Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Apoie
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Ufologia Textos Ufológicos Círculos ingleses – código ou arte?

Círculos ingleses – código ou arte?

Crop CircleEste trabalho apresenta as formas geométricas e as simetrias encontradas nos círculos ingleses, através de alguns de seus exemplos. Este fenômeno, estudado por vários cientistas, ainda encontra-se sem qualquer explicação cientifica concreta. Entretanto, a perfeição das construções geométricas de suas formas é incontestável.

Introdução

O fenômeno dos círculos ingleses, também chamados de Crop Circles, é uma maravilha, no mais verdadeiro sentido dessa abusada palavra. Tendo começado da maneira mais modesta, há cerca de vinte anos, a formação dos círculos, que se restringia principalmente aos campos de plantação de trigo da Inglaterra, teve seu número aumentado de maneira assustadora nos anos recentes e hoje existe numa complexidade, quantidade e beleza que chega a inspirar assombro. Suas origens encontram-se envoltas no mais profundo mistério, mas as formações mostram uma clara evolução em termos de desenho, com diversos exemplos individuais que registram algumas características surgidas posteriormente, durante o correr de uma estação de ano.

Nestes círculos, ou em sua proximidade, nunca foram encontrados quaisquer traços ou pistas que indicassem como foram feitos ou por quem. Não há pegadas de pessoas, ou marcas de pneus de veículos, nem sinal de que as plantas em seu interior tenham sido manipuladas por humanos. Simplesmente, os círculos surgem do nada, portando uma mensagem inexplicável e desafiando nossa inteligência e tecnologia. As regiões sul e sudeste da Inglaterra ainda são áreas de maior incidência do fenômeno, principalmente nos condados de Wiltshire, Hampshire e nas regiões próximas a Stonehenge, no mês de abril a agosto, quando se dá o verão europeu.

Muitas das formações dos círculos parecem surgir durante o horário noturno, sendo que a maior parte delas é descoberta por camponeses somente na manhã seguinte, onde nada havia na tarde anterior. São pouquíssimos os casos nos quais é possível demonstrar-se que o surgimento dos círculos ocorreu em pleno dia, mesmo que em muitos casos, obviamente, não se dispunha de nenhuma hora exata.

Em suma, é quase impossível resistir à impressão de que os círculos misteriosos seriam resultado da ação de algum tipo de inteligência, que estaria operando de acordo com processos físicos ainda desconhecidos. Associados aos círculos existem diversos tipos de fenômenos muito estranhos, dos quais um dos mais significativos é o dos sinais aleatórios de alta freqüência.

 

Circulos Ingleses

 

O Efeito Nas Plantas e No Solo

Os "círculos" só aparecem nas plantações de trigo, cânola e cevada. Os caules destas plantas, que normalmente quando entortados se quebram, nas áreas onde o fenômeno ocorre, chegam a ser entortados em cerca de 90 graus.

O entortamento dos caules se dá num ponto entre 20 e 80% da altura total das plantas. Às vezes, plantas situadas lado a lado na colheita, são entortadas em direções opostas dentro do mesmo fenômeno.

Uma característica deste fenômeno é que, quando entortadas, não é possível desentortá-las com o risco de quebrá-las, continuando seu crescimento rasteiro ao chão.

Duas organizações vêm fazendo estudo do solo dos círculos. Elas são o Center for Crop Circles Studies in England e uma organização conhecida como ADAS Ltd.., trabalhando com o Ministério da Agricultura Inglês. Uma das coisas que eles descobriram é que os solos adquirem uma quantidade anormal de hidrogênio após cada formação. O único modo desta quantidade de hidrogênio aparecer assim seria se o solo recebesse uma carga elétrica extremamente forte.

Circulos Ingleses dobras

Fenômeno Secular - lenda ou realidade?

