Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Apoie
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Vampirismo Vampirologia Vampiros para Iniciantes

Vampiros para Iniciantes

Vampboy"Certa vez um pai dilacerou o coração da filha
que despertou de um estado cataléptico durante
o velório, à noite. Pensou que ela se tornara vampira!
Esse infeliz enforcou-se ao descobrir o engano".
- Drácula, a Sombra da Noite.

Teorias de clérigos do século XVII sugeriram que os corpos que se tornavam vampiros eram ativados diretamente por um demônio e não pelo espírito do próprio morto. O Príncipe das Trevas concederia aos vampiros os mesmos privilégios da incorruptibilidade que Deus reservara a seus santos e santas através de uma espécie de santificação ao contrário. Assim como o corpo místico de Cristo constituíra-se aos poucos com as almas dos santos, esta espécie de pleroma demoníaco formar-se-ía dos espíritos dos mortos que incorriam na danação eterna (que em número eram bem maiores que os santos e fiéis legítimos ...).

No século XVIII, o papa Bento XIV ordenou aos arcebispos que desestimassem a crença nos vampiros, negando sua existência. A maioria das pessoas não sabe nada sobre vampiros além das coisas que viu em filmes e revista em quadrinhos.

Abaixo vão alguns exemplos de crenças populares que perfazem um conheicmento mínimo e inicial sobre a lenda dos vampíros:

Igreja: Vampiros não podem entrar em igrejas. Nenhum seguidor de Satã pode permanecer na casa do Senhor mas, pressentindo a ausência do Senhor numa igreja, poderá invadi-la contrariando todas as leis que regem sua amaldiçoada existência.

Cruz:
Vampiros têm terror de cruzes. Os símbolos religiosos não os afetam, a não ser quando catalisam e emitem a "luminosidade branca", própria daqueles que não foram maculados pelo ódio. Portanto, a cruz não lhe intimida se quem a segurar não tiver uma alma digna. Mark Hein Hager diz em Vampire Masquerade: 'Contudo, em algumas raras ocasiões tais objetos foram capazes de causar um desconforto considerável. "Nesses casos, seus portadores quase refulgiam de fé na Divindade, o que me leva a concluir que os objetos religiosos serviam de algum modo para canalizar o poder dessa fé.' No entanto, sem fé "crucifixos, água benta e outros símbolos religiosos devem ser ignorados".

Hóstia:
Para alguns só a hóstia sagrada é capaz de salvar quem não estiver de bem com Deus, pois representa o corpo de Cristo. Um círculo feito com a hóstia em torno de uma pessoa não permitirá a entrada do vampiro. Se for feito em torno do vampiro, ele não poderá sair. Atualmente essa crença tem sido muito questionada.

Estaca de madeira: Havia uma lenda. De acordo com ela o único jeito de matar um vampiro é com uma estaca enfiada através do coração. A única maneira de curar um vampiro é matando o vampiro que o criou. Vampiros reúnem-se em torno de um mestre. Se matar o líder, os semivampiros voltam ao normal. Algumas histórias recomendam usar madeira sagrada, de olmo ou espinheiro para fazer as estacas. Na Albânia, a lenda recomenda usar uma adaga benta, em forma de cruz. Apenas um golpe deve ser dado, ou a magia falhará. Algumas vezes, é recomendável a posterior "purificação pelo fogo", ou seja, a cremação do corpo. Mark Hein Hanger: "Jamais confie apenas na estaca. Transfixar seu coração com uma estaca apenas imobilizará o vampiro".

Na Europa, lendas acrescentam métodos que são comuns ao trabalho de assegurar paz a espíritos inquietos (os de suicidas e criminosos executados) como, por exemplo, enterrar os corpos sob água corrente ou nas encruzilhadas. Também, como outra providência, conseguiam o mesmo efeito trespassando o corpo com um estilete de madeira no coração. Em regiões, onde a crença nos vampiros assumiu uma importância maior que a nos espíritos, estas práticas foram tidas como defesa contra os sugadores de sangue.

Espelho: Vampiros não refletem no espelho. Nos semivampiros a imagem vai se tornando transparente à medida que o indivíduo se transforma, até sumir completamente. Essa crença deriva de uma mais antiga que dizia que demônios e espíritos não tinham reflexo nem sombra. "O demônio é à sombra de Deus e sombras não tem sombras" As lendas mais modernas sobre os vampiros que vem dos séculos 17, 18 e 19 são mais fortes no leste europeu, na área eslava e alguns dos costumes ante "vampiros" existem e são utilizados até hoje. Por exemplo: Quando morre uma pessoa várias dessas famílias ainda cobrem o espelho. Para que? A lenda é que o morto poderia se fixar no espelho e ficar ali mais ou menos assombrando a casa.

Entrar se ser convidado: Jamais convide um vampiro para entrar em sua casa. Isto o deixará sem poder.

Balas da prata: Pode-se atirar no vampiro à noite, quando ativo, com uma bala de prata. A bala ideal é a feita de um crucifixo derretido, e bento por um padre. Não confie apenas em armas de metal. Estas coisas machucam mas os ferimentos provenientes são rapidamente curados.

Alho: Vampiros têm repulsão pelo odor de alho. Nos dias de hoje essa crença tem sido muito criticada. No filme Garotos perdidos um vampiro alega: "Alho não adianta", mas morreu quando foi jogado numa banheira de água benta. Para Mark Hein Hanger as pretensas propriedades do alho, do acônito e de outras ervas são também meras superstições. Essas plantas repelem vampiros da mesma forma como fazem com a maioria dos mortais. Afinal de contas, quem gosta de ficar sentindo o odor do alho ou chorando ao lado de uma cebola?

Cebolas: Na novela Vamp cebolas foram usadas como substitutas porque o alho não estava mais funcionando. No filme "Um Vampiro Adolescente é dito que "cebolas são tão boas quanto o alho".

Luz do sol: No filme "Drácula de Bram Stoker", de Francis Ford Copola é dito que "ao contrário de algumas crenças, o vampiro, como criatura noturna, pode mover-se durante o dia apesar de enfraquecer-se, pois este não é o seu período natural". Mesmo quando se acredita que vampiros queimam no sol, semivampiros podem sair no sol apesar disso implicar em certo desconforto. Por isso adotam medidas como usar óculos escuros e dormir durante o dia.

"Um aviso. Não é agradável ver vampiro morrer.
Dois não morrem iguais. Uns gritam e urram,
outros vão em silêncio, uns implodem,
outros explodem mas todos tentarão
levar você junto".
Edgar e Alan Frog, Lost Boys.