Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Apoie
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Thelema Textos Thelemitas Além da Mente

Além da Mente

A maioria da pessoas jamais se deu conta, no decorrer de suas vidas que, além do Universo dos processos mentais conscientes, existem outros tantos Universos desconhecidos contendo mundos tão vastos, tão amplos, que se torna difícil falarmos deles sem recorrer a um exótico linguajar simbólico. Atualmente, tais mundos de ação da alma humana têm sido identificados com o inconsciente ( seja pessoal ou coletivo ) que, na realidade seria apenas o portal de acesso àquelas amplitudes indizíveis. Incontestável, porém, é a realidade daqueles mundos.

Contrariando o pensamento geral, o direto conhecimento daquelas regiões não estabelece privilégio de nenhum grupo ou pessoa. Constitui esta consecução um direito de qualquer homem, assim como também lhe é permitido desfrutar de tudo que ali existe, bem como contatar com seus habitantes, que se apresentam à nossa visão interna sob proporções e formas, ora humanas, ora animalescas ou, não raramente, sob formas híbridas. Entretanto – e isto está descrito de maneira unânime – qualquer que seja a forma assumida por eles, paira em torno uma aura de poder, de beleza e magnitude, ultrapassando em muito nossas mais ousadas ficções.

Extasiado pelas visões magníficas, o homem criou em torno delas os mitos, as lendas e cerimônias que, com o tempo, tornaram-se o ponto central de muitas religiões e, certamente, percebendo impiricamente que a constante repetição de determinados comportamentos (orações, jejuns, cantos cadenciados, etc.) aliados, ou não, à ingestão de drogas obtidas de plantas ("sagradas") lhe dava acesso rápido àqueles mundos, criou sistemas mágicos/místicos de consecução que, à margem das religiões oficiais, eclodiram no nascimento do neo-ocultismo de nossos dias.

Ora, sendo aquelas visões, aqueles seres, puras manifestações de forças psíquicas existentes no próprio homem, veladas sob forma antropomórficas, de elevadíssimos ideais carregados de forte energia e dinamismo, o repetido contato com uma delas em especial – ou como dito no ocultismo, "com uma divindade" – tem seu ápice numa perfeita e total identificação do agente invocado com o invocador.

Quando tal identificação torna-se permanente, isto é, quando a personalidade humana morre em favor daquela nova entidade ( o que é muito raro, diga-se de passagem ), diz-se que um "deus", um "avatar", um "demônio" se encarnou na Terra.

Porém, na maioria dos casos a identificação não é perfeita, mas resta a inércia da visão. Assim, Moisés encontra-se com Jehovah, e Paulo com divulga seu encontro com Cristo na estrada de Damasco, e Maomé vê o Anjo Mensageiro. Este é o início de certas religiões, tais como o maometismo e o Mormonismo: mas nem Maomé nem Joseph Smith ( líder fundador dos mórmons ) atingiram o ápice do fenômeno, pois eles mesmos declaram abertamente que "viram um anjo, um mensageiro, o qual em ambos os casos, serviu apenas como intermediário entre deus e eles próprios. Mas, mesmo assim, o grau da energia contatada foi tão intenso que eles deram início à religiões poderosas.

Devemos aqui ressaltar um ponto que nos parece importante: esta união, esta "tomada" do homem pelo "deus", não deve ser confundida com possessão, a qual se define como sendo a posse do indivíduo por um ser externo, "alienígena", e contra a vontade dele.

Certos detalhes das visões nem sempre concordam entre si, de um para outro vidente, mas no contexto geral elas apresentam características básicas semelhantes em muitos pontos como, por exemplo, em Ezequiel, Moisés e Joseph Smith. Por outro lado, não poderíamos esquecer que certas entidades hostis são também genuínos moradores destes mundos além da mente, reinando igualmente nos obscuros setores de nosso lado oculto. A estas entidades, a estas energias, erradamente considerados hostis, nós fomos erradamente levados a chama-las "diabos", demônios, etc., e lhes emprestamos caracteres pessoais criadas por ignorantes teólogos.

Em resumo: tanto "deuses" quanto "demônios" existem no próprio homem, sendo energias profundas, mal conhecidas e mal dirigidas. 

Isto posto, percebe-se logicamente que não deveríamos exaltar "deuses" em detrimento de "demônios" e vice-versa. O que deve ser feito é aprender como conhece-los melhor, de como uni-los equilibradamente dentro de nós, pois o homem necessita, para seu desenvolvimento, tanto lidar com "deuses" como com "demônios".

 

 

Por Euclydes L. de Almeida