez se continuar a ter fé, amor e santidade, com auto-controle." (I Timóteo 2:11-15 )

Os seguidores de hadith e sunna adoptaram os ensinamentos misógénios de São Paulo, e muitos deles ainda recorrem a eles como a sua religião, enquanto a maioria da cristandade foi entretanto mudando muitas vezes e discretamente ignorou e abandonou esses ensinamentos. No mundo cristão, os ensinamentos de São Paulo foram parcialmente rejeitados; as mulheres já não cobrem as suas cabeças, e não ficam em silêncio nas igrejas. É irónico que os sunitas e xiitas de hoje sigam mais seriamente muitos dos ensinamentos do Judaísmo e do Cristianismo que os judeus e cristãos.

Uma mulher não pode divórciar-se do marido por sua decisão.


Versículo 2:228 estabelece direitos iguais para ambos os sexos. Por associar e, mesmo preferindo numerosas colecções de mentiras e inovações ao Alcorão, os seguidores de hadith e sunna negam às mulheres muçulmanas o direito ao divórcio e transformaram-nas em escravas do despotismo masculino. Versículo 4:19 claramente reconhece o direito das mulheres ao divórcio.

Um homem pode divorciar-se da sua esposa, proferindo algumas palavras três vezes.

Os estudiosos sectários que ignoraram o Alcorão e defenderam os volumes de livros de hadith e sunna, emitiram leis (sharia) permitindo que o contrato de casamento fosse encerrado com várias palavras provenientes da boca do marido. O divórcio é um evento que dura vários meses; não é apenas uma declaração verbal do cônjuge masculino. Uma mulher não pode ser divorciada, com o anuncio, "divorcio de você três vezes." Essa facilidade e o divórcio unilateral criaram casamentos miseráveis e destruíram muitas famílias. Muitos homens, que "divorciaram-se" de suas esposas proferindo a mágica palavra "talaq" (divórcio) involuntariamente ou no calor da ira, procuraram desesperadamente uma solução (fatwa), e encontraram os juízes mulás e religiosos vendendo fatwas para salvar o seu casamento! A classe que criou o problema em primeiro lugar tornou-se o benfeitor da solução (2:226-230 ; 9:34-35; 33:49). O Novo Testamento toma o sentido oposto; o divórcio é considerado uma grande ofensa e após o casamento, ninguém deve divorciar-se, excepto por motivos de adultério. Casamento após o divórcio é cometer adultério (Mateus 5:32; 19:9).

A poligamia até quatro mulheres é permitida. Um homem pode casar com quatro mulheres anteriormente solteiras. Os homens não precisam do consentimento da(s) sua esposa(s) para a poligamia.

O Alcorão não limita o número de mulheres. Embora o Alcorão permita a poligamia (4:3), ele desaconselha a sua prática, exigindo certas condições: um homem pode casar com mais de uma, mas só com as viúvas com filhos e deve tentar tratá-las de forma igual (4:19-20 , 127-129 ). Além disso o consentimento da mulher anterior é essencial, uma vez que elas têm o direito de se opor ou divórciarem-se dos seus maridos. Infelizmente, versículo 4:127 tem sido tradicionalmente traduzido como uma permissão ao casamento com órfãs juvenis em vez de suas mães. A palavra "ibkar" no versículo 66:5 também tem sido mal traduzida. Para discussão sobre versos, 4:127 e 66:5 consulte as notas. É uma injustiça culpar o Alcorão por aconselhar-nos a dar atenção às crianças órfãs e a suas mães viúvas. Estes versículos defendem principalmente os interesses económicos, as necessidades psicológicas e biológicas, e o estatuto social dos órfãos, especialmente durante a guerra. Infelizmente, os inimigos do último profeta criaram inumeras mentiras atribuidas a ele (6:112-116 ), distorceram o sentido e a finalidade destes preceitos divinos maravilhosos. Os casamentos de Maomé com viúvas tinham razões políticas e sociais. Infelizmente, a permissão para a poligamia foi distorcida e tornou-se um meio para satisfazer a libido dos homens ricos e dominantes. Os estudiosos masculinos, para atingirem a sua meta utilizaram hadith e distorceram o significado de versos, como 4:3-6 , 4:127 e 66:5. Aqui, podemos notar que os exemplos exagerados da poligamia, os detalhes explícitos dos assuntos sexuais, e histórias de incesto foram inseridos na Bíblia. Encontramos muita similaridade entre histórias em livros hadith e essas histórias bíblicas. Por exemplo, 1 Rei 11:3 afirma que Salomão teve 700 esposas e 300 concubinas. Qualquer pessoa que esteja familiarizada com as versões atuais da Bíblia sabe que ela contém numerosos problemas textuais, erros pós-tradução e contradições. Os números na Bíblia são facilmente sujeitos a distorções, exageros ou erros . Por exemplo, podemos ver uma grande diferença no número de cavaleiros mortos por Davi. Foram 700 de acordo com II Samuel 10:18 e 7000 segundo a I Crônicas 19:18. Note que ambos os números são números inteiros e a diferença é de dez vezes. Um pouco de atenção para os números de esposas e concubinas atribuído a Salomão, revelam uma tentativa deliberada para torná-lo o mais redondo possível. 700 +300 =1000. Num total de sete zeros! O mais provável é que Salomão tivesse algumas esposas. Ao contrário do Alcorão que exorta os muçulmanos a ajudar as viúvas, os ensinamentos Rabbinicais misóginos inseridos no Velho Testamento coloca-as na categoria de meretrizes, e achou-as indignas de casamento pela classe privilegiada, os sacerdotes (Levítico 21:14).

Dividir-se em seitas é uma boa coisa, desde que sejam autorizadas por reis e seus estudiosos remunerados.

Entre as seitas xiitas e sunitas e entre muitas ramificações de cada seita, existem inúmeras regras contraditórias. A história é cheia de lutas e perseguições por parte de uma seita contra outra. Divisão em seitas e facções é sintoma de ignorância e politeísmo (3:19; 3:64,84-85; 6:159; 23:52-56 ; 30:32; 42:13-14 ; 68:36-38 ).

Os Peregrinos devem apedrejar o diabo.

Todos os anos, centenas de peregrinos são mortos e feridos, enquanto uma multidão agitada em pânico é vista com freqüência a matar-se entre si tentando atirar pedras e seus sapatos a um pilar que representa Satanás. A prática da lapidação do diabo durante peregrinação vem da distorção do significado da palavra rajm. Segundo o Alcorão, Deus fez "rajm" a Satanás. a palavra rajm, segundo o Alcorão, não significa necessariamente "lapidação", mas significa "rejeitar" ou "excomungar.' Deus não apedreja Satanás até à morte mas excomunga-o ou rejeita-o da sua presença. A palavra rajm significa simplesmente excomunhão ou rejeição (3:36; 11:91; 15:17,34; 16:98; 18:20; 19:46; 26:116; 44:20; 36:18; 38:77; 81:25). Também significa fundição, previsão, e jogando (18:22; 67:5). Não sabemos ao certo quando o significado de rajm começou a incluir "lapidação." Mesmo se tivesse esse significado extra, é óbvio que não pode ser o único considerado em conexão com Satanás.

Um muçulmano pode possuir escravos ou concubinas.

