Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Apoie
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Satanismo Livros Satânicos O Livro Negro do Satanismo Livro dos Cânticos

Livro dos Cânticos

Hino a Satã
 
Satã, desperta e chama
Humanos mais e mais,
Tua vingança clama
Por servos mais leais,
Que levem tua fama
Por todos os mortais,
Ao mundo que se inflama
Ao grito dos chacais...
 
Permite que a desgraça,
Que só te dá prazer,
Na terra caia e faça
Todo homem bom morrer;
Que do cristão a raça
Não mais venha a nascer:
Fomenta-lhe a trapaça
Fazendo a fé perder...
 
Trazes uma paz mortiça,
No coração cristão
Aumenta mais cobiça
E o torne num dragão...
À grei cristã submissa
Provoca-lhe à cisão,
Negando-se ir à missa
E esquecendo a oração...
 
Este meu canto escuta,
Ó meu Senhor das Trevas:
Começa a tua luta
Contra os tais filhos de Eva...
Dá-lhes mais fé corrupta,
A maldição primeva,
Uma razão poluta
Que só à desgraça leva!...
 

• • •


Salmo a Satã
 
Satã, me guarda pelo teu poder,
Deste modo, valido com cuidado,
As  hostes de Jesus hei de vencer
Para mais aumentar o teu reinado.
 
Trazes no mundo mais pesar e dor:
Cada cristão se afunde em seu pecado,
Que o torne mais perverso e malfeitor,
Que se afaste do Cristo perdurado...
 
É preciso, para a tua vitória,
Que o filho de Deus seja rejeitado
E domine no mundo a tua escória
E o valor cristão seja eliminado...
 
És do deus Supremo Rei Primaz,
Desce à terra e conserva-te ao meu lado
E fundarei um reino a Satanás,
sem Deus, sem crença e sem amor frustado.
 
Trazes a desgraça no mundo iludido,
Pela religião prejudicado,
Que prega a fé num Cristo fementido,
Que prediz remissão ao desgraçado.
 
Maldito seja o Deus mentiroso
Que promete salvar o injustiçado
Se aceitar um judeu abominoso,
O funesto Jesus crucificado.
 
É preciso acabar com a Trindade,
Destruir a fé e todo o Apostolado!...
É preciso elevar nossa maldade
E conquistar o mundo e nosso fado...
 
Combatamos o Filho de Maria
E o Espírito de Deus tão execrado!...
Acabemos com essa idolatria
E adoremos Satã, o Mestre amado!...
 

• • •


Pentacróstico
 
Sempre solícito e adorável
Amplidão de carinho e altor;
Ternura e afago incomparável
Atestam teu grande valor
Na tua graça fascinável.
 
Senhor do mundo e da matéria,
Atende o cântico de amor:
Todo o mal e toda a miséria
Afasta de nós, por favor,
No clarão da luz actinéria.
 
Somos fiéis adoradores!
Agora somos teus escravos,
Também teus simples servidores...
Ainda que pobres ignavos,
Não temos mais outros senhores!...
 
Sofram feroz perseguição
Aqueles que querem honrar
Trindade, Cristo e Salvação!...
Ao rito maldito do altar
Nunca ofereças teu perdão!...
 
Sopra a aflição na humanidade,
Atiça o mal, loucura e guerra,
Trazes o rancor, a enfermidade,
Afasta a fé de toda a Terra,
Nega-lhe o bem, dá-lhe a maldade!...
 

• • •


Invocação

 
Vem, ó Todo Poderoso,
Adorável Corruptor!
Belial, ó Caprichoso,
Trazes agora o teu terror!
Ante o altar da virulência
Nos prostramos com fervor;
Abençoa esta assistência,
Ó Sublime Sedutor!
 
Vem, contempla a grei fiel,
Ó Senhor da Maldição!
Erga o nosso bom Lusbel
A bandeira do Dragão!
Vem, Senhor da Enfermidade,
Espalhar tua aflição!
Senhor da Calamidades,
Trazes a tua danação!
 
