Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Apoie
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Satanismo Livros Satânicos A História do Satanismo A Corrente 218

A Corrente 218

Corrente 218

Em um dos primeiros capítulos deste livro, afirmei que LaVey não se encontrava apenas no lugar certo, na hora certa, quando abriu os portões para que a chama infernal purgasse a hipocrisia da Terra. Ele também era a pessoa certa.

Acredito não exagerar quando afirmo que LaVey não apenas aproveitou uma onda, mas soube surfar nela. Cada passo que dava lhe mostrava adiante novos passos que podia dar, em relação ao Satanismo. Com o tempo sua criatividade parece ter se acalmado e hoje não é exagero afirmar que a Church of Satan se tornou uma organização pública de eventos satânicos. Seus novos membros criaram novos materiais, notáveis, mas de maneira mais reclusa. Se antes era obrigatório se ter uma versão, nem que fosse marginal, da Bíblia de LaVey, hoje poucos sabem quem são os líderes da Igreja de Satã, ou qual material ela anda publicando.

Mas isto não é dizer que a Church se desviou de seu caminho ou que perdeu a força. LaVey sempre deixou claro que sua visão de Satanismo era uma visão materialista, terrena e hedonista. Não é de se admirar que muitos Satanistas mais espiritualizados acabassem buscando, então, novas fontes de conhecimento. O Templo de Set foi uma delas, mas nem de longe a última ou a mais extrema.

A chamada corrente 218 ou corrente anticósmica é uma das mais recentes expressões do Satanismo contemporâneo. Não sabemos ainda qual será seu impacto no futuro mas achei por bem registrar este novo impulso no final do livro. Parte de sua ascensão se deu graças a banda Dissection de quem falaremos em seguida. É verdade que a relação do Satanismo com o metal não é algo recente. Desde os anos 60 esta temática é usada, mas diga-se de passagem nunca foi realmente abraçada pela Church of Satan - dado que LaVey era mais adepto do jazz e Peter Gilmore sempre tendeu para a música clássica. Hoje contudo parece que o Black Metal finalmente encontrou sua própria filosofia e foi muito além da estética.

Apesar de falar de deuses antiquíssimos e realidades ancestrais - talvez heranças diretas da ancestralidade clamada por ordens como a ONA ou o Temple of the Vampire - as primeiras menções da corrente 218 são bem recentes e ocorrem pouco antes da virada do último milênio. Ela provavelmente foi fruto da era da internet, pois é formada pelo conhecimento e influencia de várias escolas sobre o Satanismo, sendo um verdadeiro sincretismo do caminho da mão esquerda. Meu irmão em Satã, Pharzhup resumiu muito bem este ponto em um artigo dedicado ao assunto em seu zine Lucifer Luciferax:

"A fundamentação da corrente se dá a partir de um vasto sincretismo de ramos e vertentes do Caminho da Mão Esquerda. Tal sincretismo busca sintetizar a essência de cada aspecto que compõe a heterogeneidade e aplicá-la na consecução das proposições fundamentais. Dentre as diversas tradições que coadunam forças que se combinam na Corrente 218 citamos: a magia do Caos, o Satanismo (Tradicional e Moderno), o Luciferianismo (Tradicional e Moderno), a tradição Draconiana, a tradição Tifoniana, a Bruxaria Sabática, a Qabalah Qliphótica, Thelema, o Tantra, a Quimbanda, o Vodu e cultos ligados à Morte."

Embora essa definição seja minunciosa não será difícil encontrar quem discorde dela, especialmente quanto à influência da Thelema e do Satanismo Moderno. Creio que esta influência seja apenas histórica, para não dizer meramente cronológica. Quanto à Thelema, é bem clara a influência de Kenneth Grant mas não do que veio antes dele. Quanto ao Satanismo Moderno, a maioria dos adeptos afirmará claramente um completo repúdio à Church of Satan. A razão é simples; o Satanismo do LaVey envolve uma exaltação dos prazeres da carne enquanto que a Corrente 218 advoga sua aniquilação em prol de realidades superiores. Para os satanistas anti-cósmicos o mundo não é uma festa mas uma prisão; e eles estão em rebelião.