A escravatura amplamente praticada foi abolida, pelo Alcorão (3:79; 4:3,25,92; 5:89; 8:67; 24:32-33 ; 58:3-4; 90:13; 2:286; 12:39-42 ; 79:24). O Alcorão rejeita a escravidão não como um dos grandes pecados, mas como o maior pecado e crime, equivalente à criação de parceiros a Deus, que é um pecado imperdoável que se mantem até a morte. O Alcorão rejeita claramente aceitar outro além de Deus como senhor/mestre (rabb). Alegar ser o senhor/mestre de alguém, equivale a afirmar ser Deus (12:39-40 ; 3:64; 9:31). Décadas após partida de Maomé, os reis e seus líderes religiosos cúmplices queriam ressuscitar e justificar a escravatura pela distorção dos versos sobre a referência de José ao mestre do seu amigo (12:41,42). No entanto, eles ignoraram o fato de que José nunca chamou alguém além de Deus como o seu senhor e mestre, e ele aconselhou os seus companheiros de prisão a procurarem a liberdade, rejeitando a falsa alegação de Lordes/mestres sobre eles (12:39-40 ). Versículo 16:75-76 compara um escravo com uma pessoa livre e sublinha a importância de ser uma pessoa livre. Não admira, o Alcorão condena o Faraó pela sua alegação de ser o senhor e mestre de outros povos (79:15-26 ). Deus salva os judeus da escravidão e lembrou-lhes que sua liberdade foi mais importante do que a variedade de alimentos que estavam ausentes (2:57-61 ). O Alcorão adverte Maomé para não capturar ou prender seus inimigos em tempo de paz, e dá-lhe permissão para agir de tal forma apenas como uma medida contra aqueles que participam na guerra (8:67). O Alcorão reconhece o fato de que aqueles que atribuiam parceiros a Deus possuiam escravos (24:32; 16:75), e libertá-los é considerada uma atividade e uma qualidade de bom muçulmano (90:13). É irónico que os judeus que sofreram a maior parte da escravidão e foram salvos por Deus, através da liderança de Moisés (Êxodo 1:13-14 ), mais tarde se justificam sobre escravizarem outros povos, incluindo os encargos de venda das próprias filhas, e inserido a prática nos seus livros sagrados (Êxodo 21:7-8; 21:21-22 ; 26-27 ; Levítico 25:44-46 Importância ; Josué 9:6-27 ). Embora Jesus nunca perdoe a escravidão, São Paulo, o fundador do Cristianismo moderno, uma vez pediu aos mestres para tratarem bem os escravos  (Colossenses 3:22), e solicitou que os escravos, fossem "submissos ao seu mestre com todo temor" (1 Pedro 2:18; Efésios 6:5; 1 Timóteo 6:2; Colossenses 3:22; Tito 2:9) justificando a máxima marxista, "a religião é o ópio das massas." O uso da religião por parte da classe privilegiada para escravizar ou explorar as pessoas é vividamente representado por Jomo Kenyatta, primeiro presidente do Quênia: "Quando os missionários chegaram a África, eles tinham a Bíblia e nós tínhamos a terra. Eles disseram "vamos fechar os olhos e rezar". Quando abrimos os olhos, nós tínhamos a Bíblia e eles tinham a terra."

Devemos imitar o profeta Maomé e seus companheiros e seguir as indicações dos livros de sharia que cobrem cada aspecto da vida de cada um, de rezar a dormir, de cortar as unhas das mãos a como ir ao banheiro. Vestir um turbante e deixar crescer barbas numa maneira específica é uma prática religiosa, para imitar Maomé.

Esta mentalidade constitui uma paródia ao sistema de Deus. O Alcorão relata a mensagem e a luta de muitos profetas, mensageiros e os seus apoiantes e não vemos qualquer palavra ou discussão sobre a forma do cabelo e da barba, como cortar as unhas, como dormir, como ir ao banheiro, ou quaisquer outras formalidades e escolhas pessoais ou culturais ou triviais (5:101; 42:21; 2:67-71 Casos constatados ). Enquanto os livros de hadith são preenchidos com centenas de narrativas contraditórias fornecendo detalhes de aparencia, moda, roupa, mesmo a cor da roupa, o Alcorão lembra-nos para não incidirmos sobre estas questões triviais, mas concentrar-se em obras retas(7:26). Ironicamente, os sunitas e xiitas não seguem os seus hadith e sunna consistentemente. Embora os livros de hadiths descrevam Maomé com cabelos longos, quase todos os clérigos sunitas: escreveram uma que procura recriar Maomé como um caminho para a salvação eterna cortando o seu cabelo curto como monges budistas. Trata-se de uma anomalia para quem corta o cabelo em nome de Maomé.

A circuncisão é uma prática religiosa necessária para corrigir os órgãos genitais masculinos.

Fazer alterações na criação de Deus para fins religiosos é considerado um mal (4:119). Obviamente, prepúcio não é uma anormalidade na criação de Deus; é a norma. Tentar alterar uma tal criação através da cirurgia para obter a salvação é superstição. O Alcorão nunca menciona que Abraão se circuncisou. Se de fato Abraão fez uma cirurgia em si, talvez ele quisesse eliminar algum tipo de infecção e os seguidores cegos que mais tarde o idolatraram transformaram um acto pessoal em um ritual religioso. Considerando a história do povo judeu e de seus testes e tribulações, é mais provável que fosse uma invenção de Rabinos, talvez para marcar a raça em extinção para os proteger. As inovações introduzidas, em comunidades religiosas necessitam de ter algumas "histórias sagradas" para atribuir a inovação aos ídolos históricos. O Alcorão nunca menciona as aventuras do personagem bíblico Sansão que tinha um hobby bizarro de recolha dos prepúcios de milhares de pessoas que ele matou com a queixada de um jumento (Velho Testamento Juízes 15:16). O Velho Testamento contém exageros hiperbólicos e práticas bizarras. Por exemplo, ignorando a discrepância no número de pênis mutilados leia os versículos seguintes da Bíblia: "Então Davi levantou-se e partiu com os seus homens e abateu dentre os filisteus duzentos homens, e Davi veio trazendo os seus prepúcios e dando-os todos ao rei, para formar uma aliança de casamento com o rei. Por sua vez Saul deu-lhe sua filha, para mulher." (1 Samuel 18:27) "Então, Davi enviou mensageiros a Ish-Bosheth filho de Saul, exigindo, "Dá-me a minha mulher Mical, que eu comprometi-me por ela por cem prepúcios de filisteus." (2 Samuel 3:14)

Usar um certo numero de prepúcios de genitáis mutilados dos cadáveres de um inimigo como um simbolo de virilidade, e literalmente utilizando-os em troca por uma mulher é difícil de digerir. O Alcorão não contêm qualquer um dos insultos judaicos aos profetas, como, por exemplo, Davi, Salomão, Lot, etc

A obsessão e aventura de Sansão com as meninas filisteias é igualmente estranha (Juízes 14). Quando Sansão é traído por sua esposa, Timnah, (Juízes 14:18 ! ), ele perde a aposta durante os sete dias da festa. Durante este tempo trinta homens de Ashkelon perderam as suas vidas. Mais tarde, Sansão incendeia os campos cultivados filisteus, com as tochas ligadas às caudas de raposas, mata uns mil filisteus com uma queixada de "burro", e reza a Deus para não o deixar morrer nas mãos de "incircuncisos" (Juízes 15:15-16 ). Este herói bíblico, na sua perseguição sangrenta a outra mulher, passa uma noite com uma prostituta (Juízes 16:1) e mais tarde uma outra esposa, Dalila, corta o seu cabelo, a fonte do seu poder extraordinário, portanto, trai-o (Juízes 16:18-20 ). Sansão morre após matar mais Filisteus. A história pode ser descrita em várias palavras: Casamento, festa, prepúcios, abate, incendios, trair,  Prostituta, superstições capilares, matar e matar mais!

