Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Apoie
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Satanismo Livros Satânicos A História do Satanismo Lord Ahriman

Lord Ahriman

MaravilhosaO ano de 1997 foi um marco para o Satanismo com a morte de Anton LaVey, mas foi igualmente um marco para o Satanismo Brasileiro, quiçá latino-americano, porque foi o ano em que um homem conhecido como Paulo Machado iniciou seu trabalho de trazer para nosso país a filosofia de vida desenvolvida por LaVey e outros nas décadas anteriores. Morria um mito no Norte, nascia um mito no Sul.

Paulo teve seu primeiro contato com o Satanismo alguns anos antes com as noticias relativas à Church of Satan em meados dos anos 60 e 70. Sempre atraído por tópicos sombrios buscou informações sobre este grupo tão diferente de todas as formas que podia, sem muito sucesso até que em 1993 encomendou uma cópia importada da Satanic Bible por meio de um amigo. Como muitos outros brasileiros depois, identificou-se imediatamente com a proposta de vida contida no livro e entusiasmado com estas idéias tentou entrar em contato com a Church of Satan por carta.

A resposta que obteve foi um balde de água fria. Já naquela época a Igreja de Satã na Califórnia estava vendendo filiações e, o que é pior comercializando postos hierarquicamente elevados dentro da Igreja. Desde aqueles tempos é cobrada uma taxa única de entrada de aproximadamente 100 dólares, mas mesmo uma taxa única parecia a Paulo uma contradição para quem condenava a venda de lugares no céu e uma hipocrisia para quem acusava os pastores e os padres de serem mercantilistas.

Pagar para entrar numa igreja que lhe ensina que você não deve nada a ninguém.... O que poderia ser mas contraditório? Talvez matar em nome de um deus de amor. Recusando-se a aceitar uma taxa para participar de um grupo satânico começou uma busca pessoal por alternativas, até que em 1996 descobriu a existência da “The Church of Lucifer”, uma dissidência da Church of Satan encabeçada pelo Reverendo Frederick Nagash que entre outras particularidades condenava qualquer cobrança dos afiliados.

Comunicando-se somente por correspondências e e-mails Paulo Machado se destacou por sua eloqüência, mesmo sendo estrangeiro e em abril de 1997 fundou no Rio de Janeiro o “quartel-general” brasileiro conhecido como The Church of Lucifer Brazilian Headquarters (COLBH) passando também a adotar o título de Deacon Paulo. Neste momento ele já contava com a companhia de uns poucos companheiros atraídos por seu entusiasmo e idéias, foi nessa época e em sua companhia que adotei o motto de Morbitvs Vividvs. Como eu ainda era de menor de idade, tive que mentir a data de nascimento para ser aceito pelo grupo, mentira da qual até hoje não me arrependo.

A verdade é que este primeiro levante satânico era mais um pequeno grupo de amigos estranhos do que uma organização propriamente dita como as capelas satânicas que surgiriam depois. Mesmo assim deu-se então o inicio de uma fase de produção intelectual bastante intensa, embora com poucos participantes. Deacon Paulo escreveu alguns primeiros modestos ensaios como “Senhor Noel”, “O Vaso Cheio”, “Um Outro Animal” e alguns poemas satânicos em português e inglês como “O Ponto” e “The Dark Element”. Esta coleção de textos é guardada até hoje pelos seus diletos e registram os primeiros escritos genuinamente satânicos feitos em nosso país.

De suas mãos veio além disso a primeira tradução da Bíblia Satânica, foi também parte desta onda de entusiasmo que motivava aquele primeiro grupo. Tratava-se de uma tradução bastante livre e despreocupada porque a ideia original era distribuir o livro somente para os membros do grupo, mas com o fim do mesmo o arquivo acabou vazando para a Internet sendo distribuído por uma infinidade de páginas.

