Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Apoie
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Satanismo Livros Satânicos Naos Notas Sobre Alguns Termos Usados

Notas Sobre Alguns Termos Usados

Arquétipos:

A terminologia deriva dos trabalhos de Jung, ainda que usada, esotéricamente, de um modo especifico. Esotéricamente, um arquétipo é considerado como uma compreensão, por um individuo, de energias acausais. Essa compreensão pode ser consciente, ou pode ser inconsciente – isto é, ela é apresentada para a consciência do individuo pelos processos psíquicos tais como sonhos, trabalhos de Arte inspiradores ou o processo de viver (como quando, por exemplo, um individuo ‘ver’ uma pessoa real em um modo arquétipo: acredita que eles sejam tal como uma figura arquétipa).

Os arquétipos fundamentais, entendidos pelo individuo em um nível individual, são descritos no Tarot: como o ‘Arcano Maior’ e as Figuras das cartas dos Naipes. Esses são descrições de formas arquétipas.

Essencialmente, cada individuo possui dentro de si mesmo (em sua ‘psique’) todas as formas arquétipas: ‘masculinas’ (ou solares) e ‘femininas’ (ou lunares). A maioria desses são ‘escondidos’ por causa da consciência e a maioria permanece dormente. Treino magicko desperta essas formas, trazem-nas para a consciência e então as tira de suas ‘formas’: deixando energia arquétipa ‘pura’ (ou ‘acausal’). Essa energia torna o Adepto.

Como usado pelos Adeptos do caminho septenario, ‘arquétipo’ é um desenvolvimento da terminologia de Jung, e recoloca o termo “imagem” que tem estado em uso antes.

Psique:

Como usado esotéricamente, isso se refere aos aspectos latentes ou ‘escondidos’ de uma consciência individual. Uma parte importante da psique é o ‘inconsciente’ - aquela área da psique da qual o individuo é desatento (no sentido de não sendo hábil para explicar/entender elas em sua essência) e onde os arquétipos podem ser ditos ‘residir’.

Por ‘latente’ é significado: capaz de desenvolvimento. A psique assim contém o potencial do ‘Self’. Assim a psique pode ser vista como ‘acima’ e ‘abaixo’ o que um individuo em particular é em certo momento do tempo: Há usualmente alguma coisa ‘inconsciente’ como há usualmente o potencial de desenvolvimento futuro (em direção de maior consciência). Isso é simplesmente outro modo de dizer que imagens arquétipas, o ego, o self, e o ‘Imortal’ (esse último como o último estágio do caminho septenario) são todos parte da psique.

Ego; Self:

O ‘ego’ é aquele aspecto da psique de um individuo o qual se relaciona com o ‘Eu’ – isto é, a percepção é limitada pelos interesses/necessidades do individuo. Um individuo possuído pelo ‘ego’ é um individuo dominado pela maioria dos desejos/necessidades inconscientes – isto é, cativo pelos arquétipos e sua manifestação. Esotéricamente, um aspecto importante disso é quando um individuo é ‘possuído’ pelo simbolismo do inconsciente e vê aspectos da vida externa como ‘maus presságios’ desse inconsciente (que pode ser projetado como ‘Deus’/deuses/demônios: i.e. como derivando dessas formas). Isso se manifesta, por exemplo, no individuo imerso em simbolismo de sonho (e as ‘interpretações’), em ‘mensagens do inconsciente’ (e sua ‘interpretação’) – sejam essas de ‘Deus’/deuses/demônios etc. – e naqueles sistemas ‘causais’ (como o Tarot, I Ching etc. etc.) que eles acreditam que podem ‘explicar’ sua vida. Em contradição, o Noviço esotérico trata todas as formas de tal simbolismo com certo desdém – um mero meio: não um fim em si.

No desenvolvimento de um individuo enquanto um individuo se desenvolve naturalmente (i.e. sem a ajuda de Artes esotéricas) o estágio do ‘ego’ acaba da juventude para a meia-idade: há uma necessidade de estabelecer um ‘papel’ exterior (na sociedade/clã etc.), em encontrar um ‘companheiro’ e propagar e olhar pelas necessidades/prazeres físicos/mentais.

O ‘self’ é o ‘estágio’ além disso – quando há uma compreensão (frequentemente somente intuitiva fora da magicka) de (a) o wyrd do individuo e (b) a existência separada de outros indivíduos como aqueles indivíduos são em si mesmos. Colocando simplesmente, (b) envolve um grau de ‘empatia’. No estado natural, o self pode se desenvolver na ‘meia-idade’ ou antes – e freqüentemente desperta como uma conseqüência de experiências formativas (e.g. experiência de guerra; perda pessoal; tragédia). No estado natural (porque o inconsciente não tem sido prosperamente experimentado e integrado) há quase sempre um conflito com os desejos/pressões do ‘ego’ logo que a introspecção, dada pelo self, é às vezes perdida pelo individuo que retorna para uma existência de ‘ego’. A ‘sabedoria’ da ‘velhice’ é a resolução gradual desse conflito em favor do self.

No passado, o esforço de uma psique individual por self-elevado era frequentementerepresentada pelos mitos e lendas.

Outro termo para self-elevado (a vivência do papel do self – onde a percepção de ‘Tempo’ difere daquele do ‘ego’) é ‘individualização’ (q.v. Os trabalhos de Jung).

Esotéricamente, self/individualização é Adeptidade – mas Adeptidade implica muito mais que ‘individualização’. Implica um entendimento consciente, racional do próprio self e aqueles de outros tão bem quanto habilidade/maestria de Artes esotéricas e técnicas. Também implica uma perspectiva ‘cósmica’/Aeonica em relação ao Wyrd e o self. Individualização pode ser vista como um estágio natural, alcançado pelo processo natural de vivência (para alguns, pelo menos) enquanto que Adeptidade é um objetivo alcançado seguindo um Caminho esotérico; isto é, que resulta da Iniciação nos mistérios. Como tal, Adeptidade contém individualização, nas é maior que ela. Também, individualização em si é somente um estágio: há estágios mesmo além desse: ele não é o fim do desenvolvimento pessoal (como alguns ‘Jungianos’ mantém). Além, está o ordalio do Abismo e o nascimento do Mestre/Senhora – além deles está a Imortalidade.

Expressado simplesmente, o ‘ego’ não tem percepção de ‘tempo’ acausal – mas é afetado inconscientemente por energias acausais; o ‘self’ tem alguma percepção de ‘tempo’ acausal e é menos afetado pelas energias acausais. O Adepto tem aprendido a controlar as energias pessoais acausais da psique (magicka externa/interna) – ainda permanece, entretanto, energias ‘Aeonicas’ que afetam mesmo o self.

Controle/maestria desses leva o individuo para além do Abismo.

NAOS, Order of Nine Angles