A origem deste tipo de Satanismo pode ser traçada a partir da criação, na Suécia, da Ordem Misantrópica Luciferiana (MLO) em 1995. A base dos ensinamentos da MLO é a Caosofia, a crença de que o Caos é uma realidade pan-dimensional, com uma quantidade infinita de realidades em contraposição ao Cosmos, que tem apenas uma realidade, três dimensões espaciais e um tempo linear. É entendimento do grupo que o verdadeiro Satanismo não pode pertencer à sociedade moderna, que tem como base modelos únicos e fixos do que é ou não real. Podemos dizer que a MLO trouxe uma espécie de cabala satânica. Essa idéia não é nova e já tinha sido levantada pelo pessoal do Templo de Set, mas não com a mesma profundidade.

Contudo foi apenas em 2002 que foi publicado o Liber Azerate, contendo as bases destes ensinamentos. Escrito por Frater Nemidial, o grande objetivo do sistema proposto neste livro, e nas obras que o seguiram, é a liberação da 'Chama Negra' através da transcendência das limitações do espaço e tempo que formam o Cosmos. Dai o nome anti-cósmico. Esta Chama Negra é o "Eu Superior", que vai muito além do ego vulgar do Satanismo primevo.

O processo de transcedência anti-cósmica passa pelo despertar, fortalecimento e ascensão da Chama Negra, ou Dragão Negro, como as vezes é chamado, que jaz dormente nas almas dos fortes. Essa ascensão por sua vez só pode ser alcançada por meio da obtenção da sabedoria tal como retratada pela tocha de Lúcifer, o fogo de Prometeus, o presente de Samyaza, o Chama Negra de Ahriman, no Veneno de Taninsam, no Fogo sem fumaça de Tifon, etc.. Todos estes deuses anti-cósmicos são reconhecidos como aspectos de uma realidade muito mais profunda. Azerate é, por fim o nome oculto dos 11 deuses anti-cósmicos citados neste livro (Moloch, Beelzebuth, Lucifuge Rofocale, Astaroth, Asmodeus, Belfegor, Baal, Adramelech, Lilith, Naamah and Satan.) O valor numérico de Azerate" (Azrat) é 218 que dá título a corrente. 2+1+8=11, deve-se dizer representa todos os poderes anti-cósmicos presentes em todas as culturas antigas que combatem a tirania da ordem cósmica representada pelo número 10

E aqui apresenta-se, então, um ponto interessante. Obviamente desde que se criou a idéia de um "deus" das trevas - seja lá qual o nome que lhe deram - ele angariou seus seguidores. Agora a realidade de tal criatura, como a de qualquer outro Deus, só pode ser comprovada por seus seguidores. LaVey, na década de 1960, criou uma religião satânica associando Satã à mente e à natureza  humana. A primeira religião satânica afirmava que Satã era um reflexo de nosso sistema nervoso, que se não fosse aceito nos destruiria. Um dos cuidados de LaVey foi o de sempre deixar a metafísica de fora de suas crenças públicas - há os que afirmam que apesar de não crer na existência objetiva de uma entidade Satã, LaVey mantinha em uma caixa forte, dentro da Black House, um contrato firmado onde oferecia a alma a Satã. Foi uma religião cética, materialista e cínicia.

Agora suponha que Satã realmente exista. Qual seria a maneira que ele escolheria para criar um culto em sua própria homenagem, caso nos deixemos levar pelo pressuposto de que ele era, e é, uma das criaturas mais astutas da criação? A religião de LaVey abriu a porta para a criação de vertentes do Satanismo jamais imaginadas antes, nem mesmo pelos histéricos cristãos medievais. O esoterismo satânico que se desenvolveu daquele primeiro Satanismo californiano, se tornou uma das correntes mais brutais, místicas e extremas - como o próprio Satã.