Os muçulmanos, muito tempo depois da revelação do Alcorão e da partida de Maomé, adquiriram dos judeus a obsessão bizarra com cabelos e prepúcios! Se alguém se converte às religiões sunita ou xiita, um dos primeiros problemas que ele encontra é submeter-se a uma cirurgia sobre o prepúcio de seu pênis e uma recomendação santa para deixar crescer uma barba longa. Além disso, ele irá trocar o seu nome original, por um nome em Árabe! Isto é apenas o início do processo para se tornar um judeu árabe que segue uma cultura urdida desde os tempos medievais.

O/A Convertido/a deverá mudar seu nome para nomes árabes.

Os nomes com significados e implicações negativas devem ser alterados, é claro, mas alterar os nomes para àrabe não tem base Quranica. Nenhuma linguagem é exclusivamente sagrada. Ao contrário, a diversidade das linguas é considerada uma benção divina (30:22). Empregando hadith e sunna, nacionalistas Árabes da época Umayida e Abbasida introduziram a sua cultura como sendo Islão. Muitos convertidos experimentam um dilema pessoal e passam por um sofrimento desnecessário, negando seus nomes não Árabes, que na maioria dos casos são belos e às vezes mais do que os Árabes. Esta prática contradiz mesmo os ensinamentos da hadith e sunna. De acordo com os Sunitas e fontes xiita, aqueles que se converteram ao Islamismo do politeísmo durante o tempo de Maomé nunca mudaram seus nomes. Bilal da Etiópia permaneceu Bilal; Salman da Persia ficou Salman Omar permaneceu Omar, Hamza permaneceu Hamza. O mesmo acontece com todos os outros profetas e mensageiros cujos nomes são mencionados no Alcorão. Nenhum de nossos modelos exemplares mudou o seu nome para Árabe ou para qualquer outra língua.Como é que se pode considerar nomes humanos num determinado idioma santos enquanto Deus Todo-poderoso nos permite chamá-lo com qualquer bom atributo (17:110)?

Prestar a caridade zakat é necessária apenas uma vez por ano. Existem muitas taxas diferentes de activos diferentes e deve-se consultar a sua seita para descobrir quantidade de caridade zakat devida.

Purificação das bênçãos de Deus, incluindo os financeiros, através da partilha com os outros, é um acto contínuo e importante de caridade (6:141; 7:156). O montante da caridade financeira para os pobres e necessitados não é fixo; ele é deixado aos indivíduos decidirem com base em determinadas orientações (2:219; 17:29).

A peregrinação de Hajj deve ser feito apenas em determinados dias.

Peregrinação de Hajj pode ser feita num periodo de quatro meses restritos, Zil Hijja, Muharram, Safar, e de Rabi Awwal (2:189,197).

Quem quebrar o seu jejum durante o Ramadão antes do pôr-do-sol deveria jejuar 60 dias a mais por não completar o dia como um castigo.

Não existe tal penalidade no livro detalhado, claro e fácil de entender daquele que não esquece, nem se esgota de palavras (2:184).

O Khalifa, que significa sucessão na liderança, é da tribo Quraysh.

Nenhum outro assunto pode ser mais merecedor de consulta do que a eleição de dirigentes. O Alcorão deixa esta importante questão a ser decidida pela consulta ou pela votação pela população (42:38). Maomé foi eleito como um líder revolucionário por aqueles que aceitaram a sua mensagem sobre a sua própria vontade. Após Maomé, a eleição prosseguiu durante cerca de trinta anos, com as eleições de Abu Bakr, Omar, Ali, e Usman. A fraqueza e o nepotismo de Usman levam a tribo de Umayyad a assumir o controlo. Assim, o sistema democrático, que começou com Maomé, foi substituído por monarquia várias décadas depois da sua partida.

Ouro e seda são proibidos aos homens.

Ouro e seda não são proibidos para uso aos homens. Proibir as bênçãos de Deus em nome de Deus é o maior pecado (5:48-49 ; 6:145-150 ; 7:31-32 ; 10:59-60; 18:31; 22:23; 35:33; 42:21).

Desenhar imagens de criaturas animadas, e fazer estatuas delas é um grande pecado.

O Alcorão não proibe desenhar ou fazer modelos 3-D dos seres vivos. Profeta Salomão, que teve estatuas em sua mansão, era um monoteista (34:13; 42:21).

Tocar instrumentos musicais distintos dos utilizados pelos árabes medievais é um pecado.

O Alcorão contém muitos versos condenando a tentação das pessoas religiosas de proibirem as bênçãos de Deus (6:145-150 ; 7:31-32 ; 10:59-60; 42:21).

Os cães, principalmente negros, são do diabo. Se um cão lhe tocar, deve lavar-se de um modo especial.

Esta é outra superstição que reflecte a atitude do inventor de hadiths contra um cão particular. Livros de Hadith contêm hadiths contraditórios. Alguns narradores bem-respeitados das mesmas fontes acusaram Abu Hurayra de fabricar as proibições. O Alcorão lida com cães como companheiros humanos, e menciona um cão como um dos membros dos jovens monoteistas que foram protegidos contra a opressão através de uma hibernação milagrosa numa caverna (18:18-22 ). Cães podem também ser utilizados na caça, e a sua boca não faz a caça imunda (5:4).

Comer a carne de certos animais é proibida e a lista contraditória das proibições em seitas autorizadas é que é boa. O gosto da tribo Quraysh é a autoridade final sobre qual alimento é proibido ou não.

Apesar da lista enumerada no Alcorão e apesar de sua rejeição clara de quaisquer outras proibições alimentares, aqueles que associaram parceiros com Deus vieram com listas complementares e contraditórias de proibições (6:145-150 ; 16:115-116 ; 42:21).

As pessoas não podem ir para o céu sem aceitar ou reconhecer Maomé como messangeiro.Testemunhar a unicidade de Deus não é suficiente sem a adição do nome de Maomé.  

A única exigência para alcançar salvação eterna é reconhecer Deus, o julgamento final, viver uma vida justa (2:62; 5:69).A unicidade de Deus é repetida como "lailahe illallah" ou "lailahe illa hu" (não há Deus, mas Deus) trinta vezes no Alcorão, e não é usada uma única vez em conjunção com o nome de Maomé (3:18; 37:35; 38:65; 39:45; 47:19). Ironicamente, o único testemunho (shahada) que inclui o nome de Maomé é atribuída a hipocritas (63:1).

A pedra preta, o Ka'ba em Meca veio do céu e deve ser respeitada. Visitar o túmulo de Maomé em Medina é também um dever religioso preconizado por peregrinos.

A história sobre a pedra negra é um mito. Mostrar tal reverência a uma pedra ou um túmulo e pedir a ajuda dos mortos é idolatria (1:5; 2:24; 10:106; 6:56; 7:194-197 ; 18:52; 22:73; 26:69-74 ; 28:88; 35:14,40; 39:38; 40:66; 46:5; 72:18; 2:149-150 ; 5:3; 16:120; 22:78; 66:6).

