Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Apoie
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Sociedades Secretas & Conspirações Textos Conspiracionais Nazi-Esoterismo: crenças e Magia no Reich de Hitler Possessão de Hitler: Testemunhos

Possessão de Hitler: Testemunhos

Walter Johannes Stein [1891-1957] era um judeu austríaco e pesquisador da mítica do Santo Graal. Em 1928, depois de publicar The Nineth Century World History in The Light of The Holy Grail, tornou-e relativamente conhecido. Ele emigrou da Alemanha para a Inglaterra em 1933. Entrevistado por Trevor Ravenscroft durante a pesquisa de Spear of Destiny [A Espada do Destino], Stein conta o fantástico episódio de seu encontro com um anônimo Hitler.

Estudioso da simbologia do folclórico herói germânico Parsifal, lendário cavaleiro da Távola Redonda do rei Arthur, [que muito impressionava Hitler], em uma manhã de agosto, em 1912, Stein, visitando uma pequena e suja livraria, em Viena, comprou um exemplar muito velho e rasgado do romance de Eschenbach. As páginas estavam cobertas de anotações escritas em uma letra minúscula porém legível
De posse do livro, Stein foi ao Demmel's Cafe, em Kohlmarkt [rua comercial de Viena], onde começou a examinar sua aquisição. Ficou preocupado: não eram comentários comuns mas o trabalho de alguém versado nas artes negras! O comentador desconhecido tinha descoberto os mais profundos segredos do Graal. Todavia, as anotações deixavam claro o desprezo do autor pelos ideais cristãos dos  Cavaleiros Templários, seu deleite em elaborar perversões próprias de um Anticristo e uma insana glorificação da linhagem sanguínea ariana. Stein se deu conta de que estava lendo as anotações de Satanás. Era a expressão de uma mentalidade abominável que concebia usar o poder do Santo Graal em favor de propósitos nada santos, para operar a magia negra evocando o poder do próprio Diabo.

Abalado com o tinha lido, Stein parou um instante e olhou pela janela do Café. Deparou-se com uma face desgrenhada e arrogante que ostentava um olhar demoníaco. Devia ter vinte e poucos anos. O sujeito vestia-se miseravelmente e segurava várias aquarelas que tentava vender aos transeuntes. Stein saiu do Café no fim da tarde e, encontrando o ambulante, comprou algumas aquarelas. Em casa, observando suas aquisições, constatou com espanto que o diabólico comentador de Parsifal e o autor das aquarelas tinham a mesma assinatura: Adolf Hitler [BAKER, 2004].

O testemunho de  Johannes não é o único relato da época ao testemunhar que Hitler agia como que se possuido por forças exteriores. Muitos relatos, incluindo de oficiais nazistas dão o mesmo parecer:

Adolf Hitler e o líder russo Joseph Stalin [1878-1953] eram possuídos pelo demônio ─ esse foi o diagnóstico do chefe dos exorcistas do Vaticano, presidente da International Association of Exorcists, que já presidiu a mais de 30 mil exorcismos, padre Gabriele Amorth, durante entrevista à Radio Vaticano, em 2006: É claro que o diabo existe e que Ele pode não somente possuir um indivíduo mas, também grupos, comunidades, nações inteiras. Eu estou convencido de que os nazistas estavam todos possuídos. Basta observar o comportamento de Hitler e de Stalin para ver isso: os horrores que cometeram, as atrocidades perpetradas sob suas ordens. Eis porque precisamos defender a sociedade dos demônios.

