Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Apoie
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Satanismo Livros Satânicos Naos Significado Esotérico do Jogo Estelar

Significado Esotérico do Jogo Estelar

Em geral, os sete tabuleiros representam o nexo entre causal e acausal: toda evolução é considerada como uma progressão, em magicka, do Iniciado para o Adepto para Mestre/Senhora é marcado pela progressão de Sirius (esfera da Lua sobre a Arvore de Wyrd) para Mira (esfera do Sol) para Rigel (Marte) – veja a tabela abaixo.

O simbolismo do jogo opera sobre vários níveis, os três mais importantes sendo o individual, o Aeonico (e a civilização ou cultura superior associada) e o cósmico. Exatamente como as sete esferas e assim os sete tabuleiros do Jogo Estelar representam as sete formas fundamentais que a ‘energia do Caos’ assume de acordo com nossa compreensão, então também fazem esses três níveis representar como aquela energia (ou, ‘a existência do cosmos’) se manifesta naturalmente. É claro, muitos mais níveis existem, mas para simplificar somente esses três serão considerados aqui.

O nível individual compreende como nós todos, como indivíduos temos dentro de nós por virtude sermos indivíduos possuídos de consciência, habilidade de aumentar essa consciência. Esse aumento pode ser expresso de muitos jeitos – por exemplo, ela é a ‘individualização’ Jungiana, o caminho magicko para Adeptidade e além – mas entretanto é expresso que ele é simplesmente representado pela reorientação dos elementos ‘psíquicos’ dentro de nós e a emergência de novos elementos. Os três símbolos básicos do Jogo Estelar - jogo1.jpgjogo3.jpg e jogo2.jpge  - representam os elementos básicos dos quais as energias psíquicas são formadas, quando manifestas em um nível individual. Assim, as nove combinações desses três elementos, como as peças do Jogo Estelar, representam as combinações de energias possíveis.

Entretanto, para uma completa descrição da psique individual, essas nove combinações são estendidas sobre os sete tabuleiros sobre uma base tripla porque os sete tabuleiros (representando as sete esferas do Septenario) simbolizam as orientações possíveis de consciência: em simples termos, as sete esferas e as correspondências associadas com elas (particularmente os deuses-formas ou arquétipos) estão presentes, latentemente ou expressas dentro do individual.

Para fazer isso claro, a terminologia de Jung será usada, ainda que deve ser lembrado que mesmo isso é somente uma expressão de muitas: a expressão mais representativa sendo os símbolos abstratos desde que esses são destituídos do conflitos ‘opostos’ e a dogmática/religiosa voz abafada que tem por baixo de muitas das expressões tradicionais. Nessa terminologia, as sete esferas representam os sete arquétipos fundamentais dentro de nossa psique, de acordo com a tabua dada abaixo onde os arquétipos são expressos em termos de mitologia Grega e Nórdica: por exemplo, mercúrio é o ‘enganador’ – Loki na Nórdica, Hermes na Grega. Como todas tais representações, essas são somente um guia, expressão exterior da essência interna.

Nesse contexto, as nove combinações são:

jogo1.jpg (jogo1.jpg) - Tipo Extrovertido Sentimental

jogo1.jpg (jogo3.jpg) - Extrovertido Intuitivo

jogo1.jpg (jogo2.jpg) - Extrovertido Pensador

jogo3.jpg (jogo1.jpg) Introvertido Sentimental

jogo3.jpg (jogo3.jpg) - Introvertido Intuitivo

jogo3.jpg (jogo2.jpg) - Introvertido Pensador

jogo2.jpg(jogo1.jpg) -  Mestre do Templo/Senhora

jogo2.jpg (jogo3.jpg) -  Grão Mestre (Magnus) /Grã Senhora

jogo2.jpg (jogo2.jpg) - Homo Galactica

Assim ( jogo1.jpg ) pode ser dito representar ‘Sentimento’; ( jogo3.jpg ) ‘Intuição’ e (jogo2.jpg)’Pensamento’ como esses termos são definidos por Jung.

Adicionalmente, ( jogo1.jpg ) descreve consciência do ‘ego’; ( jogo3.jpg) consciência do ‘self’, e ( jogo2.jpg) a consciência além do ‘self’ – isto é, além ‘individualização’. Em termos magickos, isso é
além do Adepto – isto é, os estágios representados pelos Graus de Mestre do Templo/Senhora da Terra e outros.

Leitores familiares com os trabalhos de Jung notarão duas coisas: não há listado o tipo ‘Sensação’, e o desenvolvimento do individuo é descrito além do processo de
Individualização Jungiana, o qual muitos tem visto como o ‘fim’ do desenvolvimento pessoal de acordo com as idéias de Jung.