Vem e desce neste altar
Erigido em teu louvor!
Consagrar este lugar,
Vem, Satã, ó Perversor!
Esclarece nossas mentes
Concedendo mais furor!
E sejamos todos crentes
Sob a bênção do Senhor!
 

• • •


Cântico
 
De Lúcifer eu vislumbrei
As prédicas do vero amor,
Que aponta a sua grande lei,
Que salva qualquer pecador!
 
Não tenho mais pecado algum,
Por ter-me entregue a Satanás...
Castigos, não tenho nenhum
E vivo agora em boa paz...
 
Desgraça alguma deste mundo
Não me fere, não me desvia...
Promessas de Jesus imundo
Lancei-as longe sem porfia...
 
Almejo a pureza do Inferno,
Não quero aceitar mais Jesus:
Desejo o poder sempiterno
Que sempre me traz maior luz!
 
Cantaremos o resplandecer
Do Inferno e das Almas malditas,
Que agora vão prevalecer
As suas tardias vinditas!
 
Cantaremos a grande vitória
Do Báratro, o deus poderoso!...
Satã, supremo deus da glória,
Satã, o deus libidinoso!...
 

• • •


Campeões

 
Nós somos os campeões,
Combatemos com fervor,
Esmaguemos com tacões
Todo o nosso opositor!...
 
Combatemos o inimigo
Nesta luta por Satã!...
Não fugimos do perigo
Elevando a fé pagã!...
 
Aos combatentes vencidos
Não concedamos perdão!...
Só livramos convertidos
Que veneram o Dragão!...
 
Nós somos os campeões,
Soldados do Rei do Mal!...
Não tenhamos compaixões
Dos que negam Belial!...
 
Nós somos os campeões,
Com Satã por general:
Vençamos os intrujões
Nesta batalha final!...
 

• • •


A Bandeira
 
Levantai a bandeira da dor!
Alvorai o pendão da desgraça,
Pois Satã desde mundo é o Senhor,
A inspirar toda vida devassa!
Potestades nefastas das noites!
Infamantes espectros danados,
Merecemos os vossos açoites
A excitar todos atos malvados!
 
(coro)
levantai, levantai a bandeira!
Alvorai, alvorai o pendão
Que será para nós a maneira
De louvarmos a atroz perdição!
 
Levantai a bandeira da dor!
Alvorai o pendão da desgraça,
Pois Satã deste mundo é o Senhor
A inspirar toda vida devassa!
Potestades nefastas das noites!
Infamantes espectros danados,
Merecemos os vossos açoites
A excitar todos atos malvados!...
 
(coro)
 
invocai a Falange do Mal!
Implorai proteção dos Infernos
Mais vingança ou desdita fatal,
Danação ou castigos eternos!
Concedei maldição aos humanos
Que não querem gozar os pecados,
Não sabendo os verazes arcanos
Que redimem do mal os culpados!
 
(coro)
 

• • •


Invocação a Lusbel
 
Guia-nos os passos Lusbel,
Trazes-nos a felicidade
E dá-nos a taça do fel,
Mais doce que mel em verdade...
Trazes o prazer do teu açoite,
O gozo eterno do sofrer.
Na tua força, pela noite,
Dá-nos agora o padecer!...
 
Guia-nos os passos Lusbel,
Trazes-nos os bens dos infernos!
Vê neste pobre menestrel
O vigor dos versos eternos!
Dá-nos o amor dos imortais
Qual messe pela rebeldia!
 
Guia-nos os passos Lusbel,
Trazes-nos tua maldição!
Fere com teu dardo cruel
Meu corpo na depravação!
No sofrimento, no amargor,
Fere-nos com teu tridente...
Deste castigo surge o amor...
Trazes-nos o tu fogo ardente!...

Babu Sotito Jaideux