Nome de Maomé e os nomes de seus companheiros mais próximos podem ser apresentados junto ao nome do Deus em mesquitas.

Maomé não veio para substituir o seu nome com os nomes de ídolos anteriores. Colocar o nome de Maomé, ou dos seus companheiros e familiares mais próximos junto a Deus é, evidentemente, uma inovação dos adoradores de heróis (17:110-111 ; 20:14; 72:18-19 ). Os politeistas de Meca não tinham estátuas ou ídolos concretos, como alegam os livros de hadiths, e consideram-se seguidores de Abraão, o lendário monoteista. Assim, como sunitas, xiitas e cristãos de hoje criaram mais uma idolatria abstrata, por meio de nomes sagrados, intercessão e leis religiosas artificiais (53:23).

Devemos orar só a Deus enquanto estamos de pé na sala da salat, mas quando nos sentamos, devemos chamar Maomé como se ele estivesse vivo, omnipresente e omnisciente, dirigindo-lhe "essalamu alayka ayyuha al-nabiyyu" (ó profeta, a paz seja com você).

Trata-se de uma inovação óbvia, já que Maomé não podia ter pronunciado estas palavras em suas orações; a menos que ele fosse um esquizofrênico (35:14, 40; 4:101-103 ; 29:45). Na oração, só devemos comemorar Deus, declarar a nossa fidelidade a Ele e pedir sua ajuda. Na oração a Deus contar a história de Moisés e o Faraó ou as regras de herança, descrição do paraíso e do inferno, etc., não é apropriado (17:110-111 ; 20:14; 72:18-19 ).

O consenso dos estudiosos religiosos deve ser considerado a religião de Deus.

Embora o número de votos nas sociedades democráticas seja uma ferramenta valiosa para determinar o interesse e a vontade de uma população, o número de votos não deve determinar a verdade científica, filosófica, e nos assuntos teológicos. O ensino do Islão foi concluído com a revelação Quranica (5:3; 6:114; 9:31-34).

Maomé é o último mensageiro.

Maomé foi o último profeta (nabi) que trouxe o último testamento, mas ele não foi o último mensageiro (rasul) (3:81; 7:35; 33:7; 33:40; 72:7). O Alcorão dá o exemplo de ingratos no passado que  se privaram de receber a mensagem e a misericórdia de Deus, afirmando a mesma coisa (40:28-44 ).

Maomé era um homem analfabeto e permaneceu analfabeto até sua morte.

Maomé era um pagão alfabetizado (96:1-5 ; 68.1-10 ; 2:78; 3:20; 3:75; 7:157; 62:2; 2:44).

Maomé aconselhou alguns doentes a beber urina de camelo como cura e, em seguida, torturou um grupo de pessoas acusadas de assassinar o seu pastor arrancou seus olhos com pregos quentes, cortou seus braços e pernas e deixou-os no deserto morrendo à sede.

Maomé era um líder generoso, tolerante e solidário, não um carrasco (3:159; 6:54; 21:107; 68:4).Sua receita de urina de camelo como um remédio é altamente duvidosa (7:157). Mesmo se ele aconselhasse tal coisa, isso seria apenas reflexo da sua educação, falta de conhecimentos no campo da medicina.

Deus inicialmente exigiu que se orasse 50 vezes (não unidades, vezes) num dia quando Maomé se encontrou com Deus no sétimo céu durante a sua Miraj (ascensão). Mas felizmente, Moisés, que estava residindo no sexto céu, repetidamente aconselhou Maomé para pedir maior redução na oração. Oscilando entre Deus no sétimo céu e Moisés no sexto por cinco vezes, Maomé regateou um desconto do número de orações.

Esta é a maior história nos livros de hadiths, tomando páginas e páginas, e que contém as impressões digitais dos contadores de histórias judeus. Deus nunca encarregou uma pessoa de algo que ultrapassa a sua capacidade (2:286; 6:152; 7:42; 23:62). Alegar que Deus inicialmente quis impor sobre as pessoas orar 50 vezes por dia, o que significa uma oração para cada 28 minutos, dia e noite, é negação da compaixão de Deus. Esta história também insulta a inteligência de Maomé, transforma-lo em alguém como um líder de um sindicato a negociar em nome de seu povo contra um vilão cruel, com Moisés, como assessor. Além disso, a oração não teve início com Maomé, ela começou com Abraão (17:1,78; 53:1-182 :83; 2:. ; 2:238; 11:114; 24:58).

Maomé tem o poder de intercessão e poupar-nos-á no dia do juízo. Maomé foi o principal entre todos os mensageiros. Proferir o nome de Maomé sozinho é desrespeitoso para com ele e priva uma pessoa de sua intercessão.

Ninguém tem o poder de salvar os criminosos do juízo de Deus. O Alcorão considera a fé na intercessão de alguém pecado ou politeísmo. Se houver qualquer intercessão será um testemunho da verdade (2:48,123,254; 6:70,94; 7:53; 10:3; 20:109; 34:23; 39:44; 43:86; 74:48; 78:38). Ironicamente, o Alcorão nos informa que Maomé vai reclamar sobre seu povo por ter desertado o Alcorão, e não da "sua sunna" como alegam (25:30). Os Maometanos são tão ignorantes e arrogantes, como seus ancestrais, também estão em negação da sua associação de parceiros a Deus  atribuindo o poder de intercessão ou outros falsos poderes aos servos de Deus (6:23-26 ; 16:35; 39:3, 38; 19:82.o ). Aqueles que reconhecem o Alcorão não favorecem um messageiro sobre o outro (2:285); todos os mensageiros pertencem à mesma comunidade (21:92; 23:51-53) o Alcorão dá exemplos de muitos conceitos e objetos que são idolatrados. Por exemplo, filhos (7:90), os líderes e estudiosos religiosos (9:31), dinheiro e riqueza (18:42), anjos, santos mortos, mensageiros e profetas (16:20,21 ; 35:14; 46:5,6; 53:23), pensamento idealista/ego (25:43, 45:23) podem ser todos ídolos. A fim de infectar a mente humana com a mais perigosa doença denominada pecado de associação (associando parceiros a Deus, ou politeísmo), Satanás infecta as mentes pouco apreciativas com um vírus que destrói a faculdade de auto-crítica, instalando um auto-reconhecimento faltoso, defeituoso. Portanto, a maior parte daqueles que associam parceiros a Deus de diversas maneiras não reconhecem seu politeísmo (6:23). Os Politeistas mostram todos os sintomas da hipnose, sendo Satanás o hipnotizador mestre (6:22-24 ,43,110-113; 7:17,27 -30,64 -65,179; 10:42-43 ; 15:12-15 ,42; 16:35; 18:21,22,57; 17:45; 31:21; 47:16; 58:18-19 ; 59:16-19 ).

Devemos pronunciar palavras de elogio ou frases distintivas, como "sallallahu alayhi wasallam " ou "a paz esteja com ele" sempre que o nome de Maomé é pronunciado. Quando em congregação, devemos mostrar nosso respeito a ele, com palavras ou gestos sempre que seu nome é mencionado. 21:14).

