Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Apoie
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Thelema Livros Thelemitas Carta a um Maçon A figura do Diabo

A figura do Diabo

Os judeus, depois que pararam de sacrificar primogênitos, tinham dois bodes sagrados para os festivais, um branco e outro negro. O branco era sacrificado a IAO ( o nome mais antigo de Jeová); o negro, carregado com as maldições dos sacerdotes, era impelido para o deserto...

Compreende o senhor melhor agora, Dr. G., por que razão a Sala dos Maçons é chamada a Sala do Bode Preto?

O Olho no Abismo é o Olho do Sol, o Olho de Hoor, que, por certas razões ocultas, é identificado com o anus. É por isto que se dizia, dos iniciados de Satã, que eles "beijavam o anus de um bode preto".... No Egito antigo, em certo ritual onde cada parte do corpo do Iniciado era colocada em relação com cada parte correspondente de algum ser divino, o Iniciado dizia em dado momento: "Minhas nádegas são as Nádegas do Olho de Hoor."


Mas quem diabo -- perdoe o trocadilho -- é na verdade este notório Satã que os padres romanos nos acusam de adorar, e a quem eles culpam por seus fracassos (ao invés de culparem a sua estupidez preconceituosa)?

Quando a Igreja Romana começou a "catequização" das províncias, encontrou continuamente deuses locais. Aprendendo as peripécias lendárias de tais deuses, os engenhosos padres romanos fabricavam um "santo" com as mesmas proezas, e diziam aos ignorantes pagãos: "Esse seu deus não é mais que um demônio que tenta lhes desviar de Nosso Senhor Jesus Cristo, e para este fim imita as façanhas de nosso amado mártir Fulano. E se vocês não me acreditam, ouçam a história da vida de nosso santo mártir..."

Desta forma, a Igreja Romana assimilou em sua liturgia um panteão inteiro de deuses pagãos que ram transformados em santos e santas e mártires imaginários -- os únicos mártires cristãos do início do cristianismo foram os essênios e os gnósticos, a quem os romanos-alexandrinos acusaram, caluniaram, e denunciaram aos imperadores. Exemplos: aqueles que adoravam o Cristo sob a forma de um asno (Príapus), os que adorava m o Cristo sob a forma de um peixe (Oannes); os que adoravam o Cristo sob seu nome de Baco ou Diôniso...

Mas houve um deus pagão que os romanos não conseguiram absorver, porque suas peripécias eram por demais virís para serem atribuídas a um "santo romano", que era necessariamente um castrado, no corpo ou no espírito. Por outro lado, seus ritos eram tão vitais, tão universalmente populares nas províncias, que era impossievel esperar que o povo o esquecesse: depois de seis séculos de tirania romano-alexandrina, el e ainda era conhecido e adorado: o deus PÃ, o deus de chifres e de cascos de bode...

Portanto, não podendo fazer dele um santo, Dr.G.'fizeram dele o diabo.

Uma profusão de dados sobre tudo o que foi escrito acima pode ser encontrado nos seguintes livros:

O DEUS DAS FETICEIRAS, de Margaret Murray
O LIVRO EGIPCIO DOS MORTOS, traduzido do egípcio por Sir Wallis Budge.
O RAMO DE OURO, de Sir James Frazer, na edição completa em vários volumes. Neste trabalho magistral o senhor encontrará um estudo detalhado dos deuses pagãos tornados em "santos" e "mártires" do calendário romano...


Mas voltando ao deus PÃ: a igreja Romana lutou contra os ritos deste deus durante vários séculos. Os festivais de Pã eram orgiásticos -- daí sua popularidade -- e celebrados nos Equinócios e Solstícios. Eventualmente, a Igreja Romana foi forçada a incorporar estes rituais em sua liturgia, visto ser impossível eliminá-los; e sabiamente fez deles os festivais mais importantes do culto a "Nosso Senhor Jesus Cristo" ;: a Páscoa ( com Corpus Christi ), o "Natal", o dia de "São João Batista" e o dia de "São João Apóstolo".

Eventualmente, a reforma gregoriana mudou o "Natal", que a princípio era oscilável como a Páscoa e Corpus Christi, e caía no Solstício; e tendo finalmente absorvido o rito orgiástico que então tinha lugar, os padres fixaram a data de 25 de dezembro (dava muito na vista, um aniversário oscilante...). Emtão os católicos romanos, seus derivados posteriores e muitas ordens ocultistas espúreas celebram nessa data a "ressurreição" ou "nascimento" do Sol: isto porque o solstício de inverno é o momento em que o Sol, tando alcançado seu máximo declínio meridional na eclítica, começa sua volta para o Norte, levando o calor que renovará a vida da vegetação na Primavera.

Mas, do ponto de vista iniciático, quem era este Pã?

Como qualquer deus de toda e qualquer terra em todo e qualquer período da história do mundo, era uma das formas pelas quais ou o Sol espiritual, que é o Pai verdadeiro, ou o seu primogênito, que é a "Bêsta", são adorados. Esta Besta varia segundo a precessão dos equinócios, pois o Equinócio de Primavera se move ( devido ao deslocamento de ponto vernal ) de sígno para sígno no Zodíaco aproxima damente em cada dois mil e quinhentos anos; e no Zodíaco os sígnos são alternadamente representados son a forma humana e animal.

No Aeon Passado, os pontos vernais caíam respectivamente em Virgo e Pisces, a Virgem e o Peixe; no que lhe antecedeu, caíam em Áries e Libra, o Carneiro e a Justiça (a mulher com a espada e a balança dos romanos antigos); no presente os pontos vernais caem em Aquarius, ou seja, a Mulher com a Taça (BABALON) em em Leo, ou seja, a Grande Besta Selvagem (THERION).

O deus Pã é simplesmente a fórmula do Logos que data do Aeon de Câncer- Capricórnio. Aí está o "diabo" dos padres romanos reduzido a suas verdadeiras proporções. Reduzido?... Bem, é uma questão de ponto de vista...

Não podemos nos aprofundar nesta questão do deus Pã, nem no simbolismo dos chifres, nem mesmo na história completa da luta da Igreja Romana contra o culto do "Diabo"; um culto que, diga-se de passagem, Roma jamais conseguiu destruir, a despeito de seus esforços sinistros. O senhor encontrará os dados fundamentais para tal estudo num livro precioso, publicado pela primeira vez no Século XVIII, mas recentemente republicado nos Estado s Unidos e Inglaterra:

TWO ESSAYS ON THE WORSHIP OF PRIAPUS, de Payne Knight.

Limitar-nos-emos a dizer aqui que este era o des adorado por "bruxos" e "feiticeiros", que preservaram seus ritos orgiásticos apesar de toda a perseguição implacável, das calúnias absurdas e do terrível risco de tortura e morte na fogueira, alem de outras punições impostas pela Igreja de Roma não só na Idade Média como até ao Século XVIII -- e que só não são impostas até hoje devido ao trabalho paciente e silencioso dos maçons, representantes dos verdadeiros cristãos...

Carta a um Maçon