Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Apoie
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Thelema Textos Thelemitas A Qabbalah Inglesa

A Qabbalah Inglesa

Crowley e a QabbalaTu obterás a Ordem e o Valor do Alfabeto Inglês; tu acharás novos símbolos para atribuí-los” - Liber Al II 55

A Qabbalah Inglesa preenche os requerimentos das instruções dadas no Liber Al vel Legis (O Livro da lei) Capítulo II verso 55. Foi descoberto no dia 23 de Novembro de 1976. Após trabalhar com a Cifra por vários métodos radicais, novas técnicas foram descobertas que confirmavam que era, sem dúvida, a prometida cifra de Al. A palavra tinha finalmente se tornado carne.

Como a Qabbalha Inglesa se originou? No dia 8, 9 e 10 de Abril, Aleister Crowley recebeu um livro, O Livro da Lei por voz direta comunicada por um “Praeter human intelligence” chamado Aiwass, identificando a si mesmo como “O ministro de Hoor-Paar-Kraat”, um aspecto de Hórus. Crowley que era tanto um qabbalista brilhante e um mago bem sucedido, ficou surpreso e chocado pelo conteúdo do livro que clamava ser a base do “Novo Aeon”. O Aeon da Criança Coroada e Conquistadora.

Apesar das circunstâncias incomuns envolvidas na sua recepção, Crowley dispensou o livro como apenas uma mera curiosidade. O manuscrito foi subsequentemente perdido por 5 anos, antes que ele fosse “Redescoberto” e começasse a perceber que o livro parecia conter formulas qabbalísticas de uma ordem incomumente elevada, fórmulas essas que prometiam revolucinar e eclipsar as tradições esmagadoras da Golden Dawn com um sistema evolucionário vital que era baseado inteiramente na realização do self, usando técnicas Místicas e Magickas. Esse sistema foi chamado Thelema.

Em um esforço para proliferar a mensagem do Liber Al, Crowley completou vários comentários extensivos sobre o texto, utilizando as Qabbalas Hebraica, Arábica e Grega, para desvendar os seus muitos mistérios. Suas tentatvias nas instruções do Liber Al II 55 foram inicialmente equacionadas aos pictogramas do Liber Trigrammaton, contudo ele não ficou inteiramente satisfeito com os resultados. No “New Comments” ele declara: “A atribuição no Liber Trigrammaton é bom, teoricamente, mas nenhuma qabbalah de mérito surgiu daqui.” Em 1918 o filho magicko de Crowley, Frater Achad, providenciou uma chave valiosa para desvendar o Liber Al, como descrito em sua tese (Liber 31). Achad nota o seguinte: “Então eu percebi um outra coisa muito importante. Eu estava me perguntando o porque A e L deveriam ser escolhidas, ou melhor, porque L a 12ª letra do alfabeto hebraico deveria seguir A, a primeira."

Também parecia que ele estava mais perto da cifra do que ele jamais percebeu, provavelmente, embora ele não soubesse, pois a décima segunda letra do Alfabeto Ingles também é L a segunda letra da cifra da Qaballa Inglesa e o nome do livro do qual foi gerado.

Depois da separação de Achad e Crowley o assunto da Qaballa Inglesa foi quase esquecida até a década de 70, quando um esforço concentrado foi feito para descobrir a chave para Al. E sobre os esforços mais recentes para descobrir a cifra? Em 1976 certos grupos e indivíduos assinaram juramentos da AA e trabalharam com o Liber Al em busca da Qaballa prometida. Algumas tentativas foram feitas e então ou abandonadas ou ritualisticamente sacrificadas como falhas. Duas ordens em particular, procuraram ativamente a resposta: a O.Z.R.C.S. e a T.T.S.. Ambos grupos trabalhavam independentemente e ignoravam a existência um do outro, ainda ambos acharam simbolos reincidentes, relevantes a Vênus, Escorpião e a Rosa Cruz. Depois de muitas tentativas, a T.T.S. decidiu procurar a chave magicamente e suficientemente apropriado, um membro começou a contar 11 letras de A até L. Ele continuou a sequência, contando mais 11 até W. Assim derivando as iniciais de “Azure Lidded Woman”. Voltando a sequencia dos 11, ele finalmente gerou a seguinte ordem: A L W H S D O Z K V G R C N Y J U F Q B M X I TE P 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26

Muitos indivíduos e grupos trabalharam com a cifra acima, usando os textos de Classe A, aplicando a QI (Qabbalah Inglesa) em vários aspectos de Magick. Depois da comparação de muitas informações empíricas, o consenso foi alarmante. Esta era sem dúvida a prometida Qaballah.

Nos Estados Unidos, alguns membros da QBLH trabalharam com a Cifra. Um membro, Soror Ishtaria, produziu um programa que permitia uma pesquisa rápida e precisa. Este programa é chamado “Lexicon” e continua sendo o único programa que vale levar em consideração para uma pesquisa séria sobre a QI. O que torna isso a prometida Cifra? O texto de Al contém evidências corroborativas em uma tremenda quantidade para substanciar esta ordem em particular. A seqüência começa com o nome do Livro Al, em conjunção com a terceira letra W produz um anagrama da Lei, o título em Inglês do Livro. Em todas as cópias “Oficiais” do livro da Lei, está um fax do manuscrito escrito a mão.

A Página 16 do capítulo III contém uma grade de números feita por Crowley no texto do liber Al III verso 47. Escrevendo o alfabeto continuamente sobre estas colunas, do canto superior esquerto, produzira a sequência acima pelas diagonais. Esta é prova suficiente para alguns, contudo, que a evidência continua a crescer.