Somos instruídos a glorificar e louvar a Deus (3:41; 3:191; 33:42; 73:8; 76:25; 4:103), não os seus mensageiros, que são apenas seres humanos como nós. Somos instruídos pelo clemente e misericordioso Deus, a pronunciar o nome dos mensageiros pelos seus primeiros nomes, sem glorifica-los, e Maomé não é diferente de outros mensageiros (2:136; 2:285; 3:144). Maomé era um ser humano como nós (18:110; 41:6), e seu nome é mencionado no Alcorão como "Maomé", semelhante à forma como as outras pessoas são mencionadas no Alcorão (3:144; 33:40; 47:2; 48:29). Proferimos uma expressão contendo "salli ala" após o nome Maomé é baseada na distorção do significado de um verbo que exije uma acção de apoio e encorajamento de um mensageiro vivo, em vez da pronunciação de louvor para um mensangeiro morto (compare 33:56 às 33:43; 9:103; 2:157). Apesar destes versículos esclarecerem o significado da palavra; apesar do fato de que o Alcorão não nos instrui para dizer alguma coisa, mas para fazer algo; apesar do facto de o pronome de terceira pessoa na frase indicar que ela foi uma inovação depois da partida de Muhammad; não obstante estes e muitos outros fatos, os Sunitas e os clérigos xiitas tentaram arduamente encontrar uma desculpa para continuar esta forma de culto a Maomé. Contrariando a intenção e a prática de massas, alguns clérigos reivindicaram mesmo esta frase para ser uma oração para Maomé e não uma frase para o seu louvor. Maomé, especialmente o Maomé da sua imaginação, deveria ser a última pessoa que precisaria orações constantes de milhões. Segundo eles, Maomé já recebeu o grau mais alto do paraíso, e novamente, de acordo com eles, ele não cometeu nenhum pecado. Portanto, o endereço de suas orações é terrivelmente errado. Eles deveriam orar para si próprios, um para o outro, e não Maomé. É como as pessoas desabrigadas doarem seu dinheiro, várias vezes por dia, à pessoa mais rica do mundo. É tão absurdo.

Maomé não cometeu nenhum pecado. Ele foi sempre um monoteista, no caminho certo.

Maomé foi um ser humano falível. Antes de receber a revelação, ele seguia a tradição de seu povo e ele associava parceiros a Deus (4:79; 9:117; 33:37; 40:66; 42:52; 66:1; 80:1-10 e 93:7). Se ele fosse um monoteista, Deus não o retrataria a ele como sendo ignorante de iman (fé / reconhecimento) antes da revelação do Alcorão. Os livros de História afirmando a sua popularidade antes da revelação do Alcorão apoiam este fato Quranico. Os politeistas ignorantes cujo sistema teocrático era dirigido por líderes religiosos fanaticos não respeitariam um monoteista.

Deus criou o universo em prol de Muhammad.

O universo não foi criado para uma pessoa específica (14:33; 16:12; 31:29; 51:56).

Maomé mostrou muitos milagres, inclusive dividir a lua. Segundo algumas narrações, metade da lua caiu no quintal de Ali.


Maomé não demonstrou qualquer milagre; exceto o Alcorão (29:50-51 ). A divisão da lua mencionada no Alcorão é uma descrição profética da divisão do solo da lua em 1969 (54:1-2; veja 80:26 ad 50:44 para o alcance do significado de "shaqqa" ). O ano de 1969 é o início do estudo de computador que levou à descoberta do milagre matemático do Alcorão baseado no número 19 do capítulo 74 no ano de 1974 (74:1-56 ).

Nota do tradutor: Basta fazermos os calculos de quanto medirá metade da Lua para sabermos que é uma mentira ou o quintal de Ali não seria um quintal mas um Continente tipo Àsia.

Maomé não era um ser humano como nós; ele foi um superhomem. Ele teve relações sexuais com nove mulheres em uma única noite. Maomé tinha a potência sexual de 30 homens.

Os fabricantes de hadiths eram de fato os inimigos do profeta, como esses cristãos Paulistas foram os inimigos de Jesus (6:112-116 ). Os fabricantes de Hadith retrataram Maomé para justificar as suas fantasias. Outro motivo foi fabricarem tantos "milagres" como possíveis para o tão idolatrado Maomé, incluindo milagres sexuais, para ajudá-lo a conquistar a "concorrência" com outros mensageiros mencionados no Alcorão. Maomé era um ser humano como nós; ele não era um super-homem (33:21; 18:110; 41:6).

Maomé foi enfeitiçado por um judeu, e ele andou pelas ruas de Medina em grande confusão durante semanas.

Maomé não foi enfeitiçado; esta alegação foi feita pelos ingratos que rejeitaram sua mensagem (17:47; 25:8-10 ).

Maomé morreu pobre, tão pobre que ele entregou seus pertences pessoais a um judeu por punhados de cevada

Uma vez órfão e pobre, com a bênção de Deus, Maomé se tornou um abastado comerciante bem sucedido a nível internacional (93:8).

Cada companheiro do profeta Muhammad é como uma estrela e suas ações e fatwas tem autoridade na orientação religiosa.

Séculos após Muhammad, ele e seus companheiros se tornaram ídolos. Os chamados muçulmanos começaram a considerar os companheiros do profeta (sahaba) ou quem quer que se encontrou com ele como muçulmanos quase infalíveis, embora alguns dos seus companheiros considerassem que uns e outros fossem hipócritas. Existem coleções de rumores atribuídos a estas pessoas (akhbar) e suas palavras, comentários e especulações são considerados outra autoridade após os hadith. A palavra sahib, sahaba, e o seu plural ashab são normalmente utilizadas num contexto negativo. Por exemplo, das 77 ocorrências de ashab, e a ocorrência de "ashabahum" (os seus companheiros), apenas 27 são utilizados positivamente, como por exemplo, "ashab ul-Jannah" (Povo do Paraíso) ou "ashab ul-Yameen" (povo correto). Excluindo os poucos usos neutros da palavra, a palavra "ashab" é geralmente utilizada para designar ingratos e hipócritas. Nenhum destes ashab, o plural dos sahaba, se refere aos muçulmanos que viveram durante o tempo do profeta Maomé. Em apenas um caso, o ashab plural refere-se ao povo com Moisés (EX 26:61), e nós aprendemos com o Alcorão que a maioria deles não tinha conhecimento da verdade (7:138-178 ; 20:83-87 ). Entre as 12 ocorrências de forma singular e dupla, sahib:, apenas cinco descrevem o relacionamento entre um profeta e os seus amigos. E, dentro dessas cinco ocorrências, apenas uma deles tem uma conotação positiva. Antes de citar os versículos, gostaria de lembrar que a  palavra sahib(companheiro, amigo) é sobre um relacionamento mútuo; se alguém é seu companheiro você é companheiro dele também, e vice-versa. Nas quatro ocorrências seguintes, os destinatários são os opositores ou politeistas: " . . O vosso companheiro (sahib) não é louco. Ele é um admoestador importante para vocês, pouco antes do advento de uma terrível retribuição." (34:46) "o seu companheiro (sahib) não se desvia, nem ele é enganado." (53:2) "o seu companheiro (sahib) não é louco." (81:22)

"Ó meus companheiros de cela(sahibay = dois companheiros), que é preferivel: divindades discrepantes ou Deus o único, o irresistível?" (12:39)

o único significado positivo da palavra sahib, como um companheiro do Profeta é:

" . . Assim, quando os ingratos o perseguiram, e ele era um dos dois na caverna, ele disse ao seu amigo, "não se preocupe, Deus está conosco." . . ." (9:40)

Em resumo, segundo a literatura Quranica, as palavras sahib (companheiro) ou ashab (companheiros) por si mesmas, não têm qualquer significado positivo. Em três versos Maomé é descrito como "sahib de ingratos" e em um único versículo, ele foi o companheiro de uma pessoa conhecedora da verdade.

