Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Apoie
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: CriptoZoologia Criptozoologia Teórica Guia de Evocação Mágica Os auxiliares à magia

Os auxiliares à magia

Pressuposto que um mago genuíno é apto a levar adiante tudo por seus próprios poderes, os quais ele ganhou como resultado de sua maturidade expiritual durante seu desenvolvimento nos caminhos da magia, recai sobre ele avaliar por sí só a Magia Cerimonial e fazer uso dela e de seus auxiliares contanto que ele assim goste.

A vantagem que a Magia Cerimonial oferece é que pelo repetido e constante uso de um mesmo instrumento resultados podem ser alcançados sem o uso da força pessoal do mago.

A Magia Cerimonial assim faz possível um trabalho mais fácil com as forças ocultas através do uso dos varios instrumentos auxiliares. Realmente todos dispositivos auxiliares, todos instrumentos mágicos, são auxílios à consciência do mago e sua memória.

Por dirigir sua atenção a certo instrumento, as faculdades e poderes simbolizados por ele são trazidos à sua consciência. Assim que o mago, durante um ato de evocação, pega em suas mãos um ou outro de seus instrumentos, ele irá ter o contato que ele deseja e os resultados que ele está almejando sem nenhum esforço especial. Se, por exemplo, ele pegar seu bastão mágico em sua mão, o qual representa sua absoluta vontade, o contato com o espírito desejado será alcançado imediatamente, devido a este bastão, por meio da vontade do mago.  O mesmo acontecerá em respeito a todos outros instrumentos mágicos auxiliares, pois eles, também, simbolizam forças espirituais, leis e qualidades.

O mago que quer fazer uso da magia cerimonial deve ser muito atencioso com seus instrumentos mágicos, pois estes devem ser tratados com um fervor  e maravilhamento quase religioso. Seu valor eleva-se com seu cuidadoso, exato e atencioso uso. Instrumentos mágicos são o mesmo que relíquias sagradas e auxiliam o mago a criar a necessária atmosfera assemelhada a de um templo requirida para a magia cerimonial. No momento de sua aplicação o mago deve estar em um estado de completo êxtase.

Se um instrumento for utilizado para qualquer outro propósito que aquele para o qual era pretendido, ele perde sua efetividade mágica e não pode mais servir ao seu propósito original.

Desde que cada instrumento mágico demanda um sentimento de respeito na consciência do mago, eles devem ser mantidos longe da vista dos que não são verdadeiramente iniciados, para evitar sua profanação. Antes do mago utilizar seu instrumento mágico ele deve, consequentemente, passar por um processo de limpeza mental por oração e meditação adequadas.

Ele não deve nunca tocar um instrumento mágico, ao menos que ele esteja na necessária tranquilidade para a cerimônia. Ele deve sempre estar ciente do fato que cada auxiliar ou instrumento mágico simboliza as leis mais divinas e consequentemente eles devem ser manuseados como relíquias. Somente nas mãos de um mago que leva em consideração isto os instrumentos irão trazer os resultados desejados.

Tomando todas as medidas recomendadas com respeito ao seu ajuste à todos instrumentos mágicos o mago irá trazer, em sí, uma extremamente forte manifestação de fé, de vontade e todas propriedades da lei, e além disto aumentar sua autoridade mágica de modo a que ele será apto a influenciar um ser ou uma força, por sua vontade, para trazer os resultados que ele espera.

Mesmo supondo que o mago não possa utilizar seus instrumentos mágicos por um longo período de tempo, eles ainda irão permanecer em contato com as faculdades que eles simbolizam. Como cada instrumento é magicamente carregado dedicado à um propósito especial, ele nunca perde seus poderes mágicos, imaginando que ele seja mantido corretamente – nem mesmo se séculos se passaram do momento de sua última aplicação.

Se a carga e consagração dos instrumentos mágicos é tal que eles só podem ser utilizados por um certo mago por quem eles foram feitos, nenhum outro mago pode fazer uso deles. Eles não teriam efetividade nem nas mãos de um mago que é totalmente iniciado na sagrada ciência da magia, ao menos que não seja carregado pelo último para seus próprios propósitos.

Nos capítulos que se seguem os mais importantes instrumentos mágicos serão descritos bem como suas funções simbólicas assim como sua aplicação prática durante as operações de magia cerimonial. Usando esta informação como um ponto de partida, cada mago estará apto a fazer outros instrumentos para servir a propósitos mágicos especiais, se necessário ou desejado. Eu devo somente esforçar-me em dar um principio guia de como o mago deve proceder.

Guia de Evocação Mágica