Na mesma página o centro desta grade contém uma cruz dentro de um círculo, tradicionalmente símbolo da “Rosa Cruz”. O texto diz: “então este círculo quadrado em sua falha, é também uma chave”. O símbolo ocorre no quadrado separado para K com o valor de 9. O “quadrado” de nove = 81 o valor na QI para “Rosa Cruz”. A borda do círculo entra no quadrado adjascente e reservado para U ou 17. A soma dos dois quadrados que contém o círculo é 26, o número de letras no alfabeto inglês. O valor de “in it’s failure” (em sua falha) é 187 que se equivale a “Alfabeto Inglês”. “Is a key also” (é uma chave também) dá o valor 93, equivalente a “Escorpião”, “Dividir”, e “Tempo”.

93 logicamente sendo o valor do número que designa a corrente thelemica como um todo. Isso sugere que a ordem e o valor particular do Alfabeto Inglês apresentado aqui é especialmente relevante para Thelema. A soma total do Alfabeto Inglês é 351 que é a soma total de letras e números de Al II verso 76, um dos versos mais intrigantes no livro e assunto de muito debate. No capítulo I verso 24, Nuit diz o seguinte: “Eu sou Nuit, e meu número é seis e cinquenta”. Aplicando a QI ao texto, descobrimos que Nuit = 78. Naturalmente, 7 multiplicado por 8 = 56, precisamente 6 e 50 e é igual ao valor de “Isis”.

Este é apenas uma fração do número de exemplos a serem encontrados no texto de Al. Um verso em particular requer mais escrutínio pois contém as sementes da iniciação escondidas e reveladas ali. No Liber Al II 75 Hadit declara o seguinte: “Sim, ouçam os números e as palavras”. A frase é uma das mais marcantes no texto. Parece ser uma instrução mais detalhada para procurar uma ordem e um valor. A soma total do verso é 418, igual a “Abrahadabra” em hebraico e de acordo com Crowley, o número de conclusão da Grande Obra. A soma de 4 + 1 + 8 é 187 e é o valor de 2 frases em particular: “Alfabeto Inglês” é a primeira e a segunda frase... “And doubt it not!” (E não duvidem!)

E com relação aos métodos e técnicas da QI? Todas as técnicas da Qaballa Hebraica podem ser usadas com cifras do Al. Essencialmente elas podem ser quebradas em grupos específicos...

Gematria

Este é um método de comparar a soma total das palavras de um valor específico e comparar a relação entre eles. Por exemplo a gematria de Love (amor) = 44 (2+7+10+25) = “Aum Ha” as duas últimas palavras do Liber Al.O valor de 44 é também um “Solar Hawk”(Falcão Solar) e “Hawk + Lord” (Falcão + Senhor). É também comum a QI o sistema que tanto revela como esconde estas relações.

Notariqon

Esta é uma outra técnica comum derivando acrônimos das frases. O clássico exemplo no Liber Al é o de ISIS = 56; isto é demonstrado no Liber Al v 22 “since I am Infinite Space and Infinite Star thereof” (“uma vez que eu sou espaço infinito e estrelas infinitas”)

Este método pode ser extendido por examinar as primeiras letras de uma frase e um verso e comparando-as com as últimas letras da frase para descobrir suas formas de manifestação. Por exemplo: - “Amor é a lei, amor sob vontade”. (Love is the law, love under will) LITLLUW = 73 = Poder, de onde? ESEWERL = Senhor Guerreiro.

Números místicos

Esta é a soma de uma dada séries de 1 a uma íntegra significante. Por exemplo, o número místico de sete é vinte e oito (1+2+3+4+5+6+7). Sete é o número do Netzach a sephiroth tradicionalemnte reservada à Vênus. Note que 28 é igual a “Holy” e “Ankh”, os símbolos egípcios de Vênus. Anagrams Estes podem ser achados extensivamente nos textos de Classe A. Por exemplo “Hours” (horas) é um anagrama de Hórus = 45. Arms (braços, exército) é um anagrama de Mars (marte) = 39 etc.

Conte Bem

Esta técnica envolve a multiplicação cruzada de dois números e é derivado do texto de Al III v 19 “Conte bem seu nome e ele será para você como 718” O método mais rápido para se chegar a tal é a multiplicação do valor total de uma palavra com a segunda palavra. As duas somas são então adicionadas e o resultado é chamado de “Contando Bem” e designado pela convenção com um sinal de “%”...

Por exemplo,
Azure % Lidded = 718
Azure = 63 (1+8+17+12+25)
Lidded = 68 (2+23+6+6+25+6)
63 X 6 = 378
68 X 5 = 340 + 378 = 718
Aum%Ha = 93, Love%Law = 156, Sun%Midnight = 666, Abra%Hadabra = 418

Reversão de Números

Esta técnica é revelada no primeiro verso do capítulo 3 “Abrahadabra a recompensa de Ra Hoor Khuit” e é usado para encontrar a recompensa do número, i.e., a recompensa de Ra Hoor Khuit = 97 is 79 = Abrahadabra = Heaven. A recompensa de Horus 45 =54 = Snake [cobra] (Aquele que tradicionalmente traz a sabedoria)

Há muitas outras técnicas mas elas jazem fora do escopo desta breve introdução. Trabalhando com os métodos descritos acima providenciará um ‘momentum’ suficiente e uma ‘prova’ para confirmar a validade do Sistema. Nós estamos à beira do Novo Aeon. A Qaballa Inglesa provê uma chave para desembaraçar os mistérios como revelados no Liber Al vel Legis e os Textos de Classe A de Thelema. Como um sistema amplamente experimental, não tem dogma e apela à essência de cada indivíduo... A escolha, como parece, é clara.

Amor é a lei, amor sob vontade.

Fr Alav, Texto utilizado na igreja de Typhon-Christ