Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Apoie
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Satanismo Livros Satânicos A História do Satanismo ADLUAS

ADLUAS

adluasCom o fim oficial da Igreja de Lúcifer em 2000 o que aconteceu foi que todos os grottos espalhados pelo Brasil estavam por conta própria, ou seja completamente independentes. Alguns simplesmente não estavam prontos para seguirem sozinhos, estes definharam e desapareceram. Outros ansiavam por essa liberdade para crescerem da sua própria maneira. Soube de muitas histórias mas não tive a oportunidade de comprová-las para que possam ser incluídas neste livro. Exceção feita ao grupo que nasceu em Minas Gerais, que por participar conheci de perto sua gênese e evolução. Posso dizer ainda que sua história é bem parecida com a de muitos outros grupos satânicos que existiram na época.

A verdade é que pouco antes do final da Igreja de Lúcifer o grotto de Belo Horizonte já havia declarado sua própria independência. Em 21 de Janeiro de 1999 nasceu assim um grupo conhecido como ADLUAS,  nome este que é uma abreviação de "Aldi Donasdogamatastos Lape Ugegi Angelard a Saitan" que por sua vez é uma frase em enoquiano para  "Grupo do Fogo Infernal para o Crescimento Forte do Pensamento de Satan".

A autonomia intelectual de seus membros com os quais mantive contato nos primeiros anos do segundo milênio ia muito além de apenas ser independentes do que estava acontecendo no Rio de Janeiro. Eles eram na sua própria medida também independentes do próprio satanismo tal como existia na época. Esse processo já começou com a Igreja de Lúcifer, mas foi em Belo Horizonte que amadureceu. A contribuição mais interessante do grupo na minha opinião é a mescla proposta de filosofia Satânica com práticas da Magia Do Caos, na época uma grande novidade entre os ocultistas nacionais, tudo isso sustentado por uma cosmovisão declaradamente Thelemita. 

A defesa desta mistura era direta: LaVey ensinou uma filosofia de vida materialista e hedônica voltada ao engrandecimento do Eu e que as crenças em rituais e em magia só fazem sentido quando se esta praticando eles, e que são em si é operações de auto-ilusão dirigida para fins práticos. Por sua vez a magia do caos ensina que quando não estamos praticando magia devemos suspender nossas crenças. O que ADLUAS propunha é portanto algo semelhante ao que os membros da Temple of the Vampire chamam de "Lado Diurno" e "Lado Noturno". Ou seja, em termos de prática magica eles aderem ao caoismo (ou a qualquer coisa que queiram) mas em termos de dia a dia são indivíduos estrategistas  e materialistas, ou seja, satânicos. 

Este ambiente permitia no mesmo grupo a existência de indivíduos com visões de mundo muito diferentes, seja políticas, econômicas e até meta-físicas e criou novamente o ambiente criativo onde muitas ideias interessantes surgiram, tanto nos aspectos práticos de magia e vida pessoal como em termos de criações artísticas. De fato disto veio o surgimento da banda Rex Infernus que tornou-se uma espécie de arauto da cosmovisão fractal do grupo.

Em termos de organização o grupo foi também um ótimo exemplo de como quase todos os grupos satânicos funcionavam nessa época, e como muitos continuam funcionando ainda hoje. Ou seja, um grupo inerentemente elitista sem qualquer interesse em angariar novos membros. Um grupo fechado e pequeno exatamente como foi a Igreja de Lúcifer nos seus primeiros anos. O processo de entrada no grupo não era fácil, e era propositalmente difícil. Não bastava o indivíduo conhecer e praticar o satanismo ele precisava ter alguma coisa a acrescentar para ser aceito.

O critério mínimo de entrada era que a pessoa tivesse o domínio sobre sua própria vida. Ela deveria provar que sabe usar conscientemente os 8 circuitos de consciência (Modelados por Timoth Leary) ou ter atingido no mínimo o penúltimo nível em  algumas das ordens iniciáticas tradicionais ou ainda ter atingido o nível de Vampiro Adepto ou Vampiro Mago da Temple of the Vampire. Na prática essa era uma forma de afastar fracassados.

O final do grupo ADLUAS não poderia ser outro. Sendo tão elitista e fechado aconteceu que seus próprios membros foram se destacando em seus empreendimentos e campos de atuação, indo para países diferentes ou para outras regiões do pais para tocar seus próprios empreendimentos e ao se afastarem o grupo se desvaneceu, embora nunca tenha tido um fim oficial. 

Essa história é exemplar se repetiu em vários outros estados do pais e ainda hoje se repete. Este é o ciclo de vida de dezenas de capelas e grupos satânicps que pude acompanhar de perto ou de longe. Estes são para mim o exemplo perfeito das 'Zonas Autônomas Temporárias' das quais Hakim Bey falava e do 'Total Environment' que LaVey defendia. Criptosociedades satânica que cujo objetivo é melhorar a vida de seus poucos membros e que quando eles melhoram de vida se desfazem por terem cumprido seu propósito.

Morbitvs Vividvs

Conteúdo relacionado