Documentos secretos do Vaticano, que foram publicizados neste começo de século XXI, revelam que o Papa Pio XII [[papado: 1939-1958]] tentou o exorcismo à distância de Adolf Hitler; a tentativa falhou. Padre Amorth explica: É muito raro que o exorcismo à distância funcione. Uma das chaves desse ritual é estar presente, cara a cara com o possuído e, por conseguinte, com o demônios [ou demônios]. Também é necessário o consentimento do possuído [em seus momentos de lucidez]. Não tenho dúvida de que Hitler era um possesso e não me surpreende que o Papa Pio XII tenha tentado o ritual embora com pouca chance de êxito. PISA, Nick. Hitler and Stalin were possessed by the Devil, says Vatican exorcist ─ IN Daily Mail UK publicado em 28/08/2006

Uma entidade estranha tinha entrado nele: era como se o próprio Hitler ouvisse, dentro dele mesmo, que a entidade tinha tomado posse de sua alma; e quando esta entidade o deixava, ele desabava em sua cadeira, esgotado, uma figura solitária, caída das alturas de um êxtase orgiástico, bruscamente abandonado por aquela força carismática ─ Walter Stein, companheiro de estudos em Viena
 
Sua vontade estava habitada por um demônio que, no fim, também possuía seu corpo ─ Dr. Otto Dietrich, médico que atendeu Hitler no bunker

Hitler nunca empreendia uma ação sem antes receber uma ordem ou indicação da Providência. Suas vozes interiores ordenavam-lhe marchar ─ Werner Masser, historiador
 
 Com freqüência dava a impressão de estar alucinado e de ser manobrado, de fora, por algum ser terrível? Que pacto teria firmado com as forças ocultas? ─ André Brissaud, escritor e jornalista francês
 
 
Em seus momentos de fúria, este simplório [no original, espanhol, pelele = babaca] é terrível. De repente, de um ser informe, transforma-se em uma criatura aterrorizante que assusta aos mais valentes e se converte em uma espécie de possesso disposto a matar imediatamente a qualquer um que se atreva a resistir-lhe. Sem dúvida, um possesso  ─   André Rivaud
 
 
Estava em transe. Nesse momento já não respondia por si mesmo. Para chegar a esse desdobramento da personalidade ele tinha se exercitado... Seus exercícios mobilizavam não somente a energia dez vezes superior à vontade ordinária de um homem mas também forças supra-terrestres. Eram ritos procedentes de Sociedades mágicas do passado, herança de civilizações nórdicas desaparecidas... Seres extraterrestre enviavam aos iniciados energias irracionais...

Absorto em suas vozes interiores mais obscuras e inquietantes, parecia transportado para outro mundo onde uma vontade infernal ditava-lhe as ordens... Ficava horas absorto em estranha contemplação. Passava da meia-noite e e ele ali, interrogando as vozes e às estrelas sobre as decisões que tomaria... Ele mesmo deixou entrever que padecia a influência de uma energia cósmica. Se comparava a um imã mas s e negava a identificar a energia que movia tal imã.

...Até Himmler, sobre ele [Hitler] dizia que: estava possuído por uma força oculta que escapava por completo ao seu [dele, Hitler] controle. Era o demônio que o tinha em seu poder e o obrigava a cometer seus horríveis crimes porque, segundo dizia, havia [o demônio] tomado posse de seu corpo [dele, Hitler] havia muito tempo. E no fim da vida teve a clara consciência de que havia sido enganado por um gênio do mal ─ Francois Ribadeau Dumas, escritor ocultista em El Diario Secreto de Los brujos de Hitler, 1978
 

O poder mágico que exercia sobre as massas era comparável às práticas ocultas dos buxos da África ou dos Shamans da Ásia. Assistimos à metamorfose de um homem insignificante em um homem importante ─ Otto Strasser[1897-1974], um dos fundadores do Partido Nazista
 
O Führer tinha grande prazer quando Krafft [um dos esotéricos que o cercavam] dizia-lhe ter lido nos céus que aterrorizar as pessoas por meio da matança e da destruição era uma distração dos deuses ─ Édouard Calic [1910-2003], ítalo-croata jornalista e historiador referindo-se a Karl Erns Krafft ...E Hitler respondia: Os deuses são maus e gostam da guerra.

Nazi-Esoterismo: Crenças e Magia no Reich de Hitler