Os desenhos têm origem bem mais complexa e inusitada do que possamos imaginar. Documentos históricos fazem referências a estranhos fenômenos semelhantes aos sinais encontrados nas plantações há muitos séculos. Alguns estudiosos ingleses encontrarão na capa de um tablóide londrino, datado de 22 de agosto de 1678, uma narrativa que faz menção à lenda do Demônio Ceifador, relatando a existência de misteriosos círculos nas plantações inglesas já naquela época.

As imagens abaixo são bastante curiosas. À esquerda, um dos Círculos encontrados; à direita, um "fractal" (imagem geométrica criada matematicamente). A semelhança entre ambos é assombrosa, o que nos faz pensar, no mínimo, que alguma inteligência bastante avançada foi responsável pela elaboração da figura naquela plantação. O que pensar disto?

Crop Circles

Belas e intrigantes, não só na Inglaterra, mas também na Alemanha, Holanda, Republica Tcheca, Estados Unidos, Canadá, Austrália, Rússia, México e Brasil, sim, figuras foram encontradas no Brasil nos últimos anos. No dia 03 de dezembro de 1996, por volta das 17:00h, dois agricultores encontraram em um charco, á 100m da escola de Especialistas da Aeronáutica, na cidade de Guaratinguetá (SP), uma circunferência simétrica com cinco metros de diâmetro, em uma área pantanosa. A vegetação estava dobrada no sentido horário e os filetes do capim não estavam quebrados. Outro caso foi detectado no norte do Rio de Janeiro, nos canaviais das propriedades rurais de Campos dos Goitacazes.

A freqüência com que os círculos aparecem e sua diversidade nos provam que o enigma sobre sua origem e significado persiste, intrigando a todos que buscam uma resposta para o fenômeno.

As Fraudes

Estima-se que cerca de 30% dos círculos encontrados sejam falsos. Diversos motivos levam as pessoas a forjarem as figuras, entre elas estão a vontade de aparecer e ser notícia e principalmente a tentativa de desmoralizar os estudiosos do fenômeno. Há também aqueles grupos de pessoas que disputam entre si para ver quem faz o desenho mais bonito e mais próximo da realidade e para demonstrar suas habilidades artísticas.

O caso mais clássico de forjadores aconteceu há alguns anos. Dois velhinhos aponsentados de Preston Highs chamados Doug e Dave procuraram a imprensa britânica e reclamaram para si a autoria de alguns círculos descobertos na área de Alton Baines. Sua estória correu o mundo e muitos deram como encerrado o caso dos círculos ingleses, porém, quando diante dos jornalistas, os velhinhos mal conseguiram desenhar tais figuras, resultando em formas mal acabadas, sem qualquer precisão e com poucos metros de diâmetro.

Os estudiosos mais experientes dizem que os círculos forjados são mais facilmente identificados, pois são realizados de forma irregular, sem a simetria ou a perfeição geométrica dos círculos verdadeiros e ainda ficam repletos de vestígios de quem os fez e de como.

Circulos Ingleses Fraudes

A geometria dos círculos ingleses - código ou arte?

Considerados verdadeiras obras de arte por estudiosos e especialistas, estima-se que cerca de 10 mil destas enigmáticas figuras já foram descobertas em todo o mundo, sobretudo no sudoeste da Inglaterra (próximo à região onde se situa Stonehenge), onde a percentagem de incidência destas figuras chega a 98% dos círculos já encontrados. Os outros 2% foram encontrados na Austrália, Estados Unidos, França e Canadá. Os círculos ingleses são na verdade um emaranhado de formas geométricas de diversos tamanhos dispostas de maneira organizada. Em alguns casos extremos, círculos compostos por mais de 200 figuras geométricas perfeitamente dispostas, numa extensão que vai além de 300 metros de comprimento, já foram encontrados sem que os estudiosos – incluindo os do governo britânico – tivessem a menor idéia de como foram feitos.

Os desenhos parecem ser específicos a cada ano, quase como capítulos num livro. Em 1994, houve uma proliferação do que se convencionou chamar de "insectogramas", com figuras na forma de escorpiões, aranhas, teias de aranhas e outros insetos. Em 1995, os padrões pareciam sugerir sistemas solares, cinturões de asteróides e outras figuras planetárias. Em 1993, houve uma incidência de padrões geométricos.

Crop Cricles PAdrão

Não obstante o nome, nem sempre os círculos são perfeitos, mas sim são elipses ou ovais, e a maior parte das formações mostra uma notável excentricidade ou desvio do centro do fenômeno alguns graus em direção à sua periferia (normalmente a relação entre o diâmetro máximo e o mínimo é de 0,9o). Esta característica parece excluir como causa uma montagem realizada mediante uma estaca fincada na terra e uma corda ou corrente presa a ela, onde se faz girar em círculo para produzi-lo, o que resultaria num círculo perfeito (sem excentricidades). Mas este não é o caso e os círculos nos levam a crer que sejam de fato produzidos por alguma inteligência superior.

Com o passar dos anos as figuras foram se tornando cada vez mais complexas, primeiro eram circunferências simples, depois surgiram circunferências duplas, triplas, quadruplas, quíntuplas, círculos concêntricos, com esferas e tracejados, círculos com anéis, além de diversos outros formatos como figuras triangulares, ovais, espirais, etc. E assim, o mistério continua, os círculos viraram símbolos e depois figuras complexas e extraordinárias. Em alguns casos extremos foram encontrados desenhos compostos por mais 200 figuras geométricas perfeitamente dispostas, com 300 m de comprimento, aproximadamente.

Aliás, desenhos extremamente elaborados, pois o próprio nome “círculos ingleses” não é suficiente para definir o fenômeno de fato, uma vez que há uma enorme gama de figuras geométricas complicadas que são interpostas umas às outras com uma incrível perfeição e simetria. Muitos deles têm que ser observados de uma posição aérea para que seja possível colocar toda a figura no campo de visão, e assim ser percebido o impressionante nível de elaboração matemática sob os quais eles foram formados. E com o aumento na quantidade e complexidade das figuras a cada ano, ficava evidente que aqueles misteriosos desenhos jamais poderiam ser feitos por mãos humanas, pois mesmo que tivesse uma multidão de pessoas desocupadas e interessadas em produzir tal fenômeno não iriam dar conta das centenas de círculos que já vinham sendo catalogados em todo o interior da Inglaterra.

A seguir, são apresentadas formações geométricas desenvolvidas a partir de polígonos de 3, 5, 6, 9 e 10 pontas.

crop desenhos

Descobertas Significantes

Sabe-se hoje que cerca de 90% dos círculos genuínos surgem quase sempre nas mesmas áreas, ano após ano, e invariavelmente sobre ou muito perto de sítios arqueológicos de milhares de anos de idade.

Estes sítios arqueológicos às vezes estão enterrados e os estudiosos só se dão conta de que existem um determinado lugar quando surgem círculos lá. Um fator interessante a se notar é que um certo número de círculos têm aparecido perto de usinas nucleares, o que nos leva a crer que os responsáveis pelos círculos estão preocupados com a nossa loucura nuclear.

Outro fator é que algumas pessoas dizem ter sido afetadas depois de terem pisado dentro de uma destas formações. Alguns estudiosos comprovam estas estórias, como o Dr. Collete M. Dowell. Ele, como outras pessoas, diz que em algumas formações que entrou, se sentiu extremamente ansioso ou agitado. Em outras, se sentiu feliz, bobo e outras emoções.

Conclusão

Todo o mistério que se encerra sobre os círculos ingleses não é unicamente quanto ao agente causador desse fenômeno. Todas as características desses desenhos desafiam nosso conhecimento e nos levam a mais perguntas que respostas.

Existem diversos pesquisadores tentando interpretar o significado dessas figuras, alguns ligando os desenhos a símbolos matemáticos, outros associandos a sistemas astronômicos, além de compará-los a simbologia de civilizações antigas, como Persas, Druidas, Romanos, Celtas, Egípcios, etc. mas conseguem encontrar apenas uma pequena quantidade de desenhos e figuras nesse sentido, o que mostra que o significado dessas figuras seja algo bem mais complexo do que possamos imaginar.

O mistério dos círculos ingleses persiste, a cada ano que passa e a cada nova formação que surge o fenômeno se torna mais complexo e inexplicável. A simetria e a dimensão dessas figuras são algo extraordinário, alguns desses desenhos chegam a medir centenas de metros.

O enigma dos Círculos continua e parece não estar próximo de seu final. A cada ano vêm sendo catalogados cerca de trezentos novos desenhos, sempre nos meses de abril, maio, junho, julho e agosto, chegando a um total aproximado de dez mil figuras surgidas na Inglaterra nas décadas de 80 e 90. Esse mistério continua sem uma explicação definitiva, se tornando nos dois maiores enigmas deste último século. Como todo enigma não decifrado, existe um enorme número de especulações e toda a sorte de considerações absurdas que estão longe de elucidar tal fenômeno.

Quem quer que seja o autor, não apenas tem dotes artísticos sobrenaturais, como também a incrível capacidade de realizar o que quer que seja sem que as pessoas percebam. Por mais fantástico que isso possa parecer, o surgimento misterioso é um fato e não uma especulação e, sendo assim, qual outra explicação poderia ter para este fenômeno bizarro? Como alguém consegue realizar desenhos gigantescos à noite e com uma simetria tão perfeita sem fazer o menor ruído e com total ausência de luminosidade?

Colin Andrews, esse é o nome do homem que mais tem se dedicado à elucidação deste fenômeno. Financiado pela Fundação Lawrence Rockfeller, Colin criou uma equipe interdisciplinar para investigar o mais profundamente possível os círculos ingleses. Ele chegou a contratar ex-agentes policiais e detetives britânicos “top de linha” para se vasculhar minuciosamente o local em que surge um desses círculos a fim de descobrir quem ou o que tem sido o responsável por tais figuras. Quando surgia um novo desenho, imediatamente eles isolavam a área e passavam o “pente fino”. Este esforço acabou sendo um dos elementos que mais reforçam a hipótese alienígena. Excluindo em 30% os desenhos, nas quais ficou claro que era alguém tentando imitar os verdadeiros, não foi possível encontrar o menor vestígio de uma ação humana. “Isso significa simplesmente que, se os círculos não são feitos pelo homem, então temos que aceitar que alguém que não é da Terra os está plantando” – Colin quase que em tom de desabafo.

Pelo menos em uma coisa os estudiosos já se entendem: os círculos têm obrigatoriamente um componente não terrestre. Ou seja: não são construídos pela inteligência humana. De qualquer forma, o fenômeno dos "círculos ingleses" continua no reino das suposições.

Bibliografia

ALBINO, Wallacy. O mistério dos círculos ingleses. São Paulo: A. J. Gevaerd, 2002 ALBINO, Wallacy. “Misteriosa arte cósmica nas plantações da Inglaterra”. In: UFO – Revista Brasileira de Ufologia, no 74, Campo Grande, MS, outubro/2000.
NOYES, Ralph. O Enigma dos círculos. São Paulo: Mercuryo, 2000.

http://www.ufosite.hpg.ig.com.br/circulos_ingleses.htm
http://geocities.yahoo.com.br/painel_ovni_m1/Circulos_ingleses.html
http://www.acasicos.com/html/circulos.htm
http://gppovnis.tripod.com/Misterios/Circulos_Ingleses/Circulos_Ingleses.html
http://members.tripod.com/~ovnis_pt/circulos.htm
http://www.ufogenesis.com.br/misterios/circulos/circulos.htm
http://www.geocities.com/CapeCanaveral/Launchpad/3919/txufohp05-01.htm

Leonardo Alexander Venuto Souto