A razão para a ultima diferença é obvia – magicka assume que não limite para nosso potencial, para nossa possível evolução de consciência. A razão para a primeira diferença é mais complexa, mas pode ser simplesmente expressa por colocar que um estudo completo dos ‘tipos’ de Jung mostram quão íntimos são seus tipos ‘Sensação’ e ‘Sentimento’ (uma análise completa é dada no MS da Ordem ‘Emanações de Urania’) - talvez seu desejo parta expressar a psique em termos dos quaternários que então interessou ele deram origem a esse desnecessário tipo extra. Como é, a psique pode ser descrita pelas nove combinações acima.

Assim, essas nove combinações, triplas (essa triplicidade expressando os três ‘tipos’ de consciência – ego, self e além self) espalhadas sobre os sete tabuleiros, dão uma completa representação de cada psique individual.

Por isso é possível, usando as peças e os tabuleiros, representar magickamente qualquer singularidade individual – e assim um movimento de certas peças podem ser feitas, esse movimento sendo a mudança da pessoa que então representa um desejo individual para trazer sobre aquele individuo. O Jogo Estelar assim dá a pessoa controle ilimitado, magicko sobre outros indivíduos – a pessoa deve desejar usa-lo para propósitos magickos. Em termos simples, uma representação do Jogo Estelar de uma pessoa em particular pela colocação das peças apropriadas sobre as tabuas apropriadas, é um ‘modelo magicko’ daquela pessoa – como, por exemplo, uma figura de cera em mágica mais primitiva. Para alcançar essa representação requer certa pratica e habilidade no jogo, é claro.

Esse uso magicko do jogo (os detalhes serão dados na Parte II dessa série para aqueles que não podem esperar para trabalhar por eles mesmos) é entretanto somente um uso do Jogo Estelar quando um individuo está sendo representado. Além desse pratico aspecto magicko, talvez seu uso mais importante é aquele que capacita uma introspecção não somente dentro de você mais também outros – pelo simbolismo. Isto é, ele mostra conexões e capacita uma analise da psique individual de uma maneira tão além das ‘psicologias’ de hoje como tecnologia moderna é além do machado de pedra.

Em termos Aeonicos, os sete tabuleiros representam os sete Aeons fundamentais que nós como seres perceptíveis podemos participar. Como para uma psique individual, esses representam uma evolução de consciência – do primeiro ou ‘Primal” aeon (quando consciência está somente começando a nascer) através do Sumeriano para o Ocidental presente. Um Aeon é basicamente uma representação em termos arquétipos/simbólicos, daquelas forças cósmicas/presas a Terra que modulam nossa evolução de um modo na maior parte inconscientemente. Enquanto aeons progressam, nós como indivíduos podemos ou não, dependendo de nosso próprio desenvolvimento pessoal/mágico, ser cientes dessas forças/influências externas a nós – em termos magickos tradicionais, a passagem do Abismo (no Septenario, de Sol para Marte) é quando essas influencias são entendidas  conscientemente, e o ‘self’ finalmente alcança uma liberdade através desse (freqüentemente somente intuitivamente) entendimento.

Em um sentido simbólico, um novo Aeon pode ser dito emergir quando um dos sete ‘Portais’ é aberto. Isso permite energia acausal ser presenciada na Terra, e esse presenciamento afeta a psique de todos aqueles indivíduos que não tem ‘cruzado o Abismo’, a intensidade da natureza disso depende de vários fatores. O mais importante sinal externo de um Aeon, é a civilização ou cultura superior associada – isto é, a energia de um Aeon em particular é expressa pelo mecanismo de uma civilização. A despeito dos clamores dos mistificadores que abundam no ‘Oculto’ houve somente cinco aeons – e cinco civilizações superiores que tem moldado as energias aeonicas, por um ethos, e assim contribuído para nossa evolução consciente. Esse ethos era, em parte, religioso no sentido que reverencia era presente para com o ‘Portal’ terrestre (o lugar físico onde as energias acausais eram pronunciadas) e aqueles que canalizaram suas energias (frequentemente inconscientemente) através de uma técnica magicka especifica. Frequentemente, um mito especifico ou lenda tornou-se associado com esse Portas, e enquanto o Aeon progressou as energias afetaram indivíduos de acordo com suas naturezas: inspirando criatividade, criando um ‘elan’ e um sentido de Destino... O modelo de energias aeonicas (i.e. suas transformações, causalmente) podem ser representadas pela seguinte seqüência:

formula-jogo.jpg

NAOS, Order of Nine Angles