Em muitos versos, no entanto, o Alcorão nos informa sobre a qualidade dos companheiros de Maomé (48:29). O que vemos, não é uma descrição de pessoas santas perfeitas, mas de pessoas comuns, com todos os tipos de deficiências e lacunas.

Segundo os livros de hadith, Abdullah Ibn Massud foi um dos principais companheiros do profeta. Suas narrativas de hadith estão entre as fontes de jurisprudência mais apreciadas dos muçulmanos sunitas. Muitas hadith e livros de narrações, incluindo Bukhari e Ibn Hanbal afirmavam que Ibn Massud tinha uma cópia pessoal do Alcorão e ele não colocou os dois últimos capítulos. Segundo os livros, ele alegou que estes dois capítulos não pertenciam, ao Alcorão.

Aparentemente, um outro companheiro do profeta, Ibn Ubayy Kaab, também tinha um Alcorão pessoal diferente. Ele acrescentou dois capítulos chamados "Sura Al-Hafd " e "Sura Al-Khal " ," e alegou que estes pertenciam ao Alcorão (esses "capítulos" ainda estão sendo recitado pelo Hanefitas na "sala el witr" após a oração da noite" ).

Seguir os livros de hadith é igual a seguir o mensageiro.

A Maomé foi dado unicamente o Alcorão, e só Deus fala sobre as questões do Islão (6:19, 38,114; 7:3; 12:111; 17:46; 31:6; 45:6; 69:: 38-47 ). Os livros de Hadiths foram compilados a partir de rumores dois séculos após Maomé. Uma das principais fontes de hadith é a teologia judaica e cristã. Os estudiosos sunitas e xiitas escreveram volumes de livros a identificar e expor, embora com pouco sucesso, as  toneladas de histórias provenientes da Mishna e Gemara hebraica, do velho testamento, fontes, que foram chamadas Israiliyyat. Por exemplo, muitas histórias e práticas judaicas foram importadas para o "Islão" através da "conversão" de eruditos judeus e cristãos, como o conceito do Mahdi (o Salvador orientador) e a prática da circuncisão, etc. Kab bin al Akhbar foi um desses influentes convertidos. Os estudiosos sunitas listaram Abdullah bin Abbas, Abu Hurayra, Abdullah bin Amr Ibnul, Abdallah bin Salam, Tamim al-Dari, e Vahb bin Munabbih como os maiores narradores de Israiliyyat. A hadith que deve ser a mais autêntica é a hadith sobre o discurso de Maomé em Hujjat al Wada (o Sermão de despedida) em que alegadamente dezenas de milhares de companheiros escutaram. A última declaração deste sermão é relatada em três versões diferentes:

• estou deixando a vocês o Alcorão e a minha sunna; vocês devem seguir ambos. (46/3 DE Muwatta ).

• Estou deixando a vocês o Alcorão e meus parentes; vocês devem seguir ambos. (44/4/2408 Muslim ; Ibn Hanbal 4/366 ; 23/1/3319 da Darimi ).

• Estou deixando a vocês o Alcorão; vocês devem segui-lo. (15/19/1218 Muslim ; Ibn Majah 25/84/3074 ; Abu Dawud 11/56/1905 ).

Um outro hadith interessante relatado por livros hadith :

"Quando Maomé estava doente em seu leito de morte, pediu aos seus companheiros, para lhe trazerem caneta e papel para que ele pudesse escrever-lhes algo para sua salvação. Quando um de seus companheiros se apressou a trazer caneta e papel, ele foi parado por Omar Ben Khattab. Alegadamente, Omar disse a ele: "O profeta tem uma febre alta; ele não sabe o que ele está dizendo. o livro de Deus é suficiente para nós (hasbuna kitabullah!)" (Bukhari: Jihad 176, Jizya 6, a Ilm 49, empresa Marza 17, Magazi 83, Itisam 2; Muslim: Vasiyya 20-22 ; Ibn Hanbal 1/222 , 324, 336, 355)

De acordo com esta hadith “autentica”, Maomé morre sem escrever a sua última declaração. O hadith acima afirma estar relatando as últimas palavras do profeta Maomé e a reacção do seu companheiro. As alegadas declarações atribuídas a Omar Ben Khattab e aceites por todos os outros companheiros proeminentes agitou e destruiu as fundações de pilhas sobre pilhas de hadiths.

Em resumo, os livros de hadith contêm muitos hadiths rejeitando hadiths como uma fonte secundária para além do Alcorão. Os relatos da terceira versão da última declaração no último sermão de Maomé durante peregrinação, e o relato que o hadith sobre Omar não permitir qualquer outro escrito de Maomé pois ele e os outros companheiros proeminentes consideraram o livro de Deus como suficiente para eles. No entanto, apesar destes e de muitos outros "relatos" com comentários negativos e proibições sobre os hadith, eles coletaram milhares delas.

Deus deu a Maomé o Alcorão e outras revelações semelhantes ao Alcorão.

Esta alegação é encontrada em livros de hadith e é digna de nota que o texto árabe do hadith usa exatamente a mesma palavra, mithl (semelhantes), assim, desafiando o desafio do Deus que não há nenhum livro semelhante ao Alcorão (52:34). Os livros que eles consideram semelhante ao Alcorão estão todos cheios com rumores, superstições, alegações contraditórias, má gramática, vários dialetos, regras fúteis e levianas, imprecisões científicas, agendas sectárias, ideias e práticas misóginas, crueldade, ideologias tribais e racistas, culto a heróis, histórias patetas, e até mesmo anúncios publicitários.

Definir-se como muçulmano, por si só, não é suficiente. Deve seguir cegamente (taqleed) uma seita ou ordem, tais como Hanafi do século XII, Shafii, Hanbali, Maliki, Salafi, Naqshibendi, Mohammad Ali Jafari, Isna Ashari, Ahmadi Qadiyani, Bahai, Nurcu, Rashadi, etc. Devemos seguir as fatwas e sharias de imãs, mujtahids e estudiosos de nossa seita sem questionamento. Em outras palavras, devemos ser muqallids (seguidores). A razão não basta para encontrar a verdade. Precisamos da fé, e a fé é superior à razão.

Deus chamou-nos muçulmanos, isto é, aqueles que pacificamente se entregam a Deus (22:78; 41:33). Dividir em seitas e facções estão entre os atributos dos politeistas (6:159; 23:52-56 ). Seguir os pais, líderes religiosos, ou alguém cegamente é errado e uma fonte do mal (2:170; 5:104: 10:78,100; 17:36; 26:74; 31:21; 34:43; 43:22,23). O Alcorão avisa-nos para não sermos hipnotizados pelo carisma dos líderes, ou pelas convenções sociais. Uma sociedade composta de indivíduos que valorizem o inquérito racional e empírico nunca poderá se tornar na vítima do fanatismo religioso, dramas trazidos pelos políticos e clérigos carismáticos.