O quão diferente esse caminho é do Satanismo de LaVey. Ambos reconhecem que o mundo material possui delícias e tragédias mas para a Church Of Satan o mundo é algo a ser gerenciado enquanto que para a corrente anti-cósmica o mundo é uma espécie de prisão da qual apenas os mais fortes conseguem se libertar. A corrente entretanto permaneceu em uma gestação sinistra, restrita ao MLO até meados de 2006, quando finalmente veio a público. O Dissection lançou o album Reinkaos, com letras de co-autoria do próprio Frater Nemidial. Este álbum tinha, de fato, o objetivo de trazer os ensinamentos da MLO para quem quisesse ter acesso a eles, e foi justamente o que aconteceu.

O álbum fala da sabedoria que não é meramente um conhecimento intelectual, mas fruto da experiência e do contato direto com os poderes obscuros. A Corrente 218 entende que para abrir os olhos do Dragão Cego, deve aniquilar a prisão ilusória que impede a ilimitada e eterna expressão de si mesmo. A meta dos seus adeptos é portanto fazer contato com estes poderes representados pelo Deuses Obscuros por meio de um ardoroso trabalho. 

De fato não há nada de inédito nisto. Esta crença e esses métodos são bem próximos dos propostos pela Order of Nine Angles. Estes trabalho de superação cósmica podem envolver graves riscos físicos e mentais e colocar a própria vida em perigo, mas servem para fortalecer o satanista e tornar sua própria Chama Negra mais forte e acelerar a sua evolução anti-cósmica na conquista da gnosis negra. 

Ai a filosofia anti-cósmica chega em uma aparente contradição. Como podemos nos libertar de uma prisão se nós somos parte dela? Se esta realidade, esta vida é uma ilusão, como podemos abrir os olhos?

O quão extremo esta resposta pode ser ficou claro quando, no mesmo ano do lançamento de Reinkaos, o vocalista e fundador do Dissection, Jon Nödtveidt, mostrou a porta de saída da prisão, se suicidando dentro de um círculo de velas com uma arma na mão e o Liber Azerate na outra.

Abaixo, a nota oficial divulgada pelos outros membros da banda:

"Jon Nödtveidt era um homem que vivia sua vida de acordo com suas convicções e vontade verdadeira. Poucos dias atrás, ele decidiu terminar com a sua vida por suas próprias mãos. Como um verdadeiro Satanista ele conduziu a sua vida de sua própria maneira e terminou quando sentiu que tinha cumprido o seu próprio destino. Nem todos terão a compreensão ou aceitação do seu trajeto pessoal nesta vida e além, mas todos devem respeitar a sua escolha. 

“Todos nós, que se encontraram com ele nos últimos dias, podem assegurar que ele estava mais focado, mais feliz e mais forte do que nunca. É de nossa convicção, que ele deixou este mundo de mentiras com um risada de desprezo, sabendo que tinha cumprido tudo que se tinha proposto para que ele mesmo realizasse. O espaço vazio que deixa para atrás será preenchido com a essência obscura que manifestou através da sua vida e o trabalho com magia negra. Seu legado e o Fogo Luciferiano vão permanecer vivos através daqueles poucos que o conheceram de verdade e apreciaram seu trabalho pelo que realmente foi e ainda é. Como o objetivo de nosso irmão na vida e morte nunca foi o de "Descansar em Paz", desejamos a ele, em vez disso, vitórias em todas as batalhas que virão, até que o Destino Acósmico esteja completo.

" Pela glória dos Deuses Obscuros e o Caos Furioso!”
"218"


Se ele está no Inferno, como acreditam os cristãos, se apenas virou pó como acreditam os layeanos, ou se está livre para viver sem as amarras deste mundo como acreditam os anti-cósmicos é, de fato, uma questão de crença que não pode ser respondida. Mas independente de qualquer coisa isso levanta a questão: Até onde você quer chegar com o Satanismo? Até onde está dispostos a ir para atingir o ápice da sua evolução física, mental e espiritual? Até onde sabemos para onde estamos indo? Que preço estamos dispostos a pagar pela vida ou pela ilusão, como os anti cósmicos colocam, que levamos? Estas são algumas questões desafiadoras feitas pela corrente 218, e eles oferecem a versão deles de respostas para elas.

