Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Apoie
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Psico Textos de Psicologia Bizarra Seu Cérebro é Deus Você é um Deus, Haja como tal

Você é um Deus, Haja como tal

Nosso programa Deus - Do-It-Yourself — é um passo inovativo na Auto- Determinação e na evolução da inteligência foi publicado em um paper underground em East Village em 1966, e é de considerável interesse histórico, não pelo que diz, mas pelo que não diz. Nossa teologia auto-determinista era enraizada em uma premissa: Controle seu cérebro, seja sua própria Divindade, faça seu próprio mundo. Domine as Tecnologias de Deus. Pontualmente ela não repetiu a injunção classicamente usada por profetas religiosos — me siga, entre para o meu povo. Ela não impôs nenhum dogma com exceção de um — Viva sua própria visão mais elevada.

 

LIGUE

 

O adepto psicodélico experiente pode mover a consciência de um nível a outro. Mas então a experiência tem que ser comunicada, harmonizada com o fluxo maior. A pessoa “ligada” realiza que ela não é um ego social isolado e separado, mas ao invés disso um processo de energia transiente enlaçado com a dança de energia à sua volta.

A pessoa “ligada” se dá conta de que toda a ação é reflexo de onde ele(a) está. A pessoa “ligada” entende que seu mundo é criado por sua consciência - existindo somente porque ele(a) ordenou suas câmeras sensoriais e neurais a capturar aquelas cenas próprias. Seus movimentos, formas de se vestir, quarto, casa, a vizinhança na qual ele(a) vive, são exatas réplicas externas do seu estado de consciência. Se o ambiente externo não harmonizar-se com seu estado mental, ele(a) sabe que tem que se mudar elegantemente para se sintonizar.

 

SINTONIZE

 

“Sintonize” significa dispor o seu ambiente para que ele reflita o seu estado de consciência, para atrelar a sua energia interna ao fluxo de energia em seu redor. Se você entender essa mensagem prática e libertadora, estará livre para viver uma vida de beleza.

Deixe-nos considerar uma triste iluminação. O trabalhador do centro de Manhattan se move por uma desordem de mobílias anônimas fabricadas para uma cozinha de plástico e impessoal, para um café-da-manhã, de comida- combustível anônima enlatada e empacotada; se veste nos trajes cidade-anônima, viaja por túneis escuros dos mais negros metais e concreto cinza para um quarto de metal escuro, sujo com ar poluído. Todo dia ele(a) lida com símbolos que não tem relevância alguma com suas possibilidades divinas. Essa pessoa é rodeada pelo ambiente melancólico, impessoal, amontoado, anônimo e massivo de um robô automatizado, que perfeitamente espelha sua percepção “desligada”.

Quando essa pessoa é “ligada”, ela vê o horror do que a rodeia. Se ela for “sintonizada”, ela começa a mudar seus movimentos e o que a rodeia para que eles fiquem mais harmonizados com sua beleza interna. Se todos em Manhattan estivessem para se “ligar” e “sintonizar”, a maconha seria plantada na 1a Avenida e divindades sem laços e sapatos dançariam ou andariam de patins pelas ruas sem carros. A consciência Ecológica emergiria em 25 anos. Os peixes nadariam no Hudson limpo e azul.

Toda ação de um ser humano reflete seu estado de consciência. Por conta disso, toda pessoa é uma artista que comunica sua experiência. A maioria das pessoas nao são “sintonizadas” conscientemente. Eles vivenciam isso apenas em termos de símbolos cansados e estáticos. Sendo assim, suas ações e imediações são arte robotizada e morta.

 

CAIA FORA

 

Depois de você se “ligar”, você deve se “sintonizar” — começar a mudar sua forma de se vestir, sua casa, para refletir a grandiosa glória de sua visão. Mas esse processo deve ser graciosamente harmonioso. Sem ações abruptas, destrutivas e rebeldes. Por favor, comece a se sintonizar pelos movimentos do seu corpo. Ande, fale, coma e beba como um alegre deus-da-floresta.

Então mude o lugar que você mora. Se você tem que morar na cidade por toda vida, arrume seu apartamento para que ele se torne um templo. O seu quarto deve refletir uma beleza eterna. Cada objeto deve fazer imediato sentido aos órgãos sensoriais de um visitante do 6o século A.C ao 21o D.C.

Quando você fez do seu corpo um templo sagrado e do seu apartamento uma cabine sedutora navegacional em uma embarcação do século XXI, você está pronto para mudar os largos compromissos sociais. Não “caia fora” até você ter se “sintonizado”. Não se “ligue” a não ser que você saiba como se “sintonizar”, ou você vai ser “pego”. Toda “bad-trip” é causada pela falha em se “sintonizar”. Aqui está o por que...

 

O QUE ACONTECE

 

Quando você se “sintoniza”, você abre os seus receptores neurais. A Cannabis anima os receptores sensoriais, o haxixe os receptores somáticos, o LSD os receptores celulares e moleculares. Essas energias cheias de força não podem ser atreladas à mesa de jogo-de-ego da colméia. Você não pode atrelar 100 milhões de anos de uma revelação sensorial-somática ao seu jogo de xadrez de personalidade punitivo e trivial. Você não pode ter à disposição 2 bilhões de revelações evolucionárias para o seu programa-animal-social. Por isso que a maconha e o LSD, se usados em um sistema fechado, vão, cedo ou tarde, te enlouquecer.

Das mais de 5 mil pessoas que começaram a yoga do LSD comigo, a grande maioria não pôde atrelar suas energias ativadas a um jogo mais harmonioso. Você não pode tomar LSD uma vez por semana e permanecer rigidamente enraizado em um jogo de ego de nível baixo. Você tem que crescer com o fluxo, ou você vai parar de tomar LSD. Para continuar a tomar LSD, você deve gerar em sua volta um anel sempre-aberto de ações “sintonizadas”. Você deve unir seu poder interno a uma vida de inteligência em expansão.

 

COMO SE SINTONIZAR E CAIR FORA

 

1. Vá pra casa e se olhe no espelho. Comece a mudar suas roupas, seu comportamento, para que você flutue como um deus, não se misturar como um robô.

2. Olhe em volta de sua casa. Que tipos de robôs mortos moram ali? Comece a jogar fora tudo que não é “sintonizado” à sua visão mais elevada.

3. Faça do seu próprio corpo um templo, assim como sua casa.

4. Você é um Deus, viva como tal! 

Timothy Leary

Conteúdo relacionado