Uma religião ou seita que glorifique a ignorância e a ingenuidade pode ser muito perigosa para os seus seguidores e outros. Como o físico Steven Weinberg uma vez afirmou, "com ou sem religião, você teria pessoas boas fazendo coisas boas, e pessoas más fazendo coisas más. Mas para pessoas boas fazerem coisas más, é necessária a religião." (Steven Weinberg , Facing Up : Science and Its Cultural Adversaries, Harvard University Press, 2001, p. 242 ). Devemos acrescentar ideologia à religião, pois todas as idéias dogmáticas podem bloquear a racionalidade e transformar seres humanos em animais. No século passado, o comunismo e o fascismo causaram muita dor à humanidade.O Alcorão rejeita categoricamente a fé cega ou ingenuidade (17:36). O Islão descrito pelo Alcorão não é uma "religião" no sentido comum da palavra. Assim, preferimos chamar o Islão de sistema, em vez de uma religião. A palavra crença ou fé é comunamente usada como um eufemismo de ilusão ou populismo. Quem não pode justificar a sua fé com argumentos dedutivos ou indutivos, aqueles que não podem fornecer razões convincentes para que eles acreditem em certos dogmas e não em outros, são pessoas que não são muminun (aqueles que reconhecem) em conformidade com a definição da palavra pelo Alcorão. Se o autor da Sagrada Escritura é também o criador da natureza, e se é Ele quem está premiando-nos com os conhecimentos científicos e a tecnologia quando racionalmente e empiricamente investigamos as suas leis, então, por que razão iria ele desencorajar-nos de usar a nossa mente e os sentidos para investigar alegações sobre ele e as palavras atribuídas a ele? Caso contrário, esquizofrenia ou incoerência tornam-se atributos divinos. Deus não está no fim do túnel escuro da fé cega; mas podemos descobrir e entrar em contato com ele programando a nossa mente e coração para receberem a sua mensagem transmitida na frequência da sabedoria e do conhecimento. Portanto, de acordo com a semântica contextual do Alcorão, fé ou crença denotam a convicção como um resultado da razão e provas irrefutáveis. Assim, para distinguir a terminologia Quranica da crença e da fé do seu uso comum, nós preferimos usar a palavra "reconhecer". Isso não significa que uma pessoa que conhece o Alcorão não têm mistérios e incógnitas. Ao contrário. Mas, para aceitar mistérios e o desconhecido deve-se ter razões imperiosas. Por exemplo, a idéia de um universo vindo do nada, ou um ponto infinitamente pequeno e denso chamado a singularidade, a idéia do Big Bang, é difícil de digerir. Não temos nenhuma experiência de tal coisa. Mas, temos provas irrefutáveis para o Big Bang mesmo que tenhamos dificuldade a compreender isso. As alegações extraordinárias exigem provas extraordinárias, e a maioria das religiões não fornecem provas ordinárias para seus créditos extraordinários freqüentemente está repleto de contradições e enormes disparates. Abraão era um monoteista racional. Antes de ser mensangeiro, Abraão, como um filósofo jovem, chegou a idéia do "maior" por uma série de questões hipotéticas. Seu método de provar a existência do criador de todas as coisas era tanto empírica como racional. Ele convidava as pessoas para observarem os corpos celestes, e então deduzir a existência de um criador absoluto de suas características contingentes. Esta metodologia empírica e racional é suportada por Deus.

Abraão, não só apoiou a sua fé monoteísta com argumentos racionais, mas também refutou os créditos dos seus adversários com argumentos racionais, quebrando as estatuas pequenas do seu povo pagão e poupou a maior. Quando os politeistas indagaram sobre o "descrente/ingrato" que cometera tal acto blafesmo para com os seus ídolos, Abraão se levantou e apontou para a estatua maior, obrigando o povo a refletir e examinar os seus dogmas religiosos (21:51-67 ).

O Alcorão fornece um argumento racional para explicar porque Deus não tem parceiros ou igual. O argumento no versículo 21:21-22 é um argumento lógico chamado negar o antecedente. Assim, não é de admirar que o Alcorão nos convide a não ser ingênuo. Não devemos seguir nada sem conhecimentos suficientes, incluindo a crença em Deus.

O Alcorão rejeitou a metáfora cristã de ovelhas e pastor e encarregou os muçulmanos de não usarem qualquer palavra que implique essa subjugação (2:104). Apesar dos avisos claros do Alcorão contra ser uma ovelha num rebanho, os seguidores de hadith adoptaram os ensinamentos de São Paulo e tornaram monoteísmo racional em politeísmo irracional.

A palavra raina (seja nosso pastor) referido no versículo 2:104 implica serem liderados como ovelhas. Os muçulmanos não seguem e nem devem seguir ninguém, incluindo profetas cegamente, sem usar sua inteligência, raciocínio e sentidos. Não é de se estranhar, a obediência ao líder é limitada pela norma de maruf, aquilo que é conhecido ou conhecimento (60:12). No entanto, a Bíblia usa a analogia ovelha/pastor para descrever o relacionamento entre as pessoas e os seus líderes. "E levantarei sobre elas um só pastor, e ele as alimentará; o meu servo Davi é que as há-de alimentar; ele lhes servirá de pastor" (Ezequiel 34:23). Jesus Cristo é comparado a um bom pastor (João 10:14; Heb 13:20). Reis e líderes são também considerados como pastores (Isaías 44:28; Jeremias 6:3; 49:19). Os ministros do Evangelho são também comparados aos pastores (Isaías 56:11; Jeremias 50:6; Jeremias 23:4; Ezequiel 34:2,10). Consulte também: Zacarias 10:2; Salmos 78:52; Salmos 119:176.

Esta metáfora abusiva seria usada na sua plena capacidade por São Paulo, a figura dúbia que distorceu a mensagem monoteísta de Jesus após a sua partida. São Paulo construiu muitas histórias e práticas, incluindo a justificação dos que recebem dinheiro para a pregação. Quando os verdadeiros seguidores do Injeel, isto é, a Boa Nova, o criticaram, ele defendeu a sua "ordenha" da congregação, recorrendo a uma metáfora bíblica, e torcendo o propósito original da metáfora. Veja: 1 Coríntios 9:7. A frase bíblica, "conhecei a verdade, e a verdade vos libertará!" (3:24 João ), é uma afirmação poderosa contra a idolatria e a ignorância. No entanto, S. Paulo e seus seguidores transformaram a sabedoria pregada por Jesus em sectarismo e dogmatismo, que considerou a filosofia e os filósofos como inimigo.

Milhões de pessoas religiosas, que são capazes e seres humanos inteligentes no mundo exterior, são tão "bombardeadas" por mentiras religiosas desde a infância, que se sentem orgulhosos de serem chamados ovelhas nos seus templos! A maioria dos fiéis de religiões encaixam positivamente na representação de Voltaire do nível do seu entendimento: "As verdades da religião nunca são tão bem compreendida como por aqueles que perderam o poder de raciocínio." (Voltaire, Dicionário filosófico, 1764)

Se você realmente quiser nomear-se com sufixos como um -ista, -ata, ou -ano, então você deve chamar-te Verdadeirista, Verdadeiro ou Verdadeiriano! Ou, você pode simplesmente chamar-se, Deusdista, Deusdado, Deusiano!

Alguns versos do Alcorão revogam/invalidam outros versículos do Alcorão. Por exemplo, 2:180 e 2:219 são inválidos. Até mesmo algumas hadith revogam versículos do Alcorão. Por exemplo, um hadith acrescenta uma outra proibição a 4:24 e assim, revoga o seu pedido de enumeração exaustiva. Outro exemplo é que Maomé proibia deixar um testamento para os familiares e assim revoga a instrução de 4:23-24 ; 2:180 e 4:11-12 .

Não há revogação no Alcorão (2:85; 4:82; 15:90-92 ; 12:110-111 ; 45:6). A alegação de revogação é baseada na distorção do significado da palavra ayat, de forma singular, 2:106, e uma falta de entendimento do contexto e a ligação dos versículos uns com os outros. A idéia de revogação implica contradição e rejeição da divindade do Alcorão (4:82).

O Alcorão não é claro; ele é ambíguo.

O Alcorão é claro e fácil de entender para aqueles que reconhecem a verdade e usem a sua inteligência dada por Deus (5:15; 54:17,22,32,40; 11:1; 17:46; 18:57; 26:195).

O Alcorão não é descritivo; é geral. Por exemplo, o Alcorão não nos informa como observar as orações de sala.

O Alcorão é suficientemente pormenorizada por Deus, o sábio, e recorda-nos deste aspecto repetidamente (6:19,38,55,97,114 -116,119,126; 7:32,52,174; 9:11; 10:5,24,37; 11:1; 12:111; 13:2; 17:12; 30:28; 41:3; 41:44; 79:19). O Alcorão menciona oração em cerca de setenta versos e fornece os detalhes que Deus considerou suficientes, não os detalhes triviais exigidos pelo povo e fabricados por clérigos. Os livros de Hadith não contêm palavras melhores que o Alcorão, e eles não têm clipes de vídeo adicionais de Maomé mostrando-nos como orar. Ao contrário, contêm diversos rumores verbais cheios de contradições. Por exemplo, em função de alguns hadiths, Maomé não recita mais nada após recitar o primeiro capítulo do Alcorão, contradizendo outros relatórios. Certos hadiths relatam que Maomé fez ablução depois de tocar a mão de sua esposa, mas irá encontrar outros hadiths na próxima página negando isso. Além disso, nenhuma pessoa lucida iria aceitar todas as mentiras e ensinamentos nocivos das hadiths e sunna para o bem da oração. É melhor não observar a oração, que deve levar a boas obras, do que cometer todas as atrocidades,  ignorância e o culto do ídolo promovido pelas hadiths, sunna, e a sharia. Os seguidores de hadith e sunna, para o benefício de serem capazes de executar uma oração planejada com numerosos detalhes triviais, trocaram a mensagem do Alcorão por volumes de livros contraditórios. Não pode haver uma troca pior que esta (10:15).

O Alcorão não está completo; ele necessita de ser completado.

O Alcorão é a palavra de Deus e ela é completa (6:115; 19:64; 18:109). Fazer perguntas triviais ou irrelevantes quanto a práticas e regras exigentes e instruções cria problemas e confusão (2:67-70; 5:101).

O Alcorão sozinho não guia; ele precisa de muitos outros livros e ensinamentos.

O Alcorão é suficiente para orientar aqueles que são muito compreensíveis e inteligentes (5:48-49 ; 6:112-114 ,159; 7:3; 10:15; 17:39,45-46; 25:30; 31:6; 36:2; 39:(23,38; 35:43).

A terra está de pé sobre os chifres de um touro gigante. .

Isso talvez explique por que usar roupas coloridas vermelhas é proibida pelas hadiths e suna!



Conforme afirmamos em cima estas e muitas outras instruções religiosas contendo culto do ídolo, atitudes e práticas misóginas, superstições, e numerosas proibições que tornam a vida miserável para as pessoas religiosas, substituiram a mensagem do Alcorão. Isto foi realizado por alegarem que o Alcorão está incompleto e pouco detalhado, por distorção de vários versículos do Alcorão, tais como "obedecer a Deus e ao seu mensageiro", e, tendo os versículos e mesmo frases fora de seu contexto, como, por exemplo, "independentemente do que o mensageiro lhe dê, aceite, e tudo o que ele imponha você aceite." Para provar o seu ponto, inventaram inúmeras hadiths contendo detalhes frívolos, como, por exemplo, a forma de entrar nas casas de banho, quantas pedras usar para limpeza na casa de banho, como reter a mão ou os dedos durante as orações, quanto tempo deve deixar crescer o seu bigode e sua barba, qual a cor que não é própria de camisas, como escovar os dentes, etc. Quando as pessoas não encontram esses detalhes frívolos ou desnecessários no Alcorão, os propagandistas das religiões sunita ou xiita irão apresentá-los com hadith e a jurisprudência sectária, como explicação, complemento ou suplemento para o Alcorão. Assim, foi considerado que a palavra protegida de Deus necessitava de mentiras desprotegidas e afirmações falsas fabricadas por pessoas ignorantes. O sistema de Deus transformou-se numa religião de parceiros limitados.

Anos atrás, a Faculdade de Teologia da Universidade de Istambul realizou um painel de debates sobre a "compreensão do Islão." Os participantes eram professores proeminentes de teologia. O professor do fiqh (jurisprudência sectária) pontificou que o Alcorão não poderia ser entendido sem estudar e compreender a literatura sunita em fiqh e usul ul- fiqh (procedimento de jurisprudência). O professor de misticismo suavemente argumentou que "o Alcorão não poderia ser entendido sem estudar e praticar misticismo." De acordo com o professor de hadith, também "o Alcorão não poderia ser entendido sem estudar e compreender a hadith e seus procedimentos." Por último, de acordo com o professor de Siyar, história de Maomé e seus companheiros, "o Alcorão não poderia ser entendido sem estudar e compreender a história do tempo do profeta".

Todos os quatro participantes do painel estavam de acordo quanto insignificante era o Alcorão. Eles tinham até um consenso sobre isso. Os seus cegos seguidores deviam esquecer-se de estudar o Alcorão, mas deviam começar a escavar nas centenas de volumes de doutrinas sectárias contraditórias. Em vez de dizer às pessoas que a fim de compreender fiqh, hadith, misticismo, e a história do Islão, a fim de separar o feno dos grãos, que deviam primeiro estudar e compreender o Alcorão, eles estavam defendendo uma metodologia retrógada. Eles colocaram centenas de volumes de literatura de miscelânea contraditória entre a palavra do indivíduo e Deus. Isto levou à criação de uma disciplina diferente chamada de "a ciência de reconciliar as contradições entre os hadiths" onde defesas tolas foram desenvolvidas para promover e manter a autoridade das maquinações. Eles bem sabiam que nenhuma delas chegaria ao Alcorão, e mesmo que o fizessem, eles seriam cegos para perceber a luz do Alcorão através dos seus filtros, fumo e nevoeiro.

 

Tradução de Pedro Miguel Melo

BrainbowPress Livros iconoclasta

© 2008, 2010 Edip Yuksel


Todos os direitos reservados. Nenhuma parte deste livro pode ser utilizada, transmitida ou reproduzida de qualquer forma ou por quaisquer meios, sem a permissão por escrito do autor salvo no caso de citações breves, de comentários e artigos críticos. Permissão para pedidos ou outras informações, entre em contato com o editor ou Edip Yuksel eletronicamente no endereço: www.19.org www.yuksel.org www.islamicreform.org www.brainbowpress.com ISBN 978-0-9796715-6-2

A assustadora diferença entre o que o alcorão ensina e que os muçulmanos estão praticando