Crenças à parte, é inegável que se este foi um sacrifício, ele teve resultados. Com o lançamento do Reinkaose e o suicídio ritual do líder da banda, a Corrente 218 explodiu como contra-cultura e desde então podemos falar realmente sobre a existência de uma corrente cao-gnostica-satânica.

Conforme a filosofia e prática evoluiu (novamente temos aqui o Satanismo como algo eternamente em construção, um organismo que está se desenvolvendo e crescendo) a Ordem Misantrópica Luciferiana passou a se chamar Temple of the Black Light e de certa forma abriu a corrente 218 para o resto do mundo. 

Com a mudança de nome o grupo deixou de ser tão fechado e, embora ainda bastante seletivo na entrada de membros, passou a abrir suas práticas e  encorajar as pessoas e outros grupos a conhecerem a praticarem seu sistema. Graças a esta abertura, a corrente 218 tornou-se, de certa forma, maior que o próprio grupo e ainda mais mutante e difícil de ser definida. Recentemente observa-se uma tendência a abraçar influências latino-americanas como a Quimbanda e o culto de San La Muerte.

Na declaração da ordem, podiamos ler que as principais influências da OML eram o Setianismo Draconiano, O Caos-Gnosticismo Sumeriano e a (Anti) Kabbala Kliffotica. Em termos práticos percebe-se que as influências mais fortes nesta corrente são as de Kenneth Grant e Andrew Chumbley e entre os adeptos nota-se até mesmo uma rejeição ao Satanismo LaVeyano tido como superficial. A Corrente Anti-Cósmica entende que o Satanismo ateísta, que defende apenas uma inofensiva adoração do ego, é algo que deve ser superado por ser fraco, pacifista e acomodado demais. Sinceramente creio que LaVey, se vivo, certamente também teria suas críticas contra eles, em especial pelo excesso de mistificações e pelo desprezo aos confortos e prazeres do mundo material. Seja como for é muito bom para o movimento que sua própria base seja alvo de críticas, pois isso o refinará ainda mais.

Freud já ensinava que "matar os pais" é algo próprio, se não necessário, do amadurecimento. Isso não quer dizer que você deve metralhar sua mãe ou esfaquear seu pai mas sim que deve tornar-se independente, deve aprender a se virar sozinho, pensar por si próprio e tomar responsabilidade por seus próprios atos. Assim é saudável ir intelectualmente além de LaVey e todo bom satanista faz isso. Mas com isso voltamos a velha questão da "Negligência dos ortodoxos passados." presente nos Nove Pecados Satânicos:

"Esteja alerta que esta é uma das chaves de lavagem cerebral,  aceitar algo como "novo" e "diferente" quando, na realidade, é algo que era outrora amplamente aceito mas agora é apresentado numa nova roupagem. Esperamos delirar com a genialidade do "criador" e nos esquecemos do original. Isto é feito para uma sociedade alienada."

Por um lado isso nos lembra que a própria filosofia da Church of Satan tinha bases muito mais antigas e profundas do que se imagina num primeiro momento, como aquelas citadas no prólogo, e que o Satanismo não surgiu do nada de uma hora para outra. Como mencionei no início deste livro ele evoluiu. Mas uma outra leitura poderia ser feita hoje sobre esse pecado satânico pois dificilmente existiria uma Corrente 218 atualmente se Anton LaVey não tivesse raspado a careca e aberto o caminho algumas décadas atrás. Ou talvez se existisse fossem muito diferente, e acredito, bem menos satânica.

Morbitvs Vividvs

Conteúdo relacionado