No início de 1998, a Church of Lucifer passou por uma reformulação interna, que entre outras coisas buscou dar ao grupo uma antes inexistente ancestralidade. Quando isso aconteceu Rev. Nagash cortou todos os contatos com os quartéis-generais espalhados pelo mundo, sem dar qualquer explicação aos seus diáconos. Mas era tarde demais para quem pensava que este poderia ser o fim do satanismo nacional. O grupo brasileiro já havia crescido em número e em maturidade e o fato do cordão umbilical ser cortado só lhe fez bem, pois lhe deu independência para crescer suas raízes de modo independente. A Church of Lucifer Brazilian Headquarters passou a adotar o nome “Igreja de Lúcifer”, pois assim já era conhecida entre os seus e Deacon Paulo adotou o moto de Lord Ahriman. 

Com a mudança o grupo cresceu e ganhou um novo fôlego e contava com aproximadamente 50 membros nacionais e internacionais. Uma nova leva criativa levou o grupo e Lord Ahriman a escrever seus textos clássico hoje tidos como essenciais para a compreensão da forma como o satanismo se desenvolveu por aqui. Em especial os textos de Lord Ahriman deram um salto de qualidade que até hoje permanece inexplicado. Os ensaios “Caixa de Pandora: emoções negativas”. “Egolatria; A Síndrome da Peneira Furada“ e “O Manto de Carne” foram escritos neste momento e refletiam o desenvolvimento da filosofia deste satanismo eclético que vivemos hoje. Foi motivado por estes textos que na época também comecei a escrever, são daqui os meus primeiros artigos: “Os Dez Mandamentos Satânicos”, “O Fraco Arrependido” e “Eu não respeito” que mais tarde entrariam no Lex Satanicus.

Foi em 98 também que o grupo passou a adotar a organização de grottos nacionais em Porto Alegre, Salvador, São Paulo, Minas Gerais com o grotto central sendo o do Rio de Janeiro. Além de grupos de estudos e práticas regionais a Igreja de Lúcifer se mobilizava de temos em tempos para encontros nacionais, muito embora dificilmente todos os membros aparecessem. Nestes encontros Lord Ahriman falava sobre Satanismo, ocultismo e filosofia, e eram executados rituais em grupos com os participantes dispostos a tal. 

Devido ao crescimento desproporcional do grupo, o fortalecimento dos grottos regionais e problemas pessoais entre alguns membros em 2000 a Igreja de Lúcifer dissolveu-se oficialmente. Contudo o Satanismo não enfraqueceu nem um pouco com esse evento já que Lord manteve contato com os antigos membros que lhes eram mais próximos e os grupos de outros estados evoluíam segundo seus próprios caminhos.

Foi a partir daqui que ele se dedicou a escrever seu livro “O Satanomicon” a partir do material acumulado no grupo e desenvolvido posteriormente em diversas conversas com seus irmãos em Satã. O tomo é um documento de aproximadamente 100 páginas tratando de Satanismo, Vampirismo, Thelema, Demonologia Moderna, Filosofia e Ocultismo no qual o autor conclui sua obra de introduzir o pensamento satânico nacional, que honra sua herança LaVeyana, mas é em muitos pontos até mesmo superior a esta. O Livro em si foi entregue de presente para alguns amigos e publicado para o grande público alguns anos depois.

Posteriormente ele lançou ainda outros livros contendo seus ensaios e idéias sobre o Eu e o Mundo, sempre, (mesmo quando tentou evitar) de uma forma satanicamente inspirada. Alguns destes livros foram publicados mas muitos ainda permanecem como material seleto passado de mão em mão, entre eles temos os 'Ensaios do Maleficience', 'Introdução a Magia Satânica' e "O Poder do Eu" o  "Manual do Cafajeste" e o controverso 'O Livro de Satan'

Lord Ahriman foi uma peça chave para formação do Satanismo no Brasil e depois da Igreja de Lúcifer ainda contribui com a fundação de outros grupos de Satanismo, mas nenhum deles tem uma importância histórica tão grande quanto a Igreja de Lúcifer. Seu maior legado contudo não foi a formação deste ou daquele grupo. Sua maior obra não foi tão pouco qualquer um de seus brilhantes textos, mas foi sim ele mesmo e seu exemplo pessoal. Uma lição a ser aprendida por todos os satanistas do Brasil e do mundo.

Morbitvs Vividvs

